Exposição que celebra história do Clube da Esquina será inaugurada amanhã, no Espaço do Conhecimento
  • 13
  • 07
Imagem da mostra Canção amiga: nova musicalidade fundiu tendências que pareciam irreconciliáveis. Divulgação

Imagem da mostra Canção amiga: nova musicalidade fundiu tendências que pareciam irreconciliáveis. Divulgação

 

Será aberta oficialmente nesta sexta, 14, às 11h, a exposição Canção amiga, que resgata a história do Clube da Esquina, grupo que, juntamente com Milton Nascimento, fez história na música brasileira. A mostra explora a consolidação do movimento no cenário artístico nacional, de 1972 a 1978, período em que foram lançados os discos Clube da Esquina e Clube da Esquina 2.

Nas décadas de 1960 e 1970, em Belo Horizonte, foram apresentados à cena musical brasileira, além de Milton, nomes como Márcio Borges, Fernando Brant, Wagner Tiso, Ronaldo Bastos, Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta e Tavinho Moura.

A exposição retrata um ambiente de importantes transformações políticas, culturais e sociais, no qual uma nova musicalidade foi criada com base na fusão de tendências, a princípio, irreconciliáveis: bossa nova, samba, jazz, rock, os sons da América Hispânica e as tradições do interior mineiro, com fortes traços da cultura negra.

A mostra é a primeira a desenvolver uma trilha sonora específica. Professores e alunos da Escola de Música da UFMG, sob coordenação do professor Mauro Rodrigues, desenvolveram arranjos que serão ouvidos durante a visita. As gravações da trilha contaram com a participação de Toninho Horta, Tavinho Moura, Túlio Mourão e Titane.

Canção amiga é resultado das pesquisas do Centro de Referência da Música de Minas da UFMG, que investiga, de forma interdisciplinar, as sonoridades produzidas e em circulação no estado.

A exposição ocupa o segundo e o quinto andares do Espaço do Conhecimento e ficará aberta ao público até setembro, de terça a sexta e aos domingos, das 10h às 17h, e aos sábados, das 10h às 21h. No planetário, será exibido o filme Entre discos e esquinas. Na fachada digital, será projetado um vídeo com depoimentos de artistas do Clube da Esquina. A mostra foi abordada pelo Boletim UFMG, em reportagem de capa.

LPs ou um movimento?

Não há consenso entre pesquisadores sobre o que é, precisamente, o Clube da Esquina. Para uns, são os dois LPs, produzidos em 1972 e 1978 e conduzidos por Milton Nascimento, com a participação de diversos músicos e compositores mineiros. Para outros, trata-se de um movimento mais sistemático, que tem início em Minas Gerais, mas se espalha pelo Brasil e pelo mundo.

As principais características do Clube da Esquina são os temas das letras das músicas, como amizade, utopia de um mundo melhor, natureza e os espaços rural e urbano, e a singularidade das melodias, das harmonias e dos arranjos. A multiplicidade sonora e a diversidade cultural caracterizam a produção musical do Clube da Esquina.

O Espaço do Conhecimento UFMG fica na Praça da Liberdade, 700, Funcionários.

(Com Assessoria de Comunicação do Espaço do Conhecimento)

Mais Notícias
O intelectual português foi homenageado em ritual protagonizado por estudantes da formação intercultural de educadores indígenas. Foto: Foca Lisboa/ UFMG
  • 26 abr 2017
  • 0
As formações transversais, o programa intercultural de educadores indígenas, a licenciatura no campo, a criação de vagas suplementares para representantes de povos indígenas e a...
Cartazes Festival de Inverno da UFMG
  • 28 jul 2017
  • 0
Neste ano, com sua 49ª edição, o Festival de Inverno da UFMG comemora os 50 anos de sua fundação. Os únicos dois anos em que...
Estudante de Letras da UFMG. Frame retirado do vídeo https://youtu.be/33aWPqoFCJo
  • 2 fev 2017
  • 0
As políticas adotadas pelo governo federal no último quinquênio para a educação superior pública do país promoveram mudanças no perfil dos alunos de graduação da...