Universidade Federal de Minas Gerais

Chris Okamoto
dietmar_eeffto.JPG
Dietmar Samulski: "A psicologia do esporte não prepara só o atleta"

Dietmar Samulski analisa como a psicologia do esporte pode favorecer atletas e treinadores

sexta-feira, 25 de junho de 2010, às 7h27

Para o professor Dietmar Martin Samulski, do Departamento de Esporte da Escola de Educação Física da UFMG, o acompanhamento psicológico do profissional do esporte é tão importante quanto seu treinamento físico. E isso vale não só para os atletas, mas também para treinadores, dirigentes e técnicos.

Doutor em psicologia do esporte pela Universidade de Colonia (Alemanha), Samulski acompanhou a delegação brasileira nas últimas três Paraolimpíadas (Sydney, Atenas e Pequim) e nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, na qual o Brasil apresentou seu melhor desempenho na história da competição. Atualmente, é presidente da Sociedade Sul-Americana de Psicologia do Esporte (Sosupe) e desenvolve pesquisas sobre estresse psíquico, qualidade de vida e recuperação de atletas. Nessa entrevista ao Portal UFMG, o pesquisador fala sobre Copa do Mundo e a importância do treinamento psicológico para o desenvolvimento do atleta.

Como a psicologia do esporte vem sendo apropriada atualmente na preparação dos atletas?

O treinamento esportivo moderno deve ser interdisciplinar, portanto o atleta precisa de uma preparação não só física, mas também mental. Por isso a importância da psicologia do esporte. Ela melhora a motivação do atleta e desenvolve habilidades mentais como autoconfiança e capacidade de concentração. Existem estudos que mostram que, para formar um atleta vencedor em dez anos, são necessárias de 12 a 15 mil horas de treinamento sistemático e aplicado. Ou seja, é um trabalho muito duro. Oferecer assistência psicológica a esses atletas é importante para fazê-los superar os obstáculos, além de contruibuir para sua formação intelectual. Por isso que muitos clubes de futebol já desenvolvem esse tipo de trabalho desde as categorias de base.

Falando de futebol, em época de Copa do Mundo, a pressão sobre os jogadores da seleção brasileira é muito grande. Como é o trabalho desenvolvido pela psicologia do esporte com esses atletas?

Na seleção brasileira de futebol, podemos destacar o caso do Kaká, que é o grande ídolo da equipe e estava até pouco tempo atrás se recuperando de uma lesão. A pressão que ele sofreu para estar em forma a tempo de atuar bem na Copa foi muito grande. Na verdade, ainda é. Estudos que nós realizamos com pesquisadores da Fisioterapia mostram que o apoio psicológico a atletas lesionados nessa fase de preparação apresentam resultados muito positivos. É o que chamamos de terapia integrada: a combinação de técnicas da fisioterapia e técnicas psicológicas, como relaxamento e automotivação. Os dados mostram que os atletas se recuperam muito mais rápido com esse programa integrado do que fazendo a recuperação tradicional.

E no caso dos treinadores? Nessa Copa, já vimos desentendimentos entre o técnico da França e seus jogadores, entre o Dunga e o jornalista da Rede Globo... Como a psicologia do esporte pode agir nesses casos?

Nos últimos dez anos, surgiu uma preocupação muito grande com a preparação psicológica dos treinadores. Muitas vezes, os técnicos não estão preparados mentalmente para enfrentar as situações de dificuldades. A psicologia do esporte pode capacitar os treinadores em diversas competências: motivação, liderança, como criar a união de grupo. Além disso, muitos treinadores têm problemas em se comunicar com a mídia. É preciso um treinamento específico nesse campo também.

A qualidade de vida desses profissionais pode ser afetada pela pressão psicológica a que são submetidos?

Sim. Existem estudos norte-americanos com técnicos profissionais que mostram que a expectativa de vida deles é dois a três anos inferior à media da população por causa do estresse. E não é só a pressão psicológica: muitos técnicos estão fisicamente despreparados, possuem distúrbios de alimentação, não conseguem dormir. Tudo isso influencia negativamente a qualidade de vida desses profissionais. Um dos estudos que eu estou orientando atualmente analisa o fenômeno do burnout em treinadores de diversas modalidades esportivas. Burnout seria um estado de desmotivação pessoal e exaustão emocional do indivíduo. É um fenômeno identificado, por exemplo, em médicos-cirurgiões que trabalham em excesso e sob grande responsabilidade. O que nós percebemos é que técnicos esportivos correm grandes riscos de burnout. No futebol, principalmente, o risco de burnout é muito elevado devido à pressão psicológica e à necessidade de apresentar bons resultados. É preciso entender que a psicologia do esporte não prepara só o atleta. Treinadores, árbitros e dirigentes também sofrem grande pressão e precisam de assistência psicológica.

27/jul, 6h41 - Pedagogia das artes cênicas e inventário do teatro em BH são tratados em livros com participação de professores da UFMG

26/jul, 15h47 - A caminho de seus 50 anos, evento quer reforçar caráter experimental e relação com a cidade

26/jul, 6h46 - Mestrado e doutorado em Ciência Política selecionam candidatos

26/jul, 6h44 - CineCentro exibe clássicos de ação nesta semana

26/jul, 6h40 - Edital de programa que financia eventos acadêmicos permanece aberto à submissão de propostas

26/jul, 6h36 - Fundação premiará práticas pedagógicas bem-sucedidas em sala de aula

25/jul, 6h48 - Arte como resistência é tema de exposição na Faculdade de Letras

25/jul, 6h42 - Especialização em gestão nas Ifes lança edital com 80 vagas para técnicos-administrativos

25/jul, 6h29 - Educação e socialismo reunirão pesquisadores na FaE; inscrições de trabalhos terminam no dia 1º

22/jul, 15h50 - Saber indígena transforma barro em obra de arte

22/jul, 13h24 - Oficina promove viagem prazerosa e sem dor ao mundo da escrita

22/jul, 12h53 - Comunidade dos Arturos realiza cortejo na tarde de hoje no campus Pampulha

22/jul, 7h07 - 'Performers' benzem Palácio da Liberdade e desafiam hegemonia do automóvel

22/jul, 6h53 - UFMG levará oito projetos de pesquisa a mostra de inovação da Fapemig

22/jul, 6h44 - Intervenções artísticas e shows musicais movimentam os dois últimos dias do evento

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2016 (159)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)
abril de 2014 (236)
março de 2014 (202)
fevereiro de 2014 (228)
janeiro de 2014 (130)
dezembro de 2013 (180)
novembro de 2013 (282)

Expediente