Avanço da Covid-19 para o interior põe Minas Gerais em alerta

Bruna Almeida Marlière
Bruna Almeida Marlière perdeu o pai, Marcos Luiz Rocha Marlière, em maio, por Covid-19. Marcos tinha 56 anos, trabalhava como professor de música e morava em Juiz de ForaArquivo pessoal

Mais de 70% dos 853 municípios mineiros têm casos confirmados de Covid-19. Em todo estado, já foram registrados 24,9 mil casos e 570 mortes, de acordo com  boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde nesta quinta-feira, 18 de junho. O índice geral de ocupação dos 2.964 leitos de terapia intensiva da rede estadual do Sistema Único de Saúde é de 75%. No entanto, em algumas regiões, como Jequitinhonha, Leste, Nordeste, Noroeste, Triângulo do Norte e Vale do Aço, mais de 90% dos leitos de UTI estão em uso. O avanço do novo coronavírus pelo interior do estado é o tema do episódio 46 do programa Outra estação, da Rádio UFMG Educativa.

Um dos entrevistados, o professor Leonardo Costa Ribeiro, da Faculdade de Ciências Econômicas (Face) da UFMG, lembra que os números oficiais podem estar subestimados. “Minas Gerais tem baixo índice de testagem, é um dos estados com maior número de hospitalizações por síndrome respiratória aguda e pequeno número de casos confirmados. A soma desses três fatores é um indício de que se tenha um alto grau de subnotificação”, diz. Para cada caso confirmado, haveria 16,5 que não aparecem nas estatísticas, segundo estudo por ele coordenado. Dessa forma, a projeção é de cerca de 411 mil pessoas infectadas em Minas Gerais.

“No interior do estado, a estrutura de saúde que pode vir a ser demandada pelos pacientes com Covid-19 é muito deficitária, e a sobrecarga vai cair em Belo Horizonte ou nas cidades maiores. Os sistemas serão, inexoravelmente, sobrecarregados, com risco para todos.”

O alerta é do professor da Faculdade de Medicina da UFMG Geraldo da Cunha Cury, coordenador do Internato em Saúde Coletiva, disciplina mais conhecida como “Internato Rural”. É o período em que os estudantes do curso prestam atendimento supervisionado em cidades do interior. Com a pandemia, as atividades estão suspensas, para garantir a segurança dos alunos, assim como as demais atividades acadêmicas da Universidade. A instituição começou a discutir alternativas para a retomada dos cursos da área da saúde.

Distanciamento social

Damião Pereira Leite
Damião Pereira Leite, de 43 anos, mora em Uberlândia, município com mais casos confirmados de Covid-19 no interior de Minas. Ele, a esposa e uma filha foram infectados
Arquivo pessoal

A baixa adesão às medidas de distanciamento social é o principal motivo do avanço do novo coronavírus pelo interior de Minas. A avaliação é do professor Douglas Sathler, do curso de Geografia da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), em Diamantina, e doutor em Demografia pela UFMG.

Moradora de Juiz de Fora, na Zona da Mata, Bruna Almeida Marlière, 31, faz um apelo. “Parece que é uma ofensa até pessoal, quando eu vejo as pessoas desmerecendo a doença, não se cuidando, quando eu vejo a rua cheia. Meu pai perdeu a vida por causa disso, e tem gente que não acredita”, lamenta.

Segundo balanço divulgado pela Prefeitura de Juiz de Fora, nos últimos sete dias, o índice de distanciamento social no município ficou em torno de 52%, abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial da Saúde. A cidade é a terceira em número de mortes no estado, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde. A capital, Belo Horizonte, e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, são os municípios que mais registraram mortes pela doença em Minas.

Também foram entrevistados o professor do Departamento de Matemática da UFMG Ricardo Takahashi, coordenador da força-tarefa Modelagem da Covid-19, o operador de máquinas Damião Pereira Leite, contaminado pela Covid-19 em Uberlândia, o coordenador da Rede de Urgência e Emergência da Secretaria de Saúde de Uberlândia, Clauber Lourenço, o presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde de Minas Gerais, Eduardo Luiz da Silva, e a professora do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros Iara Maria Soares Costa da Silveira.

Para saber mais

Painel de monitoramento da Secretaria de Saúde de Minas Gerais, o qual, entre outros dados, apresenta a distribuição geográfica dos casos confirmados de Covid-19 no estado.

Página em que o Ministério da Saúde publica boletins epidemiológicos diários sobre o perfil de casos e óbitos da Covid-19

Página da UFMG com informações sobre a Covid-19

Produção

O episódio 46 do Outra estação é apresentado por Beatriz Kalil, com edição de Alessandra Ribeiro e Tiago de Holanda. A produção é de Alessandra Ribeiro, Beatriz Kalil e Tiago de Holanda. Os trabalhos técnicos são de Breno Rodrigues. A coordenação de jornalismo da Rádio UFMG Educativa é de Paula Alkmim. A produção do episódio contou com apoio da Diocese de Uberlândia e da jornalista Carolina Leonel.

Outra estação aborda, semanalmente, um tema de interesse social. Na Rádio UFMG Educativa (104,5 FM), vai ao ar às quintas-feiras, às 18h, com reprise às sextas, às 7h30. O conteúdo também está disponível nos aplicativos de podcast, como o Spotify.