Universidade Federal de Minas Gerais

Luana Macieira / UFMG
matheus%20e%20george%20-%20luana%20macieira.jpg
Matheus Milanez e George Cunha: trabalho para associar o esporte à alimentação saudável

Estudo identifica incongruência entre a prática esportiva e a comida vendida nas Olimpíadas

segunda-feira, 20 de março de 2017, às 6h11

Durante os 16 dias em que o Rio de Janeiro sediou os Jogos Olímpicos no ano passado, mais de 2,5 milhões de pessoas passaram pela cidade e circularam pelas arenas, estádios e ambientes onde ocorriam as competições. Nesses locais, a oferta de comida incluía hambúrgueres, cachorros-quentes, pipoca, refrigerantes e cervejas. A falta de alimentos saudáveis em um evento fundamentado na prática esportiva chamou a atenção de um grupo de pesquisadores, que investigou o abismo entre a alimentação proposta pelas diretrizes dos organizadores das Olimpíadas e a comida que era efetivamente vendida durante o evento. O grupo, liderado pelo professor Joe Piggin, da Universidade de Loughborough, conta com integrantes da UFMG e de outras universidades do Brasil, da França e do Reino Unido.

Inicialmente, o grupo consultou as diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e do Comitê Olímpico Internacional (COI), com o objetivo de identificar os tipos de alimentos recomendados por esses órgãos como ideais para oferta em megaeventos esportivos.

"As diretrizes eram unânimes ao propor uma alimentação saudável durante a competição, mas percebemos que, na prática, isso não se concretizava. Os órgãos responsáveis pela organização sugerem a venda de alimentos naturais ou minimamente processados. Porém, nos Jogos do Rio 2016, predominaram alimentos processados e de alto valor energético", explica o pesquisador Matheus Milanez, aluno do Programa de Pós-graduação em Ciências do Esporte da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Oupacional da UFMG (EEFFTO).

Os oito pesquisadores envolvidos no estudo entrevistaram 30 pessoas que acompanharam as competições olímpicas no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Belo Horizonte. A intenção das entrevistas era descobrir se o tipo de alimentação que eles esperavam encontrar era ofertada nos locais do evento. "Todos os entrevistados alegaram que esperavam produtos mais saudáveis. Além disso, muitos reclamaram do preço dos alimentos e da água, que eram vendidos por um valor quatro vezes maior que o praticado no mercado", afirma George Cunha, psicólogo do Centro de Treinamento Esportivo (CTE-UFMG) e membro do grupo que participou do estudo.

A pesquisa deu origem a um banco de dados, que conta com as informações sobre as entrevistas, as legislações que regem as políticas de venda de alimentos nas Olimpíadas e as regras sobre como deve funcionar o marketing de produtos alimentícios em eventos esportivos. "Queremos que essa pesquisa gere frutos para as Olimpíadas de Tóquio, em 2020. A intenção é que a alimentação servida ao público durante as competições esteja mais de acordo com o que é pregado pelas diretrizes da OMS e do COI e que os grupos alimentares que patrocinam esses eventos não interfiram tanto nas escolhas dos produtos vendidos", diz o psicólogo.

George Cunha acrescenta que o grupo pretende, ainda, alertar para a necessidade de que o esporte esteja sempre associado à alimentação saudável. "O esporte e os megaeventos esportivos podem ser promotores de saúde e de valores relacionados à saúde. Quando uma pessoa vai assistir a uma competição e, naquele local, come um sanduíche natural ou uma fruta, ela associa aquele alimento à prática esportiva. Vemos isso como essencial para melhorar a qualidade de vida da população", conclui.

Origem
O estudo sobre os alimentos vendidos durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro foi desenvolvido pelo grupo Pesquisa em Atividade Física e Nutrição em Megaeventos Esportivos (Phansmer), criado antes dos Jogos do Rio, quando a delegação olímpica do Reino Unido utilizou o Centro de Treinamento Esportivo (CTE) como local de preparação de seus atletas. À época, o professor Joe Piggin e outros pesquisadores de universidades britânicas foram convidados pelo Consulado Britânico de Belo Horizonte para participar de evento científico que trataria dos possíveis legados olímpicos para o Brasil. Piggin então convidou os pesquisadores da UFMG a integrarem o grupo de estudos, que hoje é formado por oito estudiosos do esporte do Brasil, do Reino Unido e da França. A íntegra do estudo está disponível neste site.

Projeto: Food for spectators at the Olympic and Paralympic games: an evaluation of health and nutrition claims at Rio 2016
Participantes: Haifa Tlili, Doralice Lange de Souza, Matheus Milanez, George Cunha, Bruno Henrique Louzada, Billy Graeff e Joe Piggin

(Luana Macieira / Boletim 1968)

21/jul, 11h36 - UFMG divulga escala de atendimento e instruções para registro de calouros

21/jul, 6h20 - 'Ruptura', evento de competição de projetos, recebe inscrições até o dia 27

21/jul, 6h16 - Espaço do Conhecimento promove sessões de contação de histórias e brincadeiras antigas

20/jul, 9h11 - Nescon abre 54 vagas temporárias de trabalho para profissionais de saúde

20/jul, 8h59 - Vídeo projetado na Praça da Liberdade resgata ‘discos e esquinas’ de grupo musical mineiro

20/jul, 8h57 - Campanha da Biblioteca Universitária pede dicas para compor acervo do Espaço de Leitura

19/jul, 22h40 - Encontro com delegação da Alemanha encaminha criação de novo programa internacional de cátedras

19/jul, 6h30 - Conjunto de 'planetas do saber', Sistema de Bibliotecas tem história resgatada em exposição na Reitoria

19/jul, 6h25 - Simpósio sobre eletrofisiologia celular, agendado para agosto, no ICB, recebe resumos e inscrições

19/jul, 6h07 - Intervenção teatral promove ‘encontro com cientistas’ no Espaço do Conhecimento

18/jul, 14h46 - Academia Brasileira de Ciências vai diplomar novos membros nesta quarta

18/jul, 10h49 - Boletim destaca 50 anos de criação do Festival de Inverno

18/jul, 7h04 - Registro e matrícula dos classificados no vestibular de habilidades serão efetuados nos dias 19 e 20

18/jul, 6h32 - Dispositivos de memória, caixas de correio são tema de exposição de professora da EBA em São Paulo

18/jul, 6h29 - Fachada digital do Espaço do Conhecimento projeta a produção da UFMG

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2017 (101)
junho de 2017 (171)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)

Expediente