Notícias

UFMG apresenta resultado de pesquisa que busca vacina contra a covid 19

Publicado em 9 abril 21 às 12:54 por admin

Primeiros resultados foram apresentados para a bancada mineira na Câmara dos Deputados; reitora destaca necessidade inicial de R$ 30 milhões para a continuidade da pesquisa

Deputados Diego Andrade e Laura Serrano conhecem detalhes do cronograma de desenvolvimento da vacina da UFMG; pró-reitor de Pesquisa, Mario Campos, participou do encontro
Marcílio Lana

A reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart Almeida, e a professora Ana Paula Fernandes, professora da Faculdade de Farmácia, pesquisadora do CTVacinas e coordenadora da Rede Vírus do Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação (MCTI) em diagnóstico de covid-19, apresentaram para parlamentares da bancada mineira da Câmara dos Deputados informações sobre a Quimera Proteica, candidata vacinal desenvolvida pelo CTVacinas da UFMG para a covid 19. Em fase adiantada de desenvolvimento, a Quimera Proteica é um dos sete projetos de imunizante contra a covid 19 estudados pela UFMG. Dois deles por equipes do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e os outros cinco por pesquisadores que atuam no CTVacinas. No Brasil, há 17 projetos em estudo. Entre as candidatas vacinais em estágio mais promissor de desenvolvimento em universidades brasileiras são da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), de Ribeirão Preto, e da UFMG. No programa Voz do Brasil, da última terça-feira, 6/04, o ministro do MCTI, Marcos Pontes, citou os dois projetos, os apontando como as pesquisas mais promissoras em curso no momento no País.

Centro de pesquisa da UFMG é responsável pelo desenvolvimento de cinco candidatas à vacina contra a covid 19
Marcílio Lana

Em maio do ano passado, ministro Marcos Pontes visitou a UFMG e conheceu as instalações do CT Vacinas
Marcílio Lana

Encontro estratégico

O objetivo da reunião, que aconteceu na quarta-feira, 7/04, data em que se comemora o Dia Mundial da Saúde, foi apresentar os resultados preliminares da pesquisa da UFMG e também solicitar à bancada mineira apoio, por meio da destinação de recursos, para o prosseguimento da pesquisa. O desenvolvimento da candidata vacinal do CTVacinas da UFMG, que conta com financiamento inicial do MCTI e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), precisa de mais recursos para seguir em frente. De acordo com as estimativas dos pesquisadores do CTVacinas, a Universidade necessita de R$ 30 milhões para dar continuidade ao projeto.

O imunizante, em fase de testes, foi aplicado em camundongos. Nesses animais, o percentual de efetividade foi de 100% – todos os animais expostos ao vírus e vacinados sobreviveram, não apresentando nenhum tipo de sequela. A próxima fase é o teste em símios e, em seguida, os chamados testes clínicos – em humanos. Os R$ 30 milhões são necessários para a conclusão das primeiras etapas, necessárias para que se faça os testes clínicos. A expectativa dos pesquisadores, caso a UFMG consiga recursos para dar continuidade à pesquisa, é de que em 2022, desde que confirmada a sua efetividade, a vacina esteja disponível para campanhas de vacinação da população brasileira. 

Interesse público

O encontro, articulado pelo deputado federal Diego Andrade (PSD), líder da bancada mineira e da maioria na Câmara dos Deputados, foi comemorado pela reitora da UFMG, Sandra Goulart Almeida. “A acolhida dos parlamentares da bancada mineira foi expressiva”, destacou a reitora. Mesmo sendo uma agenda virtual, necessária como medida de distanciamento social para o combate à covid 19, o encontro contou com a presença significativa de parlamentares de diferentes partidos. “Todos manifestaram apoio à ciência, à pesquisa, ao desenvolvimento de uma vacina com tecnologia totalmente brasileira e se comprometeram a apoiar a iniciativa da UFMG”, complementa Sandra Goulart Almeida.

Reitora Sandra Goulart destaca experiência da UFMG na realização de testes de vacinas Marcílio Lana

Para o deputado federal Diego Andrade, é fundamental que o Brasil tenha uma vacina totalmente nacional. “Estou impressionado com o trabalho sério e o nível de tecnologia que temos dentro do CT Vacinas da nossa universidade federal [Universidade Federal de Minas Gerais]. No que depender do nosso mandato, haverá sempre o apoio irrestrito para que possamos produzir uma vacina 100% brasileira”, afirmou o parlamentar e líder da bancada mineira em rede social digital.

A candidata à vacina da UFMG apresenta resultados animadores, segundo a professora Ana Paula Fernandes. “Este imunizante é de fácil produção, baixo custo e os resultados têm demonstrado a sua eficácia em relação às novas variantes do coronavírus, identificados no Brasil e no Reino Unido. Com recursos, estaremos prontos para fazer os testes clínicos a partir de setembro deste ano”, afirmou a pesquisadora.

Professora Ana Paula Fernandes destaca a importância de uma vacina totalmente nacional Parlamentares mineiros se comprometem com o desenvolvimento da vacina da UFMG Marcílio Lana

Apoio à UFMG

O projeto de pesquisa da vacina da UFMG irá receber R$ 2 milhões destinados pela deputada estadual Laura Serrano (Novo), por meio de emenda parlamentar individual. A deputada mineira realizou uma reunião com a reitora da UFMG na semana passada e, ao tomar conhecimento dos primeiros resultados da pesquisa, decidiu apoiar o projeto e levou a proposta ao deputado federal Diego Andrade, que organizou a reunião com a bancada mineira.

Deputados Diego Andrade e Laura Serrano conhecem detalhes do cronograma de desenvolvimento da vacina da UFMG; pró-reitor de Pesquisa, Mario Campos, participou do encontro
Marcílio Lana

Nesta sexta-feira, a reitora também apresentou o projeto para o deputado estadual Bartô (Bernardo Bartolomeu), no Novo, que também estuda a possibilidade de destinação de recursos, via emenda parlamentar individual. Ele irá fazer um repasse de R$154.185,00 para a Universidade. O deputado é coordenador da Frente Parlamentar de Vacinação, em Minas Gerais, e planeja conhecer, ainda este mês, as instalações do CTVacinas e do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BHTec), onde o centro de pesquisa está instalado. A UFMG está empenhada em medidas de enfrentamento da covid 19 a partir de março do ano passado. A instituição é um dos centros brasileiros que participou da fase 3 das vacinas CoronaVac, desenvolvida pela bio-farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, e a da Janssen Pharmaceutical Companies, da Johnson & Johnson – a Faculdade de Medicina da UFMG é integrante da Rede CoVPN. Na semana passada, a reitora e o pró-reitor de Pesquisa, Mario Campos Montenegro, foram os convidados do UFMG Talks. Na oportunidade, eles destacaram a série de ações que a Universidade tem realizado.