Universidade Federal de Minas Gerais

Mauroguanandi / Wikipedia Commons
Copaica%20aclimacao%20menor.jpg
Espécime de copaíba no Parque da Aclimação, em São Paulo

Tese da Faculdade de Farmácia investiga uso secular de plantas medicinais no Brasil

quarta-feira, 19 de abril de 2017, às 6h19

Nem a ação agressiva dos laboratórios internacionais, que provocou, nas últimas décadas, a entrada maciça de medicamentos sintéticos no país, foi capaz de abalar um hábito secular do brasileiro: o uso de plantas para fins medicinais. Espécies como o barbatimão e a copaíba, que há cerca de 500 anos já eram indicadas como cicatrizantes e para cura de feridas, continuam combatendo os mesmos males, ainda que, com o tempo, tenham ampliado o seu leque de aplicações terapêuticas. Hoje, são reconhecidas as propriedades anti-inflamatórias e antissépticas das duas plantas.

A permanência do emprego de plantas com finalidade terapêutica foi alvo de investigação histórico-farmacológica feita pela pesquisadora Letícia Mendes Ricardo, em tese de doutorado defendida, em fevereiro, no Programa de Pós-graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica da Faculdade de Farmácia.

Em seu trabalho, Letícia, que trabalha no Ministério da Saúde, buscou evidências sobre os usos tradicionais de plantas nativas e confirmar se as indicações descritas desde o Brasil colonial se mantinham nos dias de hoje. Por meio de ampla análise de livros publicados em diversos momentos da história do país, ela constatou que o chamado poder terapêutico das plantas ainda é reverenciado pelo brasileiro. "Apesar do surgimento de novas aplicações para as plantas, determinados usos foram preservados", afirma Letícia.

Uma das partes mais importantes da sua pesquisa incluiu a análise de seis edições do Formulário e guia médico, de Pedro Luiz Napoleão Chernoviz, médico polonês que viveu no Brasil entre 1840 e 1855 e escreveu, em 1841, o primeiro manual que listava as plantas medicinais e seus respectivos usos. Letícia Ricardo debruçou-se sobre as edições de 1864, 1874, 1888, 1892, 1897 e 1920.

"A cada número, os livros reuniam mais plantas medicinais. A primeira edição, por exemplo, apresentava os usos de 37 plantas, e a última, publicada em 1920, trazia informações sobre 238 espécies. Isso evidenciava o interesse pelas propriedades medicinais das plantas no fim do século 19 e início do século 20", argumenta a autora da tese.

Segundo a pesquisadora, a escolha do Formulário e guia médico como base dessa parte do estudo se deve ao fato de ele ter substituído a farmacopeia portuguesa, livro que até então servia de referência para médicos prescreverem o uso de plantas no país. A partir de meados do século 19, o compêndio elaborado por Chernoviz passou a imperar nas farmácias brasileiras, domínio que durou até 1929.

Em outra fase da pesquisa, desenvolvida com o objetivo de analisar os usos terapêuticos de plantas descritas em centenas de livros, a autora elaborou uma fórmula que considerou a frequência de citação de usos e fatores associados à qualidade dessa informação – um deles, por exemplo, identifica se o manual foi escrito por leigos ou por profissionais da área. "Essa metodologia constatou que o Brasil pratica uma medicina tradicional, e, como há uma série de livros com essa abordagem, médicos e farmacêuticos podem se confundir. A minha pesquisa filtra o uso consistente e contínuo das plantas, o que facilita visualizar sua indicação terapêutica", explica.

Barbatimão e copaíba
O barbatimão e a copaíba ocuparam lugar de destaque na análise desenvolvida pela autora da tese, que consultou 101 livros publicados entre 1576 e 2011 em busca de informações sobre o uso tradicional dessas duas plantas. "Elas também aparecem no Formulário e guia médico. Alguns grupos de pesquisa já verificaram seu uso nos dias atuais em diferentes comunidades, e elas ainda são vendidas em mercados e feiras livres", afirma. As duas espécies também integram programas municipais de fitoterapia e a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse do Sistema Único de Saúde – lista publicada em 2009 com espécies de plantas que devem ser consideradas prioritárias em estudos.

O barbatimão é uma árvore pequena, de troncos tortuosos. É nativa do cerrado brasileiro, facilmente encontrada em Minas Gerais, Goiás, Bahia, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A casca do caule é a parte usada em tratamentos. A copaíba, por sua vez, é uma espécie de grande porte, típica da Amazônia, que atinge até 45 metros. Seu óleo é reconhecido por sua ação cicatrizante, propriedade que, segundo alguns pesquisadores, teria sido descoberta pelos índios, que passavam a substância nos corpos para curar feridas decorrentes de combates.

Tese: Evidência de tradicionalidade de uso de plantas medicinais: proposta de metodologia para o desenvolvimento de fitoterápicos para o tratamento de feridas no Brasil
Autora: Letícia Mendes Ricardo
Orientadora: Maria das Graças Lins Brandão
Tese defendida em 22 de fevereiro, no Programa de Pós-graduação em Medicamentos e Assistência Farmacêutica da Faculdade de Farmácia da UFMG

(Luana Macieira / Boletim 1973)

28/jun, 8h08 - Inep divulga lista de cursos que serão avaliados pelo Enade 2017

28/jun, 8h03 - Professores da UFMG lançam livro sobre doenças vasculares direcionado a profissionais não especialistas

28/jun, 7h51 - Desafios e casos de sucesso de mulheres empreendedoras serão apresentados em evento na UFMG

28/jun, 6h38 - Ars Nova interpreta poemas musicados de Federico Garcia Lorca em museu de Belo Horizonte

28/jun, 6h34 - Fachada digital do Espaço do Conhecimento será iluminada com as cores do movimento LGBT

28/jun, 6h20 - Cursos de inverno do 'Idiomas sem Fronteiras' têm inscrições abertas até o dia 4

28/jun, 6h17 - Escola de Enfermagem promove jornada de enfermagem em terapia intensiva em julho

28/jun, 6h14 - Mostra da Fapemig recebe inscrições de pesquisas inovadoras até domingo

27/jun, 13h42 - Orquestra de Câmara do Sesc apresenta, no Quarta Cultural, obras de Tchaikovsky e Hermeto Pascoal

27/jun, 6h32 - Campus Pampulha recebe debate sobre o papel da Universidade nas mobilizações decorrentes do desastre de Mariana

27/jun, 6h25 - Curso de férias aborda aspectos cognitivos da aversão de crianças e jovens pela escola

27/jun, 6h18 - ICA vai apresentar projetos de pesquisa e extensão em feira agropecuária de Montes Claros

27/jun, 6h08 - Quarteto de cordas se apresenta hoje na série Conexões Musicais

27/jun, 6h01 - Conservatório UFMG seleciona músicos para se apresentarem na série Palco Livre, no segundo semestre

26/jun, 14h05 - Startup da UFMG vence competição nacional de projetos de saneamento básico

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
junho de 2017 (152)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)

Expediente