Universidade Federal de Minas Gerais

TV UFMG

Extinção de mamíferos gigantes revela efeitos das mudanças climáticas, afirma geneticista Eske Willerslev

quarta-feira, 9 de agosto de 2017, às 18h42

Os movimentos de extinção de mamíferos gigantes, como mamutes, preguiças e rinocerontes peludos, especialmente entre 12 mil e 10 mil anos atrás, não foram obra do homem, como já se acreditou, mas das mudanças climáticas. De acordo com o geneticista Eske Willerslev, catedrático da University of Cambridge, que ministrou conferência na tarde desta quarta-feira, 9, no campus Pampulha, o clima foi o fator crucial das alterações populacionais da megafauna que levaram ao desaparecimento de dois terços dos gêneros.

“Colhemos amostras de DNA e descobrimos correlação clara entre essas alterações e determinados nichos de clima. Há evidências de que o clima tem efeitos imprevisíveis: mesmo que se consiga controlá-lo, não há qualquer garantia de que se retornará a uma situação anterior”, disse o cientista, acrescentando que a causa direta da morte das populações é a mudança significativa na vegetação, provocada pelos ciclos climáticos.

A conferência de Eske Willerslev, realizada na Faculdade de Ciências Econômicas (Face), integrou o ciclo UFMG 90 anos – desafios contemporâneos. O geneticista foi saudado pelo reitor Jaime Ramírez e apresentado pelo professor Fabrício Santos, do Instituto de Ciências Biológicas (ICB).

Se os efeitos do clima são claros no Hemisfério Norte, onde se concentram as pesquisas de Willerslev, ainda há muito que conhecer sobre o tema na metade meridional do planeta. Segundo ele, a América do Sul é a região mais adequada para as pesquisas – o geneticista ofereceu apoio do Centro de Excelência em Geogenética, que ele dirige, na Universidade de Copenhagen, na Dinamarca.

Fotos: Foca Lisboa/UFMG

Willerslev%20vertical.jpg
Diversidade e distribuição
Um dos mais reconhecidos especialistas na análise de DNA antigo, Eske Willerslev [foto] trabalha com amostras colhidas na América do Norte, Europa e Ásia para descobrir como o homem alcançou as Américas e, em última instância, entender como se chegou ao nível atual de diversidade e distribuição pelo globo.

Uma das hipóteses da chegada à América do Norte faz referência a um caminho por Sibéria e Alasca, há cerca de 13 mil anos; alguns pesquisadores creem que havia povos originados da Europa antes disso. O sequenciamento de DNA de um esqueleto de 12 mil anos encontrado numa fazenda do estado de Montana (EUA) mostrou que ele era 100% americano nativo. Outro esqueleto, de 9 mil anos, que integrou os estudos de Willerslev, tampouco tinha traços europeus no genoma.

“A hipótese mais forte para o caminho de chegada é o litoral oeste americano. A análise de fezes ressecadas em Seattle (Washington, EUA) revelou um nativo americano mil anos mais velho que os restos da Cultura Clóvis [surgida há cerca de 13 mil anos, no fim da última Idade do Gelo]. Era uma evidência da ocupação pré-Clóvis, e nunca fui tão criticado quanto em 2008, na ocasião da publicação desses dados, porque nos Estados Unidos havia uma crença inabalável na hipótese contrária”, contou o pesquisador dinamarquês.

O corredor de gelo no Alasca que teria sido atravessado por populações asiáticas se mostrou uma opção improvável depois de pesquisas de datação com sedimentos de animais e plantas, o que reforça, segundo Willerslev, a hipótese do caminho do litoral.

Botocudos
Convidado por pesquisadores brasileiros, Eske Willerslev analisou, recentemente, o DNA de dois esqueletos de índios botocudos, nos quais foram encontrados sinais de origem polinésia, mas salientou que são necessários mais testes, incluindo outros grupos também denominados botocudos. De acordo com ele, na Ilha de Páscoa, a área mais próxima da América do Sul sabidamente ocupada pelos polinésios, amostras atuais indicam que a população tem origem polinésia, mas também de nativos americanos.

Algumas das pesquisas mais recentes do geneticista dão conta, entre outros fenômenos, de migrações entre Europa a Ásia na Era do Bronze (5 a 2 mil a anos atrás), confirmando suspeitas de linguistas que estudam movimentações de povos e culturas com base na disseminação de idiomas, entre outros aspectos.

“Nosso trabalho é fascinante porque é essencialmente multidisciplinar e envolve linguistas, arqueólogos, antropólogos e outros especialistas. É uma mistura rica das humanidades com as ciências naturais”, comentou Eske Willerslev, atendendo à curiosidade de uma estudante sobre a interação com outras áreas de conhecimento.

Antes da conferência, o geneticista Eske Willerslev falou à reportagem da TV UFMG sobre os seus estudos (assista ao vídeo no alto do post).

Willerslev%20com%20plateia.jpg
Eske Willerslev lotou o auditório 1 da Face

Jaime%20e%20Fabricio.jpg
Jaime Ramírez e Fabrício Santos apresentaram o geneticista


21/ago, 17h21 - Salas interativas da Mostra das Profissões ainda têm vagas para voluntários da graduação

21/ago, 14h01 - Equipe Baja UFMG é tetracampeã em competição regional

21/ago, 11h53 - Diáspora que visa atrair investimentos é tema de palestra em ciclo sobre estudos indianos

21/ago, 6h49 - Sorte ou habilidade: Boletim destaca estudo estatístico sobre fatores que decidem torneios esportivos

21/ago, 6h40 - Com presença de diretores de agências de fomento, UFMG debate pós-doutorado na próxima quinta

21/ago, 6h33 - Chamada pública seleciona projetos sobre fármacos de uso humano

21/ago, 6h26 - Empresa júnior oferece cursos de metodologia social para estudantes de graduação

21/ago, 6h22 - Mesa-redonda na Enfermagem discute avaliação da qualidade dos serviços de saúde

21/ago, 6h17 - Oficinas ensinam a criar jogos digitais e de tabuleiro

18/ago, 15h14 - Mostra das Profissões recebe inscrições de estudantes voluntários até domingo

18/ago, 13h11 - Missão de instituições do Ceará visita UFMG para benchmarking de expertise em CT&I

18/ago, 11h42 - Revista Transite ganha prêmio por dossiê sobre pessoas com deficiência no mercado de trabalho

18/ago, 9h41 - Trinta anos sem Drummond: veículos da UFMG relembram vida e obra do 'poeta maior'

18/ago, 9h00 - Em livro, professora da Fale aborda questões da alimentação e da literatura; lançamento será hoje, em BH

18/ago, 7h56 - Pesquisadores da UFMG e da Universidade de Yale reúnem-se na próxima semana para discutir criação de centro de estudos do fígado

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
agosto de 2017 (125)
julho de 2017 (127)
junho de 2017 (171)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)

Expediente