Universidade Federal de Minas Gerais

Acervo Projeto República/UFMG
fafich_invadida.jpg
Em 1968, tropas da PM ocuparam o ex-prédio da Fafich, onde será construído o Memorial

Parceria entre UFMG e Ministério da Justiça traz para Belo Horizonte sede do Memorial da Anistia Política

terça-feira, 28 de abril de 2009, às 7h32

A UFMG e o Ministério da Justiça formalizam hoje parceria que prevê a criação da sede nacional do Memorial da Anistia Política no coleginho do antigo prédio da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich). O imóvel, situado no bairro Santo Antônio, passará por uma reforma e receberá acervo contendo materiais relativos aos 60 mil processos de indenização que foram apresentados na Comissão da Anistia Política. O Memorial também contará com diversos dossiês administrativos, fotos, imagens, relatos, testemunhos, livros, áudios e vídeos recebidos pela Comissão por ocasião da campanha de doação de arquivos referentes ao período da ditadura militar. A estes documentos se somará ainda o acervo preservado pela própria UFMG, que inclui cerca de 10 mil fotos e 400 filmes da época.

A assinatura da parceria acontecerá em Brasília, às 16h, com a presença do reitor da UFMG, Ronaldo Pena, do ministro da Justiça, Tarso Genro, do vice-presidente da República, José Alencar, do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, além dos ministros mineiros Patrus Ananias, Luiz Dulci e Hélio Costa. Na ocasião, a Prefeitura de Belo Horizonte assinará também um acordo com a UFMG em que se comprometerá a dar o suporte necessário para a implantação do Memorial. A perspectiva é de que a primeira etapa da obra, de transformação do espaço em museu e centro de documentação, seja concluída até o final do ano. Uma segunda etapa, que inclui a construção de dois anexos, deverá ser finalizada em 2010.

A criação do Memorial da Anistia Política se dá no mesmo momento em que a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, coordena a criação do Memórias Reveladas, centro de referências que abrigará documentos oficiais do governo militar. “São projetos complementares. O nosso Memorial constituirá o acervo das vítimas e testemunhas, sendo que grande parte dele será composto de doações. A ministra, por sua vez, pretende reunir os arquivos oficiais, produzidos pelos militares. É uma iniciativa importante que demandará muito trabalho, pois diversos documentos continuam guardados a sete chaves. São informações que ainda não foram reveladas”, explica a vice-reitora da UFMG, Heloísa Starling.

Reflexão
Na opinião da vice-reitora, o Memorial tem a importância de estimular a reflexão sobre o período militar e, consequentemente, possibilitar o debate sobre a consolidação da nossa democracia. “O espaço abrigará um riquíssimo material de pesquisa que traz o ponto de vista das vítimas do regime, muitas vezes ocultado pela História. São documentos que permitirão à Universidade elucidar ainda mais as questões ligadas à ditadura. Há muitos fatos desconhecidos, e os eventos daquela época deverão emergir com outra força. Ao mesmo tempo, a sociedade terá acesso a informações que permitirão criar uma visão mais aprofundada sobre o período. Acredito que o Memorial terá impactos significativos no debate político”, diz ela.

Heloísa Starling relata ainda que, para fomentar a apropriação do espaço pelo público, estão sendo discutidas ideias como a realização de cursos livres, de shows e de exibições de cinema. O objetivo é dar vitalidade cultural ao ambiente, estabelecendo um calendário de atividades com eventos temáticos sobre a ditadura. Além disso, a própria construção do Memorial se dará através de um intercâmbio com a sociedade, que poderá constribuir com o acervo, e com a comunidade do bairro Santo Antônio. O projeto prevê, por exemplo, a construção de uma praça, sugestão dos moradores da região.

Escolhas
A localização da sede do Memorial foi decidida por um comissão criada em 2007 pelo Ministério da Justiça. Foram avaliados imóveis do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Belo Horizonte. Heloísa Starling acredita que vários aspectos contribuíram para a escolha da capital mineira, entre eles a importância de alguns fatos históricos da luta contra a repressão. Mas o fator que mais pesou na decisão, segundo a vice-reitora, foi a atuação da UFMG. “A nossa Universidade é a que mais tem se preocupado com os estudos da ditadura. Esta não é uma preocupação de um ou outro reitorado, mas sim da instituição como um todo. Desde a gestão do professor Cid Veloso, foram realizados grandes eventos que envolvem a memória do período militar. Não é à toa que nosso acervo sobre esta época é enorme”, argumenta.

Um outra decisão importante foi a escolha de Daniela Thomas para assumir a museografia do Memorial. Natural do Rio de Janeiro, Daniela é filha do cartunista Ziraldo. Iniciada no teatro, ela realizou importantes trabalhos de cenografia em peças de destaque, além de ter escrito roteiros teatrais. Tornou-se cineasta, e tem em seu currículo os filmes Terra estrangeira (1994) e Linha de passe (2007), ambos dirigidos em conjunto com Walter Salles.

20/jan, 7h09 - Ronald Claver ministra oficina de criação literária a partir do próximo mês

20/jan, 7h00 - Eventos promovidos por associação de estudantes de pós-graduação discutem conjuntura científica brasileira

20/jan, 6h54 - Revista do curso de Ciências do Estado, que celebra os 500 anos de 'Utopia', recebe artigos até 1º de fevereiro

20/jan, 6h44 - Nova oficina do projeto 'Sábado com Libras', no Espaço do Conhecimento, aborda capacidade de improviso

19/jan, 16h03 - Comunidade começa a debater proposta das novas Normas Gerais de Graduação

19/jan, 6h58 - Confluência entre escrita, som e imagem é tema de colóquio internacional na Fale; submissão de trabalhos termina na sexta-feira

19/jan, 6h47 - DAC seleciona monitores entre alunos assistidos pela UFMG para atuar no Festival de Verão

19/jan, 6h27 - Inglês para Fins Acadêmicos recebe inscrições até 3 de fevereiro

19/jan, 5h52 - Fachada digital do Espaço do Conhecimento volta a exibir projeções da série 'Ativismos contemporâneos'

18/jan, 9h34 - Professor de universidade portuguesa ministra conferência na UFMG sobre o valor pedagógico do silêncio

18/jan, 6h48 - Encontro de pesquisa tratará das continuidades e rupturas do processo histórico; inscrições de trabalhos terminam no dia 5

18/jan, 6h39 - Curso inspirado em obra de Platão estimula expressões criativas na arte

18/jan, 6h35 - Livro do projeto 'Pensar a Educação' aborda história da formação docente na UFMG

18/jan, 6h29 - Evento on-line sobre universidade, educação a distância e software livre é remarcado para fevereiro

17/jan, 14h08 - UFMG assina termo de cooperação para acolher escritores refugiados

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
janeiro de 2017 (63)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)

Expediente