Estudantes e pesquisadores internacionais da UFMG conhecem o maior Museu a Céu Aberto do Brasil

No último dia 24 de abril de 2017 a Diretoria de Relações Internacionais (DRI/UFMG) por meio do Setor de Acolhimento promoveu mais uma Atividade de Formação Multicultural voltada para os estudantes e pesquisadores internacionais da UFMG. Dessa vez, os participantes conheceram o Instituto Inhotim, o maior Museu a Céu Aberto do Brasil.

A atividade foi acompanhada por Elaine Parreiras, responsável pelo Setor de Acolhimento e Michelle Gontijo, estudante de graduação em Letras, e bolsista do Setor de Acolhimento. A equipe também contou com o apoio do estudante de graduação em Turismo, Manoel Almeida, que atualmente realiza o estágio supervisionado na DRI/UFMG.

O Instituto Inhotim, localizado em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte. É o maior centro de arte contemporânea a céu aberto da América Latina, cercado por um grandioso jardim botânico com 4300 espécies em cultivo e está cercado por mata nativa, abrigando diversas plantas raras, tanto nativas quanto exóticas. Mas é pela arte que o Inhotim ganhou notoriedade com mais de 20 galerias abrigam obras de 85 artistas de 26 diferentes nacionalidades: instalações, esculturas, desenhos, fotos e vídeos que encantam e estimulam a participação do visitante.

O grupo realizou uma caminhada pelos espaços que se misturam entre jardins e acervos de arte. E para tornar a atividade mais dinâmica, os organizadores propuseram algumas tarefas aos participantes com intuito de animá-los a visitar vários pontos do Instituto. Além disso, essas tarefas tinham como objetivo estimulá-los a desenvolver habilidades da língua portuguesa por meio de um questionário com o objetivo de entrevistar pessoas no Museu.

A atividade contou com a parceria da Divisão de Transporte do Departamento de Logística de Suprimento e de Serviços Operacionais (DLO/UFMG), que cedeu um micro-ônibus para a DRI, sendo possível a participação de cerca de 30 estudantes e pesquisadores internacionais da UFMG. Como a disponibilidade de vagas no ônibus era limitada, gostaríamos de agradecer e ressaltar a participação do padrinho, Mairon Assis Guimaris Eller Stofel, que se dispôs a ir com veículo próprio levando mais quatro estudantes internacionais ao Museu. A DRI agradece a sua participação e contribuição.