Universidade Federal de Minas Gerais

Carol Prado / UFMG
simone%20almeida.JPG
Simone Almeida: setores econômicos poderosos sustentam lógica hospitalocêntrica


Leitos psiquiátricos diminuem, mas modelo manicomial ainda resiste no Brasil, conclui estudo da UFMG

quinta-feira, 18 de maio de 2017, às 10h45

O modelo de atenção à saúde mental concebido pelos responsáveis pela reforma psiquiátrica brasileira ainda não pode ser considerado majoritário. A despeito da redução global de 19% dos leitos psiquiátricos em território nacional, levantamento pormenorizado realizado na esfera municipal mostra que houve criação desse tipo de leito em muitos lugares, o que indica que ainda vigora no país o modelo manicomial.

Os dados são fruto de pesquisa da professora Simone Costa de Almeida, do Departamento de Terapia Ocupacional da UFMG, com base em indicador criado para mensurar a implantação da Lei 10.216, aprovada em 2001, que reorienta o modelo de atenção às pessoas com sofrimento mental. No lugar da internação hospitalar, a lei propõe uma rede formada por Centros de Atenção Psicossocial (Caps), Serviços Residenciais Terapêuticos (SRTs), Centros de Convivência e Cultura, Unidades de Acolhimento (UAs) e leitos de atenção integral – em hospitais gerais e nos Caps.

"Quando se aproxima a lupa das esferas subnacionais, constata-se que, de 2008 a 2013, em 25,1% dos municípios o número de leitos foi reduzido, em 36,5% não houve alteração e em 38,4% houve aumento", observa a professora. A queda no cômputo geral deve-se ao fato de que municípios com grande número de leitos registraram redução significativa, como Camaragibe (PE), que baixou de 1.140, em 2008, para 105, em 2013.

Por outro lado, muitos municípios que não tinham leitos passaram a oferecer esse serviço, e outros ampliaram o estoque, como Torres, no Rio Grande do Sul, que passou de sete para 10 leitos em cinco anos. Além disso, enquanto algumas cidades cumpriram de forma exemplar os pressupostos da lei – fechamento de leitos psiquiátricos, criação de Caps e de SRTs –, outras apenas fecharam os leitos, sem criar estrutura substitutiva.

Infográficos: Lucas Braga / UFMG
grafico%20leitos%20manicomiais%202.png Considerando a estrutura federativa e a dependência política e financeira entre as três esferas de governo, a Lei 10.216 – conduzida pelo Ministério da Saúde por meio de mecanismos de indução financeira – não se mostrou suficiente para reverter a lógica centrada no hospital. "Talvez o exemplo mais claro esteja nas cidades que mantiveram os leitos psiquiátricos, sem criação de Caps e SRTs. É preciso conferir prioridade a essa política na agenda dos gestores municipais", comenta a professora, que trabalhou como supervisora de estágios em serviços substitutivos ao manicômio na rede municipal de Belo Horizonte.

Os Caps são serviços de saúde mental que atendem às pessoas em crise e que congregam número reduzido de leitos para casos emergenciais. Em Belo Horizonte e em outras cidades mineiras, recebem a nomenclatura de Centro de Referência em Saúde Mental (Cersam). Já os SRTs são casas, mantidas pelas prefeituras, que acolhem egressos dos antigos hospitais psiquiátricos – esses pacientes são atendidos nos Caps.

"Se, de um lado, a redução dos leitos psiquiátricos no Brasil é marca indelével da implementação da política antimanicomial, de outro, o embate de forças com segmentos vigorosos que defendem o modelo hospitalocêntrico, mediante o aparato econômico e político de que dispõem, retarda a mudança que se pretende na forma de tratar a loucura", enfatiza Simone Almeida.

Contradição
Segundo a professora, o achado mais destoante em sua pesquisa, por se caracterizar como contraditório à reforma, foi a criação de novos leitos. "Não conseguimos identificar como eles foram abertos. Será que resultam da força de determinados lobbies diante de brechas que a lei oferece?", questiona. Em sua tese de doutorado, defendida em 2015, a pesquisadora levanta a hipótese de que esses leitos podem ter sido abertos para atender aos usuários de álcool e outras drogas, já que portaria do governo federal permite sua internação em comunidades terapêuticas.

Para a professora, essa determinação compromete as dimensões política e ética da reforma psiquiátrica e estabelece um retrocesso no curso da política antimanicomial. "Estamos desde 1978 tentando desativar leitos, de modo a dispensar esse recurso que valoriza a segregação. Não queremos pessoas internadas, isoladas, sejam elas portadoras de sofrimento mental propriamente dito ou usuárias de álcool e outras drogas. O que se pretende com a reforma psiquiátrica é o cuidado em liberdade", enfatiza.

Indicador
Em levantamento realizado no Cadastro Nacional de Estabelecimentos da Saúde (CNES) para a elaboração do indicador, Simone Almeida recolheu as informações referentes a Caps e a leitos psiquiátricos. Os dados sobre SRT foram obtidos na Coordenação Nacional de Saúde Mental, pois não estavam disponíveis no CNES. As informações colhidas pela professora mostram que em 2008 havia no Brasil 43.113 leitos psiquiátricos, distribuídos entre 24,2% públicos, 19,3% filantrópicos e 56,5% privados. Já em 2013, eram 34,8 mil leitos, com redução de 19,3% no estoque total no âmbito do Sistema Único de Saúde.

"O setor privado foi o que mais contribuiu para a diminuição, com 37,1%, enquanto no setor público o percentual foi de 5,6%, e o filantrópico teve aumento de 13,5%", compara a professora. Em relação aos Caps, houve aumento de 56,5% no período estudado. Nos casos dos SRT, a expansão se deu em menor escala.

grafico%20leitos%20manicomiais%201.png

(Ana Rita Araújo / Boletim 1977)

26/mai, 18h24 - Pró-reitoria de Assuntos Estudantis divulga projetos de estudantes que serão financiados neste ano

26/mai, 7h48 - Em dois seminários na UFMG, filósofa norte-americana vai abordar a questão da identidade pessoal

26/mai, 6h54 - Relação entre museus e paisagem cultural será debatida em colóquio em Tiradentes

26/mai, 6h47 - Faculdade de Medicina vai sediar Congresso Nacional de Saúde; prazo de inscrição com desconto termina no dia 2

26/mai, 6h41 - Campus Montes Claros promove seminário sobre uso sustentável do solo e da água

26/mai, 6h34 - Formação do engenheiro para a 'Indústria 4.0' é tema de congresso na próxima semana

26/mai, 6h26 - Documentário 'Últimas conversas', de Eduardo Coutinho, será exibido no domingo, no Espaço do Conhecimento

26/mai, 6h21 - Série Concertos de Outono recebe Trio de Choro nesta noite

25/mai, 15h00 - Protagonismo estudantil norteou 16ª Jornada de Extensão

25/mai, 12h10 - Espetáculo teatral inspirado na vida de Caio Fernando Abreu é atração desta sexta, no Centro Cultural

25/mai, 9h04 - Seminário vai pôr em discussão papéis e representação das mulheres nas guerras

25/mai, 6h37 - Vídeo ensina a preencher ocorrências de crimes relacionados à orientação sexual e identidade de gênero

25/mai, 6h25 - Instituto Casa da Glória, em Diamantina, abriga exposição sobre os processos do conhecimento

25/mai, 6h19 - Curso capacita professores de nova modalidade de exercício físico

25/mai, 6h12 - Programa oferta bolsas de graduação em países ibero-americanos

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
maio de 2017 (170)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)

Expediente