Universidade Federal de Minas Gerais

Foca Lisboa
DSC_5787.JPG
Professores Hugo Achugar, Wander Melo Miranda e Jean Habette

Exibição de vídeo e mesa-redonda encerram seminário Utopias agrárias

sexta-feira, 10 de novembro de 2006, às 15h17

A exibição do vídeo Matriz Palavras abriu, na manhã desta sexta-feira, 10, as atividades do último dia do seminário Utopias agrárias, realizado no auditório da Escola de Ciência da Informação, no campus Pampulha.

Na mesa-redonda da manhã, os pesquisadores Hugo Achugar, da Universidad Nacional de la República, do Uruguai, e Jean Habette, da Universidade Federal do Pará, falaram sobre as possibilidades de uma utopia concreta na sociedade contemporânea e sobre as contradições entre utopias agrária e ambiental.

O vídeo é parte do projeto Sentimento de Reforma agrária, sentimento de República, realizado pelo Projeto República, da UFMG, em parceria com o Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (Nead), do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

O evento reuniu, desde a última terça-feira, especialistas brasileiros e estrangeiros para avaliar as memórias e o significado político de movimentos pela reforma agrária no Brasil, associando-os ao ideário republicano.

Globalização
É possível ter esperança em tempos de globalização? O professor Hugo Achugar lembrou que os sonhos e a imaginação acerca de um futuro melhor têm acompanhado a humanidade, e que pensar um mundo utópico neste início de século exige uma reflexão a respeito de duas filosofias que se contrapõem: a utopia de mercado e a utopia da preservação.

Segundo Achugar, pensar um mundo utópico “implica pensar uma sociedade onde haja universalidade da harmonia”. O pesquisador uruguaio fez referência aos muros que separam sociedades e advertiu: “uma utopia concreta, realizável, não admite a existência de nenhum tipo de muro, pois utopia e exclusão são antagônicas”. Na sua opinião, um mundo utópico se diferencia de uma sociedade de mercado por princípios como acesso, participação, justiça e eqüidade.

Achugar questionou se é possível ter esperança na sociedade capitalista, e afirmou que o sujeito de um mundo utópico deverá ser o indivíduo renovado, portador de uma nova ética, com responsabilidade sócio-ecológica.

Agricultura x natureza
Jean Habette elogiou a constituição original do seminário Utopias agrárias, que mesclou reflexão teórica densa, apresentação de documentos visuais e participação de jovens e de pessoas que têm ligação com a terra.

Em sua palestra, Habette lançou a questão: “Não haveria um desencontro entre a utopia agrária e a utopia ambiental?” Segundo o pesquisador, desde a Idade Média prevalece a idéia da superioridade das atividades agrícolas sobre a cobertura vegetal natural da terra. Desde então, a mata é vista como selvageria, e o latifúndio chega para desbravá-la, tornado-a mansa e produtiva.

Habette também fez um histórico da região amazônica, onde trabalha há mais de 30 anos, e citou utopias presentes em diferentes períodos, como a que marcou a chegada dos trabalhadores nordestinos à região, nas décadas de 1940 e 50 – a utopia camponesa; a utopia dos seringueiros, que lutaram para não sair da floresta; e, mais recentemente, a utopia ambientalista.

22/jul, 15h50 - Saber indígena transforma barro em obra de arte

22/jul, 15h36 - ‘Campus tour’ apresentará UFMG aos calouros em passeio de ônibus

22/jul, 12h53 - Comunidade dos Arturos realiza cortejo na tarde de hoje no campus Pampulha

22/jul, 12h24 - Oficina promove viagem prazerosa e sem dor ao mundo da escrita

22/jul, 7h07 - 'Performers' benzem Palácio da Liberdade e desafiam hegemonia do automóvel

22/jul, 6h53 - UFMG levará oito projetos de pesquisa a mostra de inovação da Fapemig

22/jul, 6h44 - Intervenções artísticas e shows musicais movimentam os dois últimos dias do evento

22/jul, 6h38 - Simpósio internacional na UFMG discutirá o futebol para além das 'quatro linhas'

22/jul, 6h33 - Chamada em fluxo contínuo apoiará projetos de cooperação internacional

21/jul, 11h43 - Divulgada escala para registro acadêmico presencial dos candