Universidade Federal de Minas Gerais

Cedecom Montes Claros
nilma%20lino%20gomes%20-%20cedecom%20montes%20claros.jpg
Nilma Lino Gomes: diversidade escancara a face oculta das relações de poder

Diversidade leva universidade a superar posturas conservadoras, afirma Nilma Lino Gomes em conferência no ICA

terça-feira, 16 de maio de 2017, às 16h30

Os desafios que a diversidade impõe à universidade foram abordados pela professora Nilma Lino Gomes, da Faculdade de Educação (FaE), em conferência na noite desta segunda-feira, 15, no campus regional da UFMG em Montes Claros. O evento marcou as comemorações dos 41 anos de fundação do campus e integra a programação dos 90 anos da UFMG.

Apropriado originalmente por movimentos sociais ligados a pessoas com deficiência, o uso do termo “diversidade” se expandiu nas últimas duas décadas, tendo alcançado todos os campos da sociedade e da produção do conhecimento. “A partir do início do século 21, esse termo começa também a se relacionar com os dilemas e avanços de diferentes sujeitos sociais transformados em desiguais pelas relações de poder”, analisou a professora, que foi ministra das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Em sua opinião, nas décadas de 1980 e 90 dificilmente seria realizada uma mesa para discutir o tema Universidade, conhecimento e diversidade: conquistas e desafios, embora a relação entre essas três dimensões seja tão antiga quanto a história dessa instituição. “Vivemos no reino da diversidade. O que temos hoje é uma politização das questões da diversidade que antes não tínhamos ou era quase inexistente”, pontuou.

Para a professora, as mudanças vividas neste século, incluindo a quebra e a aproximação de fronteiras por meio de uma “intensa vida on-line”, proporcionam o contato entre ideologias e fazem circular valores, sujeitos, preconceitos e visões sobre o compromisso social com a vida e com o planeta: “Nesses últimos 20 anos os diversos sujeitos sociais passaram a ocupar no mundo outro lugar de protagonismo, como coletivos sociais, mais do que sujeitos sociais. E passaram a usar a tecnologia e a cultura digitais para disseminar suas ideias e respaldar suas ações – e isso o mundo hoje usa para o bem e para o mal”.

Abertura
Nilma Gomes identifica, nesse contexto, um movimento de pressão para que a universidade se abra à diversidade. Segundo ela, os sujeitos sociais passaram a pressionar a instituição e os campos de produção do conhecimento “para se ampliar, se diversificar e se enriquecer não somente como locus do saber, mas também como instâncias que participam ou que provocam processos de mudanças sociais emancipatórias”.

Citando o intelectual português Boaventura de Sousa Santos, Nilma Lino lembrou que esse novo cenário leva à compreensão de como o mundo é diverso e como a experiência social do mundo é muito mais rica e intensa do que a experiência individual do mundo. “Somos hoje obrigados a ver o outro, o diferente, não somente na sua diferença, mas principalmente reivindicando o direito à sua diferença e, ao mesmo tempo, a igualdade de direitos. E isso faz toda a diferença.”

A professora da Faculdade de Educação ressaltou que essa efervescência social e mundial caminha lado a lado com a exploração capitalista do mundo e seus impactos na produção do conhecimento – não somente na área das humanidades. “Isso desafia a Universidade a fazer outras perguntas, questões que eram vistas como próprias de movimentos sociais e que hoje fazem parte do mundo do cientista e do técnico.”

Para Nilma Lino, a diversidade, do ponto de vista crítico e político, expõe a face oculta das relações de poder e da universidade. “Escancara a face conservadora, preconceituosa, arrogante, autoritária, perturba-nos quando nos mostra que não são só as áreas sociais e das humanidades que têm que se preocupar com superação do racismo, LGBTfobia, machismo, misoginia, preconceito de classe, linguístico, regional, que estão presentes na universidade e na sociedade.”

Ao abordar o retrocesso de direitos em que vive o país, Nilma Lino Gomes recorreu a Guimarães Rosa, para quem “o correr da vida embrulha tudo”. “A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta, o que ela quer da gente é coragem", disse a professora. "Por isso não desistamos, sejamos corajosos diante da universidade e da diversidade que temos no mundo hoje.”

23/mai, 13h59 - Espetáculo de dança inspirado em obra de Calvino é atração do Quarta Doze e Trinta

23/mai, 13h20 - UFMG recebe embaixador da França e reitor de universidade de Lille para renovação de acordos de cooperação

23/mai, 13h00 - Coral Jovem Sesc Minas se apresenta nesta quarta, no Conservatório

23/mai, 6h49 - Terceira edição da Revista FuLiA reunirá reflexões acadêmicas sobre o futebol fora do eixo

23/mai, 6h45 - Congresso sobre inovações no ensino superior seleciona trabalhos científicos e propostas de apresentações culturais

23/mai, 6h35 - Mostra exibe filmes sobre a resistência latino-americana ao neoliberalismo

23/mai, 6h19 - Observatório sediado na Medicina promove neste sábado atividades educativas focadas na juventude

23/mai, 6h16 - Mezzo-soprano e pianista interpretam Schumann, Mozart e Manuel de Falla no Conservatório

22/mai, 17h26 - Evento de série sobre neurociências aborda relação entre estresse e doenças do coração nesta terça

22/mai, 12h53 - Escola de Engenharia comemora 106 anos com homenagens a ex-alunos e entrega de medalha a Leo Heller

22/mai, 6h42 - Festival de Inverno vai selecionar propostas de apresentações culturais para compor sua programação

22/mai, 6h31 - Projeto Manuelzão promove expedição para avaliar qualidade das águas do Rio das Velhas

22/mai, 6h26 - Colônia de férias do PET Lazer recebe inscrições de participantes veteranos

22/mai, 6h23 - Ars Nova interpreta obras dedicadas a Maria, mãe de Cristo, no Conservatório

19/mai, 18h33 - Revista Lamparina, sobre ensino de teatro, recebe trabalhos para sua décima edição

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
maio de 2017 (147)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)

Expediente