Universidade Federal de Minas Gerais

Pesquisa dos Laboratórios de Neuropsicologia e de Genética da UFMG pode ajudar a desvendar causas e consequências da discalculia

segunda-feira, 7 de junho de 2010, às 8h10

Pesquisadores das áreas de neuropsicologia e genética da UFMG se uniram em estudo que pretende desvendar as causas e efeitos da discalculia, transtorno de aprendizagem da matemática que atinge 6% da população mundial. A pesquisa, que envolve crianças de sete a 14 anos de escolas públicas e particulares de Belo Horizonte e Mariana, baseia-se em testes de desempenho escolar, psicológico e de inteligência, entrevista clínica e, posteriormente, análise do genoma dos voluntários

Equação, matriz, raiz quadrada, análise combinatória, progressão, números complexos. Para muita gente, matemática é sinônimo de dor de cabeça. Mas para 6% da população, a inabilidade com a matéria vai além de uma simples falta de afinidade com os números. Estima-se que seja essa a parcela mundial que sofra de discalculia, transtorno de aprendizagem cujos efeitos e causas ainda não foram completamente desvendados pelos cientistas.

Traçar o perfil cognitivo de crianças e adolescentes que sofrem desse transtorno é um dos objetivos de pesquisa feita pelo Laboratório de Neuropsicologia do Desenvolvimento da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich), em parceria com o Laboratório de Genética Humana/ Médica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), com colaboração do Serviço Especial de Genética do Hospital das Clínicas e do Centro de Tratamento e Reabilitação de Fissuras Labiopalatais e Deformidades Craniofaciais (Centrare), da PUC Minas.

No estudo, crianças de sete a 14 anos de escolas públicas e particulares de Belo Horizonte e Mariana são submetidas ao Teste de Desempenho Escolar. Aquelas que obtêm resultado abaixo de 25% no subteste de matemática são convidadas para uma segunda etapa de avaliação, em que passam por entrevista clínica, testes psicológicos e de inteligência, e têm o sangue coletado. Até agora 1.400 voluntários já passaram pela triagem. Desses, mais de 200 foram examinados na segunda fase. Segundo o coordenador do Laboratório de Neuropsicologia, Vitor Haase, a meta é que 500 crianças sejam submetidas aos testes psicológicos.

Uma terceira etapa da pesquisa será realizada pela equipe do Laboratório de Genética Humana do ICB, que examinará parte do genoma dos voluntários. Na conclusão dos trabalhos, os dois resultados serão comparados. “Genericamente, sabemos que as causas da discalculia são de ordem genética”, explica Haase. Segundo ele, falta identificar as áreas do genoma associadas ao transtorno.

Ponto de partida
As áreas cromossômicas a serem avaliadas no estudo relacionam-se às síndromes de Turner e Velocardiofacial (veja texto na página ao lado). Normalmente, quando o indivíduo apresenta alterações genéticas nessas regiões, desenvolve sintomas das duas doenças, que podem incluir a discalculia. “Os geneticistas caracterizaram as alterações genético-moleculares nessas síndromes e observaram que as dificuldades de aprendizagem da matemática faziam parte do fenótipo delas”, afirma Haase.

O professor diz que agora será feito o caminho inverso, com o objetivo de descobrir se algumas das crianças com dificuldade de aprendizagem em matemática têm as alterações genéticas descritas nas duas síndromes, sem que necessariamente sejam portadoras delas – ou apresentem apenas uma forma leve das doenças. “Queremos saber o quanto essas síndromes contribuem para o desenvolvimento da discalculia. Ambas podem apresentar um leque de sintomas, mas às vezes não há indício de que a criança seja portadora de uma delas”, afirma a professora Maria Raquel Carvalho, coordenadora do Laboratório de Genética Humana.

Isso poderia acontecer porque, como explica um dos mestrandos do Laboratório de Neuropsicologia, Pedro Pinheiro Chagas, possíveis alterações genéticas nessas regiões seriam responsáveis pela estruturação do córtex parietal, área do cérebro relacionada à representação numérica. “Podemos observar que a relação entre alterações genéticas e discalculia não é direta. Há um caminho, do ponto de vista do desenvolvimento, de maturação das regiões cerebrais”, completa Chagas. Todavia, essas não são as únicas regiões cromossômicas que podem estar relacionadas ao transtorno. “É provável que dezenas de outras áreas contribuam para que a pessoa tenha dificuldade de aprendizagem em matemática, mas é preciso começar por algum lugar”, argumenta Vitor Haase.

