Universidade Federal de Minas Gerais

Revista Interior/Ministério do Interior
projeto%20rondon.jpg
Voluntário do Projeto Rondon em ação, em Inhangapi (PA), 1974

Estudo sobre o Projeto Rondon revela que misto de adesão e resistência marcou relação dos estudantes com a ditadura militar

segunda-feira, 25 de abril de 2016, às 9h52

O famoso congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE) desbaratado pelo sistema de repressão do regime militar em 1968, em Ibiúna (SP), tinha em sua pauta uma avaliação crítica do Projeto Rondon. Posta em prática um ano antes, a iniciativa dos militares que levava universitários para conhecer lugares dos quais nunca tinham ouvido falar foi também motivo de boicote do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFMG, que à época vivia uma espécie de legalidade de fato. A resistência dessas entidades logrou, contudo, efeito limitado: até 1985, quando o regime chegou ao fim, cerca de 900 mil jovens viajaram pelo país com o Projeto Rondon.

A estimativa é do historiador Gabriel Amato Bruno de Lima, que se dedicou ao tema nos últimos anos para sua pesquisa de mestrado. Ele chegou a esse número depois de cotejar fontes diversas, já que não encontrou informação oficial. E ficou surpreso: "Tendemos, de forma geral, a associar estudantes à resistência quando falamos em ditadura, mas constatei que houve adesão significativa dos jovens universitários, por motivos variados, à proposta do Projeto Rondon", diz o pesquisador.

Amato salienta que adesão, apatia ou recusa dos estudantes se deram de formas distintas. Havia os que se juntavam às manifestações contra o regime e também participavam do Rondon. Outros ignoravam as duas opções, concentrando-se nos estudos. E havia quem se seduzisse pela chance de viajar com amigos, sem a família, conhecer novos lugares sem arcar com despesas. Alguns desejavam, ao viajar pelo projeto, resistir ao regime "por dentro".

O autor do trabalho explica que os envolvidos na iniciativa atuavam, sobretudo até 1979, na fronteira entre os imaginários nacionalista e anticomunista. "Para os militares, os recônditos do país eram lugares vazios de nacionalidade e deveriam ser ocupados estrategicamente, além de servir de fonte de brasilidade para os jovens. Outra intenção era pôr os estudantes em contato com o ‘Brasil real’ e com um povo que, supostamente, não poderia ser contaminado pelas ideias importadas do comunismo", ressalta Gabriel Amato.

Subordinado ou irresponsável
O projeto recebeu esse nome em homenagem ao marechal Cândido Rondon, sertanista que no início do século 20 liderou missão do Exército destinada a integrar o Centro-Oeste brasileiro. A iniciativa teve origem em conclusões de seminário sobre educação e segurança nacional realizado em 1966, culminando com a decisão de aproximar estudantes e militares.

"O objetivo de levar ao interior assistência social e apoio à infraestrutura era secundário – o estudante era a razão de existir do projeto. Principalmente em momentos de crise estudantil, como em 1968 e 1977, o regime quis incentivar uma participação ordenada, ou subordinada, em oposição ao engajamento, visto como irresponsável, associado ao movimento estudantil contrário à ditadura."

As ações do Projeto Rondon eram distribuídas, entre outras, em operações nacionais (jovens do Sul e do Sudeste passavam suas férias de verão no interior das outras regiões) e em operações regionais (os grupos deslocavam-se para áreas carentes de seus próprios estados). Em 1969, começaram a ser instalados os chamados campi avançados – universidades montavam estruturas em cidades, e as equipes de docentes e discentes se revezavam para que as ações não fossem interrompidas. Houve 22 desses campi, e a UFMG, no período de 1972 a 1976, enviou a Barreiras, na Bahia, 708 alunos.

O pesquisador, que teve acesso a fontes inéditas, como documentos do próprio Projeto Rondon, salienta que seu trabalho revela uma dinâmica social complexa, em que estudantes universitários e a própria sociedade mantiveram uma relação multiforme com a ditadura.

"A memória social fixa os estudantes no lugar de resistentes ou vítimas. Claro que não se pode subestimar a força das mobilizações contrárias ao regime, mas é possível perceber espectros de comportamento social distintos, o que ajuda a entender a longa duração da ditadura militar", diz Gabriel Amato.

Dissertação: "Aula prática de Brasil": ditadura, estudantes universitários e imaginário nacionalista no Projeto Rondon (1967-1985)
Autor: Gabriel Amato Bruno de Lima
Orientador: Rodrigo Patto de Sá Motta
Defesa: julho de 2015, no Programa de Pós-graduação em História

(Itamar Rigueira Jr/Boletim 1937)

28/mar, 12h14 - Cedeplar promove seminário nesta quarta para debater diversificação e sofisticação da economia mineira

28/mar, 11h29 - Espetáculo de dança e teatro que valoriza os sentidos será apresentado amanhã, no auditório da Reitoria

28/mar, 11h18 - Dona Jandira recebe Dona Elisa e Rita Silva em show no Quarta Cultural

28/mar, 6h36 - UFMG sediará congresso internacional sobre relação entre dança, autismo e educação

28/mar, 6h34 - Concerto no Conservatório celebra 80 anos de Steve Reich, o pai do 'sampling'

28/mar, 6h16 - Professora da Comunicação fala hoje na Fafich sobre direito à educação bilíngue

28/mar, 6h14 - Empresa júnior promove evento sobre empreendedorismo em saúde, esporte e lazer nesta semana

28/mar, 5h56 - Pianista Ana Claudia de Assis, professora da Escola de Música, seleciona obras para CD e concertos

27/mar, 15h08 - Eventos científicos organizados na UFMG receberão apoio financeiro da Fapemig

27/mar, 12h06 - Boletim destaca edição comemorativa dos 50 anos da Revista Literária

27/mar, 6h37 - Em palestra na Fafich, historiador relaciona humor político e a ditadura argentina

27/mar, 6h33 - Debate sobre as aplicações dos 'wetlands', técnica natural de saneamento, reúne especialistas nesta terça

27/mar, 6h27 - Influência de choques e vibrações sobre o patrimônio é tema de conferência de pesquisador holandês

27/mar, 6h22 - Evento discute alternativas de cooperação entre Brasil e Índia no campo da urbanização

27/mar, 6h18 - Grupo de Saxofones da UFMG é a atração desta noite da série Prata da Casa

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
março de 2017 (178)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)

Expediente