Professores vão abordar implicações do ‘novo normal’ em webinar

Salão de estudo da Biblioteca Universitária vazio em meio à pandemia: volta se dará em novas bases
Salão de estudo da Biblioteca Universitária vazio em meio à pandemia: volta se dará em novas basesEwerton Martins Ribeiro / UFMG

Até que se encontre uma vacina eficaz contra o novo coronavírus, o Sars-CoV-2, será preciso manter medidas de prevenção e proteção, como respeitar o distanciamento social, evitar aglomerações, usar máscaras e higienizar rigorosamente as mãos. Essas necessidades ficaram ainda mais evidentes neste momento em que os números de casos confirmados e de mortes que têm como causa a Covid-19 continuam aumentando no Brasil e, particularmente, em Belo Horizonte.

A convicção de que será preciso reestruturar o cotidiano, as atividades e as formas de interação é uma das motivações para o webinar que o Comitê Permanente de Enfrentamento ao Novo Coronavírus da UFMG vai realizar nesta terça, 30 de junho, a partir das 9h. O evento, de acesso aberto, será transmitido pelo canal da Coordenadoria de Assuntos Comunitários no YouTube.

O webinar está organizado em apresentações sobre aspectos diversos relacionados ao chamado “novo normal” que emerge da pandemia. A professora Fernanda Cimini, da Faculdade de Ciências Econômicas, vai apresentar um panorama do que ocorre no Brasil e no mundo; Mauricio Campomori, diretor da Escola de Arquitetura, vai falar sobre novas formas de relação com o espaço comum da Universidade; à professora Teresa Kurimoto, da Escola de Enfermagem, caberá a abordagem de relações interpessoais e bem comum; Livia Borges, do Departamento de Psicologia, vai tratar da tentativa de conciliar trabalho e família no mesmo tempo e espaço, e Erna Kroon, do Instituto de Ciências Biológicas, vai fazer uma explanação sobre biossegurança e protocolos sanitários. O evento será moderado pela professora Claudia Mayorga, pró-reitora de Extensão e integrante do comitê.

Distribuição desigual
A professora Cristina Alvim, que está à frente do Comitê de Enfrentamento, lembra que o custo social da pandemia é distribuído de forma desigual pela sociedade e que este é um dos desafios que a Universidade precisa encarar ao organizar-se para os próximos tempos em que o novo coronavírus “fará parte de nosso repertório de vírus respiratórios”. “Precisamos considerar aspectos muito distintos, como a barreira digital que se impõe a grande proporção dos estudantes brasileiros. Esse encontro é mais uma iniciativa que vai nos ajudar a enfrentar da melhor forma possível uma situação sem precedentes recentes”, diz a professora da Faculdade de Medicina.

“As medidas de prevenção e controle da transmissão da Covid-19 precisam ser construídas e implementadas com ampla participação da comunidade universitária. E acreditamos que a UFMG tem papel relevante de liderança na definição de normas e boas práticas que podem servir de exemplo e inspiração para outras universidades no país”, conclui Cristina Alvim.