Segundo Maria Raquel Carvalho, o esclarecimento das causas da doença ocorrerá aos poucos. “Quando tirarmos as causas conhecidas, poderemos estudar todo o genoma para avaliar quais regiões causam discalculia”, resume.

Cálculo sem conta
A discalculia pode ter diversas causas. O transtorno, no entanto, não tem relação com problemas pedagógicos, educação deficiente, nem pode ser atribuído à falta de interesse do aluno pela matéria. “Ela é algo crônico, persistente no desenvolvimento e independente do estímulo”, pontua Pedro Pinheiro Chagas. A principal hipótese sobre o problema, formulada pelo francês Stanislas Dehaene, é de que a discalculia seria consequência de um déficit na representação numérica.

De acordo com essa teoria, há três formas de representação numérica distintas: a analógica, a simbólica e a verbal. A primeira seria algo inato, presente inclusive em animais. Graças a essa habilidade conseguimos julgar, por exemplo, se numa folha de papel a quantidade de pontos pretos corresponde ao dobro do número de pontos vermelhos, sem fazer qualquer tipo de conta. “É algo aproximativo. Se você colocar em uma vasilha um quilo de carne para um cachorro e meio quilo em outra, ele provavelmente vai em direção ao recipiente que tem mais. Ele não fez qualquer operação; simplesmente estima”, exemplifica o mestrando.

Já as duas outras formas de representação seriam construções sociais. “São maneiras de tornar algo impreciso e intuitivo em uma coisa exata e culturalmente aprendível”, define Pedro Chagas. A representação simbólica consiste em traduzir quantidades aproximadas em números, enquanto a verbal permite falar ou escrever um número.

Segundo esse modelo, os indivíduos com discalculia, ou pelo menos parte deles, teriam dificuldade elementar na representação de magnitudes, ou seja, na representação analógica. Mas, como lembra o mestrando, a matemática é uma atividade muito mais complexa que simplesmente estimar quantidades, por isso vários dos indivíduos com discalculia teriam também problemas em outras áreas: funções executivas, memórias de trabalho, capacidade de manter uma informação no cérebro durante a realização de uma operação, transcodificação, entre outras.

Um dos objetivos da pesquisa é identificar outros domínios cognitivos que podem ser afetados pelo transtorno, como atenção, processamento visoespacial e a linguagem. Por enquanto, o estudo não inclui um programa direto de reabilitação; dessa forma crianças que passam pelos exames e apresentam dificuldade de aprendizagem da matemática são encaminhadas a outras instituições. “Os dados disponíveis sobre o prognóstico mostram que essas dificuldades são crônicas, persistem, mas os indivíduos melhoram com atendimento e medidas psicopedagógicas”, destaca Vitor Haase. A pesquisa é financiada pela Fapemig, CNPq e Capes.

(Boletim UFMG 1698)

29/jul, 17h48 - Atletas do tiro com arco da Grã-Bretanha finalizam preparação no CTE para as Olimpíadas

29/jul, 11h58 - Sistema minhaUFMG e portal saem do ar neste sábado para intervenções na infraestrutura de TI

29/jul, 6h36 - Núcleo oferece serviço de intérpretes em Libras para eventos acadêmicos

29/jul, 6h28 - Fale e DRI ofertarão curso de espanhol gratuito para fins acadêmicos

29/jul, 6h19 - Seminário na Enfermagem discute violência no SUS e políticas de prevenção

29/jul, 6h15 - Inscrições para feira de trabalhos de escolas técnicas terminam no dia 7

28/jul, 17h13 - Novos talentos da ciência ‘invadem’ laboratórios do ICB

28/jul, 6h32 - Toca de Tatu, referência do choro belo-horizontino, se apresenta amanhã no Centro Cultural

28/jul, 6h30 - Concursos premiarão jovens brasileiros empreendedores com viagens e estágios na Alemanha

27/jul, 17h20 - Instalações do CTE são elogiadas por chefe da equipe olímpica britânica

27/jul, 14h32 - UFMG assina protocolo de intenções para criação de observatório da igualdade de gênero

27/jul, 11h59 - Ranking saudita põe a UFMG entre as quatro melhores universidades do Brasil

27/jul, 11h55 - Campus Pampulha sedia encontro nacional da Academia Brasileira de Ciências

27/jul, 6h41 - Pedagogia das artes cênicas e inventário do teatro em BH são tratados em livros com participação de professores da UFMG

26/jul, 15h47 - A caminho de seus 50 anos, evento quer reforçar caráter experimental e relação com a cidade

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)
abril de 2014 (236)
março de 2014 (202)
fevereiro de 2014 (228)
janeiro de 2014 (130)
dezembro de 2013 (180)
novembro de 2013 (282)

Expediente