Projetos

Diagnóstico de Alzheimer e demência fronto-temporal

O projeto visa estudar a Doença de Alzheimer e comparar os níveis dos componentes da doença citada com outros tipos de demência.

Desde o século passado, tem-se presenciado uma mudança na população de todo o mundo, com aumento do número de idosos, inclusive no nosso país. Esse fenômeno de envelhecimento populacional lançou grandes desafios para a sociedade, devido ao seu profundo impacto socioeconômico, político e na saúde pública. Pode-se observar, dentro desse contexto, uma maior ocorrência de doenças crônico-degenerativas na população idosa, entre elas, a demência. Dentre as diversas causas de demência, a Doença de Alzheimer (DA) é a principal, sendo responsável por, pelo menos, a metade dos casos e uma das principais causas de mortalidade em idosos. A demora no diagnóstico correto e o não acesso aos medicamentos adequados dificultam o tratamento. Estima-se que cerca de 5% da população brasileira com mais de 65 anos de idade sofre de DA, percentual dentro da média mundial. Como não há cura, se não for devidamente tratada e acompanhada ao longo dos anos, a doença tende a apresentar complicações e sequelas que comprometem a independência e a autonomia do paciente. Até o momento, o diagnóstico da DA é baseado nos sintomas. Muitas vezes, torna-se necessário diferenciá-la de outras demências, como a demência fronto-temporal (DFT), pois os tratamentos são diferentes.

O presente projeto objetiva encontrar um componente no sangue que possa detectar a DA, e ainda, comparar com níveis apresentados por pacientes com outros tipos de demência, como a DFT. Espera-se com isto permitir o diagnóstico mais precoce e preciso destas doenças.

Título Doença de Alzheimer e demência fronto-temporal: investigação de marcadores de diagnóstico e fisiopatologia
Coordenação Profª. Karina Braga Gomes Borges
Estágio de desenvolvimento Inicial