Universidade Federal de Minas Gerais

Arquivo
alaide.jpg
A professora Alaíde Lisboa

Missa de sétimo dia da professora Alaíde Lisboa será na sexta-feira

quarta-feira, 8 de novembro de 2006, às 14h49

Nesta sexta-feira, 10 de novembro, às 18h30, será realizada, na Igreja do bairro Santo Antônio (esquina de avenida do Contorno com rua Espírito Santo), a missa de sétimo dia pelo falecimento da escritora, educadora, ex-vereadora e professora emérita da UFMG, Alaíde Lisboa de Oliveira.

Autora de clássicos infantis como A bonequinha preta e O bonequinho doce, obras lidas por diversas gerações de crianças brasileiras, Alaíde, que faleceu no último sábado, 4 de novembro, também se destacou como pesquisadora de metodologias de ensino. A professora foi casada com o advogado, professor e escritor José Lourenço de Oliveira, com quem teve 4 filhos: Abigail, José Carlos, Sílvio e Maria.

Natural de Lambari (MG), onde passou a infância e a adolescência, a professora, que integrava a Academia Mineira de Letras, tornou-se, em 1950, a primeira vereadora de Belo Horizonte. Tais atividades demonstram o perfil múltiplo de Alaíde, para quem a possibilidade do sonho sempre foi a principal meta do ser humano. "O que seria de nós se não sonhássemos um pouco? Ou melhor: que seria do mundo se os homens não sonhassem?", escreveu em uma de suas obras.

Tanto na infância em Lambari, onde estudou no Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior, quanto na adolescência em Campanha (MG), Alaíde Lisboa revelava grande gosto pelo estudo. Durante o internato do Curso Normal do Colégio Nossa Senhora de Sion, passava horas a aprender. Para quem sempre apreciou o conhecimento, os tempos na Escola de Aperfeiçoamento Pedagógico de Belo Horizonte seriam muito proveitosos. Lá, assistiu a aulas de grandes mestres da educação, como Helena Antipoff. Em sua trajetória intelectual, publicaria mais de vinte livros, além de inúmeros artigos em revistas e jornais brasileiros.

UFMG
Após anos de estudo, Alaíde Lisboa aproximou-se da UFMG, onde lecionou Didática Geral e Especial. Foi também diretora do Colégio de Aplicação da Universidade e vice-diretora da Faculdade de Educação (FaE) e organizou o mestrado da área. Atuou como professora da pós-graduação na FaE e na Faculdade de Medicina, dedicando-se à disciplina Metodologia do ensino superior. "Dona Alaíde era, ao mesmo tempo, maternal e mestre. Uma mulher muito forte, sempre aberta às mudanças do mundo", ressalta Maria Ângela de Faria Resende, ex-aluna de Alaíde e autora, ao lado do professor Guido de Almeida, da biografia poética Meu coração ou Alaíde Lisboa de Oliveira na memória da Universidade.

Intelectual e escritora"irrequieta", Alaíde Lisboa jamais cogitou a hipótese de entregar sua vida aos afazeres domésticos. As diversas "riquezas" do caminho sempre a atraíram com muito mais intensidade: "A mulher exclusivamente absorvida pelos cuidados materiais da casa, a mulher alheia às mutações sociais e políticas cedo perde o contato com a geração que se forma dentro da própria casa. O filósofo já disse que somos animais políticos", escreveu.

Saiba mais sobre a professora Alaíde Lisboa no BOLETIM da UFMG.

29/jul, 11h58 - Sistema minhaUFMG e portal saem do ar neste sábado para intervenções na infraestrutura de TI

29/jul, 6h36 - Núcleo oferece serviço de intérpretes em Libras para eventos acadêmicos

29/jul, 6h28 - Fale e DRI ofertarão curso de espanhol gratuito para fins acadêmicos

29/jul, 6h19 - Seminário na Enfermagem discute violência no SUS e políticas de prevenção

29/jul, 6h15 - Inscrições para feira de trabalhos de escolas técnicas terminam no dia 7

28/jul, 17h13 - Novos talentos da ciência ‘invadem’ laboratórios do ICB

28/jul, 6h32 - Toca de Tatu, referência do choro belo-horizontino, se apresenta amanhã no Centro Cultural

28/jul, 6h30 - Concursos premiarão jovens brasileiros empreendedores com viagens e estágios na Alemanha

27/jul, 17h20 - Instalações do CTE são elogiadas por chefe da equipe olímpica britânica

27/jul, 14h32 - UFMG assina protocolo de intenções para criação de observatório da igualdade de gênero

27/jul, 11h59 - Ranking saudita põe a UFMG entre as quatro melhores universidades do Brasil

27/jul, 11h55 - Campus Pampulha sedia encontro nacional da Academia Brasileira de Ciências

27/jul, 6h41 - Pedagogia das artes cênicas e inventário do teatro em BH são tratados em livros com participação de professores da UFMG

26/jul, 15h47 - A caminho de seus 50 anos, evento quer reforçar caráter experimental e relação com a cidade

26/jul, 6h46 - Mestrado e doutorado em Ciência Política selecionam candidatos

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2016 (174)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)
abril de 2014 (236)
março de 2014 (202)
fevereiro de 2014 (228)
janeiro de 2014 (130)
dezembro de 2013 (180)
novembro de 2013 (282)

Expediente