Universidade Federal de Minas Gerais

Luíza Bongir / UFMG
toninho%20horta%20-%20luiza%20bongir.jpg

Mineiridade do violão é tema de tese da Escola de Música

segunda-feira, 3 de abril de 2017, às 5h52

O violonista e compositor Toninho Horta chegou ao mercado do jazz norte-americano com o LP Diamond land, de 1988. Imagens, textos e linguagem musical desse trabalho enfatizam elementos da identidade regional de Minas Gerais – a faixa-título evoca Diamantina, e arranjo para coro de vozes masculinas, na música Pilar, remete à ideia de música religiosa. Daí surgiram as bases para o desenvolvimento do chamado violão mineiro.

Em pesquisa para o doutorado em Música, Daniel Menezes Lovisi mergulhou no trabalho de dez a doze violonistas-compositores de Belo Horizonte, a partir dos anos 70, no campo da Música Popular Brasileira Instrumental (MPBI). Ao perceber que elementos da cultura colonial mineira funcionavam como fatores legitimadores dessa produção, Daniel interessou-se pelo "discurso das influências", tudo aquilo que, segundo os próprios músicos, contribuiria para dar feição particular às suas obras.

"A religiosidade e a arquitetura do barroco mineiro aparecem como os principais elementos que enraízam ou vinculam a música desse grupo ao 'passado oficial' de Minas, repositório simbólico do que formou a identidade cultural mineira", explica Daniel Lovisi, cuja investigação extrapolou os aspectos musicais para explorar contextos sociais e históricos, capas de discos, documentários, discursos de músicos e jornalistas.

Quando procurou as bases da mineiridade na música popular para entender como foi utilizada na MPBI, o pesquisador chegou à canção de Milton Nascimento, que, segundo ele, é "o principal responsável por mobilizar certos aspectos da mineiridade, com destaque para a religiosidade", conforme Daniel escreveu em sua tese. Essa temática se incorporou à música instrumental por meio dos trabalhos de Wagner Tiso, Nivaldo Ornelas e do próprio Toninho Horta. "A ligação entre esses dois universos reforçou uma percepção de unidade entre os artistas de Minas, que, na condição de forasteiros no eixo Rio-São Paulo, viram-se diante da necessidade de reforçar traços de sua identidade local."

Simbólico e mercadológico
Daniel Lovisi concentra suas análises nos álbuns Quadros modernos (2001), que juntou Chiquito Braga, Toninho Horta e Juarez Moreira, e Violões do horizonte (1999), além do documentário Violões de Minas (2007), de Geraldo Vianna. "Os discos estreitaram os laços entre os violonistas-compositores da cidade, ao propor um panorama da produção contemporânea local", afirma o pesquisador. O filme, por sua vez, "arremata" os processos iniciados com os álbuns.

De acordo com Lovisi, a ideia de uma escola mineira de violão cumpre não só função simbólica, mas também mercadológica. A necessidade de se posicionar em um nicho de mercado mediado por novos canais, como a internet, concorreu para que os violonistas construíssem "uma rede de filiações estéticas e se mantivessem ligados a aspectos da identidade mineira que distinguissem seus trabalhos".

O pesquisador comenta que a harmonia é encarada pelos violonistas como elemento vital, que destaca um estilo e marca diferença em relação a outros instrumentistas. "Justamente por serem violonistas-compositores, Chiquito Braga, Toninho Horta e Juarez Moreira desenvolvem produções diretamente vinculadas às características do instrumento, experimentando e criando técnica que expande a tradicional." Ele ressalta que Gilvan de Oliveira, personagem do mesmo cenário, manifesta outra faceta do violão mineiro, valorizando aspectos como o virtuosismo e a música caipira.

"O fato de projetos esteticamente diferentes assumirem a mesma bandeira do violão mineiro mostra que a visão de Minas Gerais como cultura integradora é fortemente absorvida pelos músicos", escreve Lovisi. "O caráter de 'conciliação' das características individuais dentro de uma ideia de comunidade é o aspecto proeminente da identidade de Minas entre os violonistas-compositores da MPBI de Belo Horizonte", conclui o pesquisador.

Noite ilustrada
As especificidades da música instrumental produzida em Minas Gerais também foram abordadas no programa Noite Ilustrada, da Rádio UFMG Educativa. No último dia 29, o apresentador Luiz Fernando Freitas conversou com o pesquisador Daniel Lovisi. Ouça a entrevista.

Tese: A construção do "violão mineiro": singularidade, estilos e identidades regionais na música popular instrumental de Belo Horizonte
Autor: Daniel Menezes Lovisi
Orientador: Flavio Barbeitas
Defesa em 6 de março, no Programa de Pós-graduação em Música

(Itamar Rigueira Jr. / Boletim 1969)

25/abr, 17h03 - Restaurado, Presépio do Pipiripau será reaberto nesta quarta

25/abr, 16h17 - Quarta Doze e Trinta de amanhã abriga apresentação do músico sertanejo Igor Kimo

25/abr, 13h50 - Duo de piano e trompete mostra composições próprias e clássicos da MPB no Quarta Cultural

25/abr, 6h39 - Professora da Arquitetura fala na quinta sobre a experiência do pensamento na cidade e na academia

25/abr, 6h36 - Pesquisa projeta impactos da adoção da energia solar pelas famílias mineiras

25/abr, 6h29 - 'Quarteto para o fim dos tempos', de Olivier Messiaen, será interpretada hoje, no Conservatório

25/abr, 6h18 - Interfaces da terapia ocupacional com outras áreas do conhecimento serão debatidas em jornada

25/abr, 6h15 - Pianista Maurício Veloso, da UFMG, executa obra de Mozart em concerto da Orquestra Sesiminas

24/abr, 13h09 - Em nova edição, Boletim focaliza restauração do Presépio do Pipiripau

24/abr, 6h34 - UFMG sedia workshop sobre desenvolvimento de aplicativos acessíveis para o autocuidado em saúde

24/abr, 6h29 - Professor da UFMG é o novo membro honorário de academia norte-americana da área de engenharia ambiental

24/abr, 6h22 - Juiz da Corte Internacional de Justiça ministrará palestra na Faculdade de Direito

24/abr, 6h18 - Evento 'Leve Arte' celebra a dança durante esta semana

24/abr, 6h12 - Série de Estudos Indianos põe em debate a visão de Ashis Nandy sobre pós-modernismo e pós-colonialismo

24/abr, 6h09 - Sinfônica da Escola de Música se apresenta hoje no Conservatório

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
abril de 2017 (116)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)

Expediente