Universidade Federal de Minas Gerais

Eduardo Duarte lança Literatura, política, identidades

quinta-feira, 6 de outubro de 2005, às 11h03

As relações entre escritores brasileiros e o ideal socialista nos tempos áureos da União Soviética, bem como a expressão literária de demandas específicas de segmentos politicamente minoritários, como mulheres e negros, constituem o fio condutor de Literatura, política, identidades., livro de ensaios de Eduardo de Assis Duarte, professor da Faculdade de Letras da UFMG. A obra será lançada nesta quinta-feira, 6, a partir de 19h30, em noite de autógrafos na Livraria Dom Quixote (rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi).

Interfaces
O foco principal de Literatura, política, identidades contempla as interfaces entre a produção literária e as demandas sociais e políticas vigentes na cultura moderna e na literatura brasileira em especial, sobretudo no século 20. Em sua primeira parte – Sendas da utopia – o texto aborda a obra de escritores comprometidos com o ideal socialista, que tantas esperanças despertou entre os intelectuais engajados, tais como Jorge Amado, Graciliano Ramos, Oswald de Andrade e Patrícia Galvão.

Há também um artigo sobre O banquete, de Mário de Andrade, que o autor modernista publicou em folhetins pouco antes de morrer, onde discute as relações entre arte e sociedade no mundo moderno. Já na segunda parte – Outras políticas da éscrita – Duarte focaliza questões de teoria e história literárias, bem como obras voltadas para a expressão das chamadas "minorias", tais como mulheres e negros.

Além de Rachel de Queiroz, este segmento estuda autores afro-descendentes pouco conhecidos, como Maria Firmina dos Reis e Lino Guedes. Ao final, o livro apresenta uma abordagem do romance Cidade de Deus, de Paulo Lins, lendo-o como uma espécie de Grande sertão: veredas das classes populares.

Vertente marxista
Na orelha do livro, Eneida Maria de Souza afirma que "a linha condutora da pesquisa de Eduardo de Assis Duarte, iniciada com a obra de Jacques Derrida, tem continuidade com a vertente marxista presente em vários escritores da década de 1930 e se atualiza na ênfase relativa às políticas de gênero e de etnias".

"Encontros literários e políticos entre escritores, como Neruda e Jorge Amado, o enlace entre antropofagia e marxismo, as redefinições de gênero em obras clássicas brasileiras, assim como as relações entre imprensa e folhetim negro, literatura e afro-descendência concorrem para nova leitura da historiografia literária no Brasil", finaliza Eneida.

O autor
Eduardo de Assis Duarte é doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela USP e pesquisador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade (Neia) da UFMG. Publicou Jorge Amado: romance em tempo de utopia (1996) e organizou os volumes de ensaios 70 anos de modernismo (1994) e Graciliano revisitado (1995).

É ainda co-organizador de Múltiplo Mário: ensaios (1997); Gênero e representação: teoria, história e crítica (2002); Gênero e representação na literatura brasileira (2002); e Poéticas da diversidade (2002). Em 2004, trouxe a público a quarta edição de Úrsula, de Maria Firmina dos Reis, primeiro romance brasileiro escrito por uma afro-descendente.

22/jul, 15h50 - Saber indígena transforma barro em obra de arte

22/jul, 15h36 - ‘Campus tour’ apresentará UFMG aos calouros em passeio de ônibus

22/jul, 12h53 - Comunidade dos Arturos realiza cortejo na tarde de hoje no campus Pampulha

22/jul, 12h24 - Oficina promove viagem prazerosa e sem dor ao mundo da escrita

22/jul, 7h07 - 'Performers' benzem Palácio da Liberdade e desafiam hegemonia do automóvel

22/jul, 6h53 - UFMG levará oito projetos de pesquisa a mostra de inovação da Fapemig

22/jul, 6h44 - Intervenções artísticas e shows musicais movimentam os dois últimos dias do evento

22/jul, 6h38 - Simpósio internacional na UFMG discutirá o futebol para além das 'quatro linhas'

22/jul, 6h33 - Chamada em fluxo contínuo apoiará projetos de cooperação internacional

21/jul, 11h43 - Divulgada escala para registro acadêmico presencial dos candidatos convocados no Sisu para o segundo semestre

21/jul, 10h20 - Em oficina, cozinha e ateliê se encontram para potencializar a arte

21/jul, 7h09 - Campanha 'Livres e iguais', da ONU, inspira congresso sobre diversidade sexual e de gênero na UFMG

21/jul, 7h07 - Curso traça panorama da música de concerto ocidental; matrículas abertas

21/jul, 6h49 - Especialização em Enfermagem Obstétrica da Rede Cegonha inscreve candidatos

21/jul, 6h32 - Oficina Multimédia faz livre interpretação de MacBeth, de Shakespeare, nesta quinta

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2016 (145)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)
abril de 2014 (236)
março de 2014 (202)
fevereiro de 2014 (228)
janeiro de 2014 (130)
dezembro de 2013 (180)
novembro de 2013 (282)

Expediente