Universidade Federal de Minas Gerais

Adolescentes negras ocupam o lugar do exótico em revista, analisa pesquisadora

sexta-feira, 17 de setembro de 2010, às 7h38

Como a adolescente negra é representada nas revistas voltadas ao público dessa faixa etária? Essa questão norteou pesquisa desenvolvida por Carolina dos Santos para sua dissertação de mestrado apresentada em agosto de 2009. A professora Nilma Gomes, da Faculdade de Educação da UFMG, orientou o trabalho.

A pesquisadora conta que a primeira motivação para sua investigação se deu a partir de uma experiência pessoal: “como adolescente negra eu não conseguia me identificar com as modelos que apareciam nas revistas”. Mais tarde, como professora de história, ela percebeu que suas alunas liam as mesmas revistas e que o discurso permanecia o mesmo. Após algum tempo, Carolina notou que as adolescentes negras passaram a ter espaço nessas publicações e decidiu analisar como isso ocorria.


Carolina_Santos.JPG
Carolina: representações
Por que você optou por analisar a revista Atrevida dentre as publicações para adolescentes disponíveis no mercado?
No início, a ideia era trabalhar com Capricho e Atrevida. A Capricho porque eu era leitora da revista, comecei a ler a Atrevida há menos tempo. As duas têm a maior tiragem e circulação, além disso, são muito parecidas. Porém, a Atrevida tem a singularidade de ser da mesma editora da revista Raça Brasil [publicação voltada ao público negro]. Isso me levou a optar por ela, pois dentro da editora já se discute a questão da imagem do negro.

Como a adolescente negra é tratada na revista Atrevida?
A publicação segue um ideal de beleza branco europeizado, bem demarcado. Quando há outra aparição, como a adolescente negra, ela serve como um gancho para dicas de como minimizar as diferenças e se aproximar, ao máximo, do ideal de beleza perpetuado pela revista. A jovem negra tem aparições esporádicas no lugar do exótico e alternativo, ou seja, no lugar do outro. Isso acontece também com as asiáticas e com as indígenas, embora apareçam menos. Outras diversidades, como diferenças de peso e homossexualidade também quase não são abordadas. A diferença é contemplada para ensinar a ser igual: você tem a diferença, mas a Atrevida te ensina a acabar com ela.

Algum aspecto chamou mais sua atenção?
O que mais me marcou foi a questão dos lábios. Em várias edições, o discurso é o mesmo: os lábios grossos e carnudos não devem ser destacados, mas sim afinados. A Atrevida ensina várias técnicas, que se repetem nas edições, de como a leitora que tem os lábios grossos pode disfarçá-los. Isso acontece também com o nariz e o com cabelo. No discurso, sempre aparece a ideia de que o cabelo tem que ter brilho, maciez e balanço, o que não é característico de um cabelo crespo.

O modo como a questão racial é tratada na revista é um reflexo de nossa sociedade?
Quando fazemos uma leitura desatenta, pensamos que a revista não opera com a questão racial. Porém ela é ambígua, assim como o racismo brasileiro, ou seja, mesmo não nomeando, explicitamente, suas leitoras como brancas, ela faz isso quando insere a adolescente negra. Isso porque, quando a publicação introduz o outro, ela mostra o tipo de adolescente que ela privilegia. É uma revista que também configura um tipo ideal de comportamento feminino, que é uma mulher que tem que pensar sempre no sexo oposto e em como se comportar para atingir isso. O que resume bem é a ideia da “branquitude normativa”: o branco é o representante da espécie, os outros são os outros. Isso está bem dentro do contexto das relações raciais no Brasil.

Mesmo com os problemas apontados em sua pesquisa, você considera que esse material pode ser utilizado pelos professores em sala de aula?
Primeiro, é preciso tirar a revista desse lugar marginal. A lembrança de que tenho, como aluna e mesmo como professora, é a de o aluno lendo escondido esse tipo de publicação, debaixo da mesa e depois passando para o colega do lado. O que pode ser feito é focar nesse material. Essas revistas pretendem ser instrutivas em algum sentido, com seções que falam, por exemplo, sobre profissões. Os professores poderiam usar alguns desses textos para problematizar carreiras. Além disso, elas pretendem tratar de temas atuais. Mesmo que as discussões propostas não sejam completamente satisfatórias, elas podem ser um ponto de partida ou um pretexto para trabalhar outros temas.

(Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita - Ceale - da Faculdade de Educação)

17/ago, 17h30 - Professoras do curso de Turismo da UFMG lançam livros neste sábado

17/ago, 6h37 - Seminário sobre acessibilidade em bibliotecas universitárias vai tratar de experiências, legislação e recursos on-line

17/ago, 6h36 - Pesquisador cubano discute na UFMG interação da ciência da informação com outras disciplinas e seu caráter de ciência social

17/ago, 6h30 - Monitoramento das ações de segurança do paciente será tema de reunião científica na Escola de Enfermagem

17/ago, 6h21 - Semana da Geologia terá 25 atividades gratuitas no Instituto de Geociências

17/ago, 6h15 - Riscos e benefícios da terapia hormonal para mulheres serão discutidos no Café Controverso deste sábado

17/ago, 6h09 - Prorrogado prazo para calouros manifestarem interesse em bolsas de auxílio financeiro

17/ago, 6h04 - Núcleo de pesquisa cênica do TU participa de festival internacional em Portugal

17/ago, 5h47 - Cantora e compositora Iaiá Drumond faz show nesta noite, no Conservatório

16/ago, 17h06 - UFMG alcança nota máxima em avaliação do MEC

16/ago, 14h08 - Conferência mundial aprova documento que propõe agenda para as ciências humanas no século 21

16/ago, 11h25 - Relação do cinema com o poder do discurso será discutida em evento no Santuário do Caraça

16/ago, 8h11 - Seminário sobre assistência segura ao paciente abre comemorações dos 90 anos do HC

16/ago, 7h58 - Editora UFMG lança hoje, no Rio, coletânea de ensaios sobre Tom Jobim

16/ago, 7h54 - Panorâmica, da TV UFMG, exibe entrevista com Dona Onete, diva do carimbó

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
agosto de 2017 (105)
julho de 2017 (127)
junho de 2017 (171)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)

Expediente