Universidade Federal de Minas Gerais

Arquivo
alaide.jpg
A professora Alaíde Lisboa

Professora Alaíde Lisboa de Oliveira faleceu no último sábado

segunda-feira, 6 de novembro de 2006, às 14h35

Faleceu no último sábado, 4 de novembro, aos 102 anos, a escritora, educadora, ex-vereadora e professora emérita da UFMG, Alaíde Lisboa de Oliveira. O sepultamento foi realizado, na manhã de ontem, no cemitério do Bonfim. Autora de clássicos infantis como A bonequinha preta e O bonequinho doce, obras lidas por diversas gerações de crianças brasileiras, Alaíde também se destacou como pesquisadora de metodologias de ensino. A professora foi casada com o advogado, professor e escritor José Lourenço de Oliveira, com quem teve 4 filhos: Abigail, José Carlos, Sílvio e Maria.

Natural de Lambari (MG), onde passou a infância e a adolescência, a professora, que integrava a Academia Mineira de Letras, tornou-se, em 1950, a primeira vereadora de Belo Horizonte. Tais atividades demonstram o perfil múltiplo de Alaíde, para quem a possibilidade do sonho sempre foi a principal meta do ser humano. "O que seria de nós se não sonhássemos um pouco? Ou melhor: que seria do mundo se os homens não sonhassem?", escreveu em uma de suas obras.

Tanto na infância em Lambari, onde estudou no Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior, quanto na adolescência em Campanha (MG), Alaíde Lisboa revelava grande gosto pelo estudo. Durante o internato do Curso Normal do Colégio Nossa Senhora de Sion, passava horas a aprender. Para quem sempre apreciou o conhecimento, os tempos na Escola de Aperfeiçoamento Pedagógico de Belo Horizonte seriam muito proveitosos. Lá, assistiu a aulas de grandes mestres da educação, como Helena Antipoff. Em sua trajetória intelectual, publicaria mais de vinte livros, além de inúmeros artigos em revistas e jornais brasileiros.

UFMG
Após anos de estudo, Alaíde Lisboa aproximou-se da UFMG, onde lecionou Didática Geral e Especial. Foi também diretora do Colégio de Aplicação da Universidade e vice-diretora da Faculdade de Educação (FaE) e organizou o mestrado da área. Atuou como professora da pós-graduação na FaE e na Faculdade de Medicina, dedicando-se à disciplina Metodologia do ensino superior. "Dona Alaíde era, ao mesmo tempo, maternal e mestre. Uma mulher muito forte, sempre aberta às mudanças do mundo", ressalta Maria Ângela de Faria Resende, ex-aluna de Alaíde e autora, ao lado do professor Guido de Almeida, da biografia poética Meu coração ou Alaíde Lisboa de Oliveira na memória da Universidade.

Intelectual e escritora"irrequieta", Alaíde Lisboa jamais cogitou a hipótese de entregar sua vida aos afazeres domésticos. As diversas "riquezas" do caminho sempre a atraíram com muito mais intensidade: "A mulher exclusivamente absorvida pelos cuidados materiais da casa, a mulher alheia às mutações sociais e políticas cedo perde o contato com a geração que se forma dentro da própria casa. O filósofo já disse que somos animais políticos", escreveu.

Saiba mais sobre a professora Alaíde Lisboa no BOLETIM da UFMG.

24/mar, 18h36 - Proposta de normas para graduação sedimenta práticas e aprendizados, diz pró-reitor em apresentação de anteprojeto

24/mar, 17h44 - Inscrições para curso de extensão que discute obra de Heidegger terminam neste sábado

24/mar, 17h16 - Morre Ronaldo Araújo Costa, vice-diretor do Cecom

24/mar, 6h34 - Biblioteca Central recebe mostra de livros de artista que tratam de temas políticos e sociais

24/mar, 6h27 - Prêmio Mares Guia, de incentivo à pesquisa básica, abre inscrições

24/mar, 6h23 - Desafios do ensino superior a distância reúnem especialistas em colóquio internacional na UFMG

24/mar, 6h19 - Tito canta clássicos da MPB em sarau neste sábado, no Espaço do Conhecimento

24/mar, 6h16 - Jornada vai tratar das interfaces da terapia ocupacional com outras áreas do conhecimento

24/mar, 6h02 - Aulp premiará trabalho acadêmico sobre relações entre países de língua portuguesa

23/mar, 14h25 - Coletivo promove recepção a calouros negros nesta sexta, no gramado da Reitoria

23/mar, 11h35 - Roberto Bigonha, do DCC, é o novo professor emérito da UFMG

23/mar, 9h48 - ‘As cidades são o lugar da rebeldia e devem estar preparadas para produzir encontros’, defende Fernando Haddad em aula inaugural

23/mar, 6h36 - Campus Pampulha sediará seminário internacional sobre arte, educação e autobiografia

23/mar, 6h33 - Pesquisa mostra que Brasil não cumpre meta de conservação de espécies ameaçadas de extinção

23/mar, 6h30 - Ceale Debate aborda inserção das mulheres na literatura nacional

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
março de 2017 (160)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)

Expediente