Histórico

A situação de decadência econômica da cidade de Tiradentes por volta de 1968, com todo o
seu patrimônio cultural em processo acelerado de deterioração, levou o Governador Israel
Pinheiro, sem recursos para promover sua revitalização da cidade a solicitar a ajuda a Sra.
Maria do Carmo Mello Franco Nabuco com quem tinha fortes laços de amizade e plena
confiança da sua sensibilidade para o cumprimento deste desafio.

Com o intuito de revitalizar a cidade e preservar seu patrimônio, contando com o total apoio da sua família e do seu marido, o advogado José Thomas Nabuco, foi instituída, em 29 de maio de 1970, a Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade, cujo nome homenageia um dos mais expressivos homens públicos do Brasil. Além de primo de Dona Maria do Carmo, ele foi presidente do IPHAN desde sua fundação em 1937 até 1968, quando se aposentou, vindo a falecer logo após essa data.

De 1970 aos nossos dias, a atuação da Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade se dá em colaboração com os poderes públicos municipal, estadual e federal.

A partir de 1997, a Universidade Federal de Minas Gerais passou a ser a coordenadora e
gestora da Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade, através de um protocolo de
intenções assinado pelo reitor e pela presidente do conselho deliberativo da Fundação, no
qual se estabeleceram bases para ações de cooperação mútua, com vista ao
desenvolvimento de programas, projetos ou atividades de ensino, pesquisa e extensão,
especialmente na área cultural.

O principal marco nesta trajetória foi constituído pela proposta de implantação do “Campus Cultural UFMG Tiradentes”, com o objetivo de tornar permanente e orgânica a atuação da Universidade na cidade. A partir daí a ideia de um Campus Cultural tem orientando as ações da Fundação e da Universidade. Atualmente, o Campus Tiradentes está ligado à Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

Hoje, além do imóvel onde funciona o Centro de Estudos e Biblioteca, a Fundação possui
três prédios de grande valor histórico – Museu Casa Padre Toledo, a antiga Cadeia (cedida
ao Instituto Cultural Flávio Gutierrez, onde hoje está instalado o Museu de Sant’Ana) e a
antiga Casa da Câmara (cedida para a Câmara Municipal de Tiradentes). Além desses
imóveis, a Fundação obteve a permissão de uso do Sobrado Quatro Cantos, de propriedade
do IEPHA/MG, onde atualmente funciona o Quatro Cantos Espaço Cultural, que integra o
Campus Cultural.

Os comentários estão encerrados.