Universidade Federal de Minas Gerais

José Cruz / Agência Brasil
congresso%20nacional%20-%20plenario.jpg
Plenário do Congresso Nacional: coalizões tendem a ser formadas no início do mandato presidencial

Pesquisa analisa perfil sobredimensionado de coalizões de governos latino-americanos

quinta-feira, 13 de abril de 2017, às 6h28

A ideia de governo de coalizão no Brasil foi desdenhada por Collor, depois da primeira eleição direta pós-ditadura. Lula iniciou seu primeiro governo, em 2003, com uma coalizão pequena. O presidente impedido em 1992 acabou sentindo muita falta de apoio no Congresso, e Lula precisou ampliar sua base, após o escândalo do mensalão, para manter a governabilidade. As coalizões são muito comuns na América Latina, inclusive em sua versão sobredimensionada, em que o presidente conta com maioria folgada no Congresso.

Esse tipo de arranjo é tema de artigo recém-publicado na Brazilian Political Science Review por Fernando Meireles, doutorando no Programa de Pós-graduação em Ciência Política da UFMG. Ele estudou 168 coalizões em 18 países, desde 1979, e constatou, por exemplo, que quanto maior a capacidade do presidente de legislar, maiores são as coalizões.

"Diferentemente do que se pode pensar, prerrogativas constitucionais de ação sobre o Poder Legislativo, como medidas provisórias e pedidos de urgência, não implicam menor tendência às coalizões", afirma Meireles.

Coalizões são formadas quando um presidente sem maioria no Congresso reúne outros partidos para aprovar leis de interesse do governo. Em troca, essas legendas participam diretamente da gestão, comandando ministérios e ocupando cargos diversos. Por um lado, como explica o pesquisador do Centro de Estudos Legislativos da UFMG, o presidente garante estabilidade, com maiores possibilidades de nomear parlamentares para cargos importantes do Congresso, como a Mesa Diretora e as comissões mais poderosas. Por outro lado, os partidos, à frente de pastas com grande capilaridade, têm a chance de aumentar seu capital político com obras e inaugurações em todo o país.

Primeiros 90 dias
De acordo com Fernando Meireles, na América Latina, em geral, é mais fácil formar coalizões nos primeiros 90 ou 100 dias de mandato, aproveitando a popularidade do mandatário recém-eleito. E é natural que, ao fim do período, os partidos queiram distanciar-se do governo, até mesmo para disputar as eleições seguintes com candidaturas próprias ou associados a projetos de outras legendas.

"Na história recente do Brasil, os presidentes que tentaram dispensar as grandes coalizões tiveram problemas. Sarney contou com supermaioria, e Collor chegou rompendo com essa lógica. Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso retomaram a prática da coalizão sobredimensionada. Lula tentou mudar, mas foi obrigado a retroceder. Dilma e Temer mantiveram as grandes coalizões", lembra o cientista político. Ele acrescenta que, se um governo conta com larga maioria em um ano, as chances de que essa situação se mantenha no ano seguinte são de 80%: "Isso acontece mesmo com a mudança de governo, resulta de uma espécie de aprendizado."

Ainda de acordo com o pesquisador, uma característica chama a atenção: o quadro partidário muito fragmentado favorece as coalizões sobredimensionadas. "Quanto mais partidos existem, mais partidos podem formar a coalizão. Com mais possibilidades de reunir aliados, o governo forma uma maioria que lhe dá margem mais ampla para negociar. E o poder de barganha das legendas menores diminui, na medida em que a ameaça de debandada de um ou dois partidos tem pouca influência sobre a força da coalizão", comenta o cientista político.

Notáveis sem partido
Em alguns países da América Latina, conforme mostra o artigo de Fernando Meireles, as relações entre governo e parlamento se dão de forma diferente. No Chile, os partidos se reúnem tradicionalmente em duas grandes coligações – o que varia é o número de cadeiras que cada um deles conquista em cada ciclo eleitoral.

As parcerias são ditadas por projetos conjuntos e vão além da coligação eleitoral. Na Bolívia, em 2003, uma crise de credibilidade entre os políticos, mesmo em um quadro de larga maioria, levou o presidente Carlos Mesa a romper com a lógica das alianças e recrutar notáveis, sem vinculação com partidos, para compor seu ministério.

Fernando Meireles utilizou modelos econométricos e mesclou estudos comparados com estudos de casos. Segundo ele, os dados são mais fartos nos países do Cone Sul e nos países andinos, mas muito escassos em algumas nações da América Central. Para compensar a falta de informações, ele cotejou trabalhos publicados e entrevistou especialistas. A pesquisa lança mão, sobretudo, de dados como número de cadeiras ocupadas pelos partidos, tempo de mandato, poderes legislativos do chefe de governo e número de forças políticas reais.

Para Fernando Meireles, a opção pelas coalizões é quase inevitável na América Latina. "Muitas vezes é difícil para o eleitor entender por que o presidente no qual ele votou precisa se aliar a tantos partidos, muitos deles de ideologias diferentes. Mesmo as bases dos partidos que chegam ao poder geralmente se opõem às coalizões. Quase sempre, no entanto, não há saída; essa é a forma de ter algum grau de manobra", conclui o cientista político.

Artigo: Oversized government coalitions in Latin America
Autor: Fernando Meireles, doutorando no Programa de Pós-graduação em Ciência Política
Publicado na Brazilian Political Science Review (V. 10, n. 3, 2016)

(Itamar Rigueira Jr. / Boletim 1972)

28/jun, 8h08 - Inep divulga lista de cursos que serão avaliados pelo Enade 2017

28/jun, 8h03 - Professores da UFMG lançam livro sobre doenças vasculares direcionado a profissionais não especialistas

28/jun, 7h51 - Desafios e casos de sucesso de mulheres empreendedoras serão apresentados em evento na UFMG

28/jun, 6h38 - Ars Nova interpreta poemas musicados de Federico Garcia Lorca em museu de Belo Horizonte

28/jun, 6h34 - Fachada digital do Espaço do Conhecimento será iluminada com as cores do movimento LGBT

28/jun, 6h20 - Cursos de inverno do 'Idiomas sem Fronteiras' têm inscrições abertas até o dia 4

28/jun, 6h17 - Escola de Enfermagem promove jornada de enfermagem em terapia intensiva em julho

28/jun, 6h14 - Mostra da Fapemig recebe inscrições de pesquisas inovadoras até domingo

27/jun, 13h42 - Orquestra de Câmara do Sesc apresenta, no Quarta Cultural, obras de Tchaikovsky e Hermeto Pascoal

27/jun, 6h32 - Campus Pampulha recebe debate sobre o papel da Universidade nas mobilizações decorrentes do desastre de Mariana

27/jun, 6h25 - Curso de férias aborda aspectos cognitivos da aversão de crianças e jovens pela escola

27/jun, 6h18 - ICA vai apresentar projetos de pesquisa e extensão em feira agropecuária de Montes Claros

27/jun, 6h08 - Quarteto de cordas se apresenta hoje na série Conexões Musicais

27/jun, 6h01 - Conservatório UFMG seleciona músicos para se apresentarem na série Palco Livre, no segundo semestre

26/jun, 14h05 - Startup da UFMG vence competição nacional de projetos de saneamento básico

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
junho de 2017 (152)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)

Expediente