Universidade Federal de Minas Gerais

Marco_Prado_2.jpg
Marco Aurélio Prado: nova pesquisa

Pesquisa aponta que preconceito contra orientação sexual está ligado às formas cotidianas de humilhação

quarta-feira, 30 de março de 2011, às 8h19

De maneira explícita ou velada, a homofobia está presente nas relações sociais. Pesquisa do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT (Nuh) da Fafich pretende aprofundar o conhecimento sobre os mecanismos que estão por trás do preconceito contra as não heterossexualidades, por meio de relatos de jovens homossexuais e pela observação da rotina de escolas públicas, microcosmo onde as relações sociais são reproduzidas e institucionalizadas.

O trabalho, coordenado pelo professor Marco Aurélio Prado, do Departamento de Psicologia da Fafich, é dividido em duas etapas e tem previsão de conclusão no primeiro semestre de 2012. A primeira fase, que aborda a relação entre os jovens gays e lésbicas e suas famílias, começou em 2010 e já está concluída. As conclusões dessa etapa estão sistematizadas na dissertação de mestrado de Daniel Arruda Martins, que se baseou em entrevistas qualitativas realizadas com jovens, alguns deles vitimados por agressões após assumirem sua homossexualidade.

O próximo passo é a finalização do estudo das interações efetuadas em âmbito institucional – no caso, as escolas públicas. Segundo Prado, o objetivo é compreender a conexão entre as práticas de preconceito consideradas normais pela sociedade e os atos de violência. “A homofobia deve ser pensada como resultado de um sistema complexo de humilhação, por meio do qual atos heterogêneos de violência estão muito conectados. Uma violência contra um homossexual que aparece na mídia não pode ser separada das formas cotidianas de humilhação”, analisa Marco Prado.

Como exemplos de preconceitos triviais, destaca o professor, estão as piadas que depreciam gays, lésbicas e travestis e a coerção imposta a jovens que se comportam ou gostam de atividades socialmente convencionadas como próprias do sexo oposto. “A maior parte desses preconceitos expressa situações de humilhação cotidiana, como brincadeiras, exemplos de professores em sala de aula e formas de controle social entre os alunos que buscam submeter os indivíduos às normas de gênero”, diz.

Saindo do armário
A revelação da homossexualidade para a família é um processo que pode ter como resposta não apenas a aceitação ou a rejeição do jovem gay. “Sair do armário não é um ato em linha reta. Nesse processo ocorre de tudo: famílias que expulsam filhos e filhas de casa, que tratam a questão como um problema psicológico e até as que lidam de forma carinhosa desde que não se fale muito em relações sexuais e que não se explicitem comportamentos de afeto entre pessoas do mesmo sexo”, afirma.

Com base na análise dos depoimentos dos jovens, o professor Marco Prado afirma que assumir a homossexualidade envolve uma complexa negociação entre o jovem e a família, resultando em acordo tácito ou manifesto associado aos modos de conduta estipulados pela família para que haja a aceitação. “A negociação, às vezes, implica não se assumir, outras assumir e não demonstrar. É algo muito particular de cada família”, destaca.

As narrativas dos garotos sobre suas negociações, de acordo com Marco Aurélio Prado, contribuíram para que os pesquisadores discutissem a importância das políticas de afirmação da homossexualidade. Essas políticas, que pregam a importância de assumir a orientação sexual, são bastante defendidas pelos movimentos LGBT. O estudo, no entanto, indica que elas nem sempre são o melhor caminho. “Temos depoimentos de jovens que saíram do armário e a relação deles com a família piorou a ponto de sofrerem violência cotidiana”, justifica.

Escolas
A observação do fenômeno nas escolas públicas é a próxima etapa. Para isso, foram selecionadas instituições da Região Metropolitana de Belo Horizonte que desenvolvem projetos de combate à homofobia. Porém, o estudo já conta com informações a respeito das interações desenvolvidas no meio, pois outros programas do Núcleo trabalham há algum tempo com esse público.

Por meio dessa experiência prévia e de pesquisas realizadas anteriormente por órgãos governamentais e universidades, já se sabe que o ambiente escolar é bastante discriminatório em relação à diversidade, não só a sexual. Além da violência explícita, existem outros mecanismos, inclusive pedagógicos, que, segundo Prado, segregam gays, lésbicas e travestis. Um exemplo está nas disciplinas de educação sexual que abordam as questões apenas pelo viés heterossexual, sem contemplar as dúvidas comuns à vida dos jovens homossexuais ou daqueles que iniciam seu processo de transexualização.

A discriminação tem relação direta com o aproveitamento escolar. Essa constatação é corroborada pela pesquisa Discriminação e preconceito nas escolas, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a pedido do Ministério da Educação. “Alunos gays e lésbicas ficam, muitas vezes, menos tempo na escola ou desenvolvem mecanismos de defesa contra sua própria orientação sexual. Em alguns casos, transformam-se nos melhores estudantes, pois precisam ser reconhecidos no ambiente escolar. E aí podem acabar neutralizando qualquer tipo de desejo sexual”, conclui Marco Prado.

(Boletim UFMG, edição 1731)

26/jun, 14h05 - Startup da UFMG vence competição nacional de projetos de saneamento básico

26/jun, 7h04 - ‘Carregador de água na peneira’, Robson Santos, do ICB, é o novo emérito da UFMG

26/jun, 6h47 - Molécula de ação antitumoral mais seletiva patenteada nos EUA é destaque em nova edição do Boletim

26/jun, 6h41 - Pró-reitoria de Extensão lança edital de fomento a ações para 2018

26/jun, 6h36 - Inscrições para seminário sobre a mosca 'drosophila' podem ser feitas com desconto até o dia 8

26/jun, 6h32 - Faculdade de Educação promove palestra sobre Base Nacional Curricular para educação infantil

26/jun, 6h30 - Coral de Trombones e Tubas da UFMG é atração da noite de segunda no Conservatório

23/jun, 16h50 - Instituto de Ciências Agrárias divulga atividades que receberão apoio financeiro neste ano

23/jun, 7h08 - Estudantes organizam primeira Parada do Orgulho LGBT na UFMG

23/jun, 6h58 - Aluno da Medicina disputa vaga para representar o Brasil em maratona na Finlândia

23/jun, 6h54 - Em livro, professor da FaE mostra que projeto editorial consolidou Rui Barbosa como influência intelectual

23/jun, 6h40 - Tiradentes expõe obras de artistas da Escola de Belas-Artes

23/jun, 6h37 - Dietas em xeque, ficção científica e histórias de Minas movimentam Espaço do Conhecimento no fim de semana

23/jun, 6h31 - Conservatório prorroga inscrições para apresentações de recitais de formatura no segundo semestre

23/jun, 6h19 - Violonista Lucas Telles interpreta brasilianas de Radamés Gnattali, em recital nesta noite

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
junho de 2017 (134)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)

Expediente