LINKS RÁPIDOS
• Agendamento de Visitas
• Como chegar
• Contato

• Parceiros
• Expediente
plantas Medicinais

A produção de medicamentos e o tratamento de doenças tiveram início com o uso de plantas medicinais. Por fazer parte da natureza, o homem sempre buscou conhecimento dentro dela. Ao longo da história da humanidade, diferentes sociedades vêm observando as plantas e utilizando-as com fins medicinais, passando esse conhecimento de geração a geração. No Brasil, esse quadro não é diferente. Ainda na época da colonização, os europeus puderam comprovar o conhecimento dos índios a respeito das plantas e começaram a aprender, com eles, a extrair as propriedades medicinais de certas espécies nativas.

Plantas medicinais são aquelas que, por possuírem princípios ativos com ações terapêuticas, são utilizadas na preparação de remédios.

Os principais modos de preparo de remédios a partir de plantas são:

• Infusão - Consiste em jogar-se água fervente sobre a parte da planta a ser usada e, em seguida, tampar o recipiente que as contém. Enquanto esfria, a água vai extraindo da planta seus princípios ativos.
• Decocção - Nesse processo, é preciso ferver a parte da planta utilizada a ser utilizada junto com a água por até 5 minutos.
• Maceração – é feita deixando, por alguns dias, a planta em contato com algum líquido – geralmente álcool ou óleo frio.

É importante saber identificar e conhecer as diferentes espécies, já que cada uma delas deve ser preparada de acordo com sua química e seus princípios ativos. A utilização também deve ser feita com cuidado. Por serem naturais, é comum a idéia de que as plantas medicinais não fazem mal e de que, por isso, podem ser usadas sem moderação. É importante saber que as plantas medicinais são remédios e agem quimicamente no corpo. Conhecer as plantas, não misturá-las e consultar um especialista a respeito dos estudos científicos na área são algumas atitudes que garantem um uso responsável das plantas.


Biodiversidade ameaçada

A rica flora brasileira abre um enorme leque de possibilidades de utilização de plantas para fins medicinais. Toda essa biodiversidade, no entanto, se encontra ameaçada por diversos fatores. A intensa destruição a que está sujeita a flora brasileira com seus milhares de espécies importantes para a medicina, muitas delas ainda desconhecidas do meio científico coloca em risco essa biodiversidade.

O processo de perda de material biológico é chamado de erosão genética e sua intensificação progressiva pode acarretar danos irreversíveis para a vegetação brasileira. A destruição do hábitat natural dessas plantas e sua intensa exploração são alguns dos fatores que podem gerar essa erosão. O êxodo rural também traz conseqüências fortes para o conhecimento tradicional a respeito das plantas medicinais, já que as famílias, ao deixarem o campo, levam consigo informações importantes relativas às plantas daquela região.

A biopirataria é outro fator de grande risco para a flora brasileira. Todo ano, milhões de espécies nativas são retiradas ilegalmente das florestas brasileiras para serem estudadas em outros países. O Brasil, além de perder esse conhecimento, ainda acaba pagando royalties pelos medicamentos estrangeiros feitos a partir de matéria-prima nacional. Por esses motivos, é importante implementar políticas que preservem essa flora e regulamentem o uso de plantas medicinais, além de incentivar os estudos nessa área para benefício da população.


As Plantas Medicinais e o Museu

O setor de Plantas Medicinais do MHNJB dispõe de uma horta didática, que compreende diferentes espécies de plantas medicinais. Por intermédio do Dataplamt ainda em fase de construção , o visitante poderá observar amostras de drogas vegetais, ou seja, a parte da planta de onde se extraem os princípios ativos dos medicamentos. Além disso, serão disponibilizados, para consulta, fotos e dados concernentes às plantas medicinais devidamente catalogadas. Tudo isso para que o visitante, de qualquer idade, tenha acesso às informações necessárias para um bom uso das plantas.

Também faz parte dos projetos do setor, a implementação de um laboratório de controle de qualidade de plantas medicinais. Os monitores do laboratório, amparados por pesquisas e estudos desenvolvidos na área, analisarão as plantas medicinais, a fim de certificar sua qualidade e de orientar a população quanto às condições de armazenamento e uso das mesmas. Todo esse espaço será utilizado, sobretudo, para a popularização da ciência.

 topo
DATAPLAMT - banco de dados
             
Clique nas miniaturas para ver uma imagem