Papo em Pauta – Espaço do Conhecimento UFMG
 
Acontece | Papo em Pauta

4ª edição –  Convivência, trabalho e pandemia: novas territorialidades e afetos

 

Não há receita para viver em sociedade. Mas uma maneira de deixar essa experiência mais leve é compreender a condição humana. A pandemia e isolamento social tem reconfigurado a vida de boa parte das pessoas mundo afora, além do  modo como as relações de trabalho e até afetivas ocorrem. Durante os últimos quase 2 anos,  há exatos 22 meses desde que a  OMS declarou  a pandemia do coronavírus [em março de 2020],  o home-office e o teletrabalho se tornaram uma prática muito comum. Com isso, diversas  vantagens e desvantagens foram pontuadas por especialistas de várias áreas.

 

No livro ‘No caos da convivência: Ideias práticas sobre a arte de lidar com os outros’, os autores Ângela Marques e Luís Sá Martino, professores universitários,  sugerem atos que impulsionam uma experiência de convívio em sociedade mais leve, compreendendo a condição humana de maneira mais abrangente, pontuando  variações de humor, acolhimento, possibilidades, limites, ânimos e fragilidades.

 

Esse é o pano de fundo da primeira transmissão do Papo em Pauta em 2022. Trata-se de um  ciclo de palestras sobre saúde, cultura e bem estar, fruto de parceria entre o Espaço do Conhecimento UFMG e o Instituto Unimed-BH. Nesta edição o tema será Convivência, trabalho e pandemia: novas territorialidades e afetos. Durante a conversa, os convidados Ângela Marques, professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG e Luís Sá Martino, professor titular do Programa de Pós Graduação em Comunicação da Cásper Líbero, vão bater um papo  com o público baseando-se no livro publicado em 2020, pela editora Vozes Nobilis.

 

Durante a live, o público poderá participar enviando comentários e perguntas pelo chat. A próxima edição do Papo em Pauta acontece no dia 25 de janeiro,  às 19h, com transmissão ao vivo pelo canal www.youtube.com/espacoufmg. Acompanhe mais informações nas redes sociais do museu!

 


3ª edição – Tempo de tela e seus impactos para a saúde de crianças e adolescentes é o tema do próximo Papo em Pauta

 

Cada vez mais, crianças e adolescentes usam os dispositivos móveis para estudar, jogar, conversar, ler e se conectar. Essas e outras  atividades cotidianas têm proporcionado um desequilíbrio no tempo que as crianças passam em frente às telas, no período de utilização dos dispositivos de tecnologia digital, tais  como smartphones, tablets, computadores, videogames ou televisão, principalmente em meio à pandemia.

 

Pesquisa da UFMG, em parceria com outras universidades do Brasil, coordenada pela neuropediatra Liubiana Arantes, feita com mais de 6 mil pais de crianças e adolescentes, concluiu que o uso excessivo de celular por crianças  durante a pandemia aumentou, extrapolando muito mais do que o tempo recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria [que recomenda o tempo máximo de uma hora para crianças pequenas]. Segundo 51% dos pais entrevistados, o tempo foi extrapolado excessivamente. Outros 24% responderam que os filhos tiveram entre duas e três horas de uso.

 

Já a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box – Crianças e smartphones no Brasil, revelou um aumento do uso de telas de crianças de sete a nove anos. Em um ano, o índice passou de 30% para 43%, sendo que 19% das crianças utilizaram smartphones diariamente por três horas, e outros 24%, por quatro horas ou mais.

 

Com a presença cada vez mais marcante desses aparelhos na rotina, esse público está sendo exposto precocemente. Desta forma, os efeitos de uma longa exposição ao tempo de tela podem ser notados na saúde mental, emocional e física. Os danos desse excesso causados ao desenvolvimento das pessoas até os 15 anos são tema de estudos e pesquisas no mundo todo.

 

Mas quais as consequências reais dessa exposição à saúde? Qual é o tempo de tela recomendado e os fatores de risco no desenvolvimento infantil? Há benefícios? Como os pais e responsáveis podem se manter em alerta para preservar a saúde de seus entes queridos?  Essas e outras perguntas serão respondidas na próxima edição do Papo em Pauta, que acontece no dia 14 de dezembro,  às 19h, com transmissão ao vivo pelo canal www.youtube.com/espacoufmg.

 

A nossa convidada é a médica e perita da UFMG Júlia Machado Khoury. Ela também é psiquiatra e psicogeritária pelo HC-UFMG, com mestrado e doutorado em Medicina Molecular e ainda pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Vulnerabilidade e Saúde (NAVeS-UFMG). O público pode participar enviando comentários e perguntas pelo chat, para enriquecer o debate, via www.youtube.com/espacoufmg, ou ainda pelas redes sociais: @espacoufmg.

 


2ª edição – Papo em Pauta: Espaço do Conhecimento UFMG debate a importância das vacinas para a saúde coletiva e lança publicação especial para educadores

 

No dia 09 de novembro, o Espaço do Conhecimento, em parceria com o Instituto Unimed-BH, UFMG promoverá mais uma edição do Papo em Pauta e o lançamento do ebook Fora da Caixa: Vacinas – uma publicação para educadores, terça-feira, às 19h, no canal www.youtube.com/espacoufmg. O projeto iniciado em  junho, realiza agora a 2ª edição.

Na abertura, um bate papo sobre o tema ”proteção e cuidado: a importância das vacinas para a saúde coletiva”. O convidado é Flávio Guimarães da Fonseca, professor do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia, pesquisador associado do CT-Vacinas e integrante do Comitê Permanente de Enfrentamento do Novo Coronavírus da UFMG. A mediação ficará a cargo da professora Camila Mantovani, Coordenadora do Núcleo de Comunicação e Design do Espaço do Conhecimento. O público poderá participar enviando comentários e perguntas pelo chat, para enriquecer o debate.

Fora da Caixa: Vacinas – uma publicação para educadores

A escolha do tema Vacinas se deu por diversos motivos, conforme explicado no texto de apresentação. “Um dos principais é a atual pandemia da Covid-19 e a queda nos índices de vacinação que vem ocorrendo desde 2014, segundo dados do Ministério da Saúde, o que levou aos surtos de sarampo verificados no país em 2016 e, posteriormente, em 2018. Desse modo, as questões mais sensíveis do tema se referem à recusa vacinal, um fenômeno complexo cujas causas variam de acordo com as condições da época e do local”.

 

A abertura traz um texto institucional sobre o Espaço do Conhecimento UFMG, seguida da apresentação e mais  5 seções, que contam com textos informativos e descrições de atividades práticas, algumas já realizadas no Espaço,  que podem ser utilizadas para trabalhar os temas abordados, além de tópicos “Para Saber Mais”, com indicação de materiais para aprofundamento das pesquisas. A seção 1 discute o que é o sistema imunológico, o que são as vacinas e como elas atuam no corpo humano. A seção 2 aborda o processo de produção das vacinas, bem como traz uma discussão sobre como os cientistas trabalham. A seção 3 trabalha a vacinação como uma atitude de proteção coletiva, a partir da abordagem do conceito de “imunidade de grupo” e de questões ligadas ao SUS. A quarta seção aborda vários aspectos relacionados às fake news, incluindo maneiras como elas podem influenciar na hesitação vacinal e uma discussão sobre formas de reconhecê-las. Por fim, a última seção trata de marcos importantes sobre a vacinação ao longo da história e busca promover a conscientização a respeito da caderneta e do calendário nacional de vacinação. Cada seção conta com um capítulo voltado para a abordagem em sala de aula, intitulado trabalhando o tema com os alunos e sugestões de oficinas e outras atividades a serem desenvolvidas com os estudantes. Ilustrada, a publicação contém  92 páginas e foi desenvolvida por mediadores (bolsistas de extensão)  do Espaço do Conhecimento, em seguida passou por parecer e revisão de professores e pesquisadores da UFMG.

Segundo a professora  Diomira Maria Cicci Pinto Faria, Diretora do Espaço do Conhecimento, “com este livreto, reafirmamos o compromisso do Espaço do Conhecimento UFMG com a divulgação científica e com a democratização do conhecimento acadêmico. Buscamos ainda contribuir com a missão da UFMG de formar cidadãos críticos e éticos, comprometidos com a transformação da sociedade no sentido da redução das desigualdades”, conclui.

 


1ª edição – Papo em Pauta: Espaço do Conhecimento UFMG lança ciclo de palestras sobre saúde, bem-estar, cidadania e outros temas, em parceria com o Instituto Unimed-BH

O projeto inicia em 8 de junho, com evento que discute os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU

O Espaço do Conhecimento UFMG lançará no dia 8 de junho, em parceria com o Instituto Unimed-BH, o projeto Papo em Pauta, ciclo de palestras que trará temáticas relacionadas a saúde, bem-estar, cultura, cidadania e outros assuntos pertinentes na atualidade. O Espaço do Conhecimento tem uma longa trajetória na promoção de debates sobre as mais diversas áreas de conhecimento dentro do projeto Café Controverso, realizado de 2012 a 2019. A partir deste ano, com o Papo em Pauta, o museu volta a realizar esses fóruns, sempre com a presença de especialistas e a participação do público, colocando em pauta assuntos que estão em discussão dentro e fora da universidade. Devido à pandemia, o projeto será iniciado em ambiente virtual, em lives transmitidas pelo YouTube.

A palestra de abertura traz o tema “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): um compromisso com o futuro“, e acontecerá no dia 8 de junho, terça-feira, às 19h, no canal www.youtube.com/espacoufmg. Os convidados são Henrique Zeferino, professor do departamento de Relações Internacionais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Coordenador do Núcleo de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável, e Rafael Tello, economista, fundador e diretor da Watu Sustentabilidade, coordenador da Rede Desafio 2030 e do Hub ODS MG e professor de sustentabilidade estratégica e aplicada da Fundação Dom Cabral (FDC), HSM Educação e Skema Business School. A mediação será de Sibelle Cornélio Diniz, economista, professora da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG e coordenadora do Núcleo de Ações Educativas e Acessibilidade do Espaço do Conhecimento UFMG.

 

Henrique Zeferino trará uma discussão sobre o contexto geral dos ODS – origem, características e importância, abordando a importância da Ciência, Tecnologia e Inovação para a implementação dos ODS, com foco no papel das universidades.

Rafael Tello apresentará um recorte da projeção das ODS em Minas Gerais e a atuação da Rede Desafio 2030. O público poderá participar enviando comentários e perguntas para discussão, pelo chat.

Serviço:
Papo em Pauta – edição Cidadania | “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): um compromisso com o futuro”
Quando: 8 de junho, terça-feira, às 19h
Onde: Canal do Espaço do Conhecimento UFMG no YouTube (www.youtube.com/espacoufmg)
Atividade gratuita

 

 


Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o museu é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas Gerais. O Espaço pertence à Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG, é amparado pela Lei de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio do Instituto Unimed-BH, viabilizado por mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores.

Sobre o Instituto Unimed-BH: associação sem fins lucrativos, o Instituto Unimed-BH, desde 2003, desenvolve projetos visando ampliar o acesso à cultura, estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, valorizar espaços públicos e o meio ambiente e contribuir com a formação para a cidadania. É responsável pela realização do Programa Sociocultural Unimed-BH que, ao longo de sua história, destinou cerca de R$140 milhões ao setor cultural, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e da Lei Federal de Incentivo à Cultura, gerando milhares de postos de trabalho, impulsionados pelo patrocínio de mais de 5.200 médicos cooperados e colaboradores. Anualmente milhares de pessoas são alcançadas por meio de projetos de cinco linhas de atuação: Comunidade, Voluntariado, Meio Ambiente, Adoção de Espaços Públicos e Cultura, alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Neste ano, todas as iniciativas do Instituto celebram os 50 anos da Unimed‑BH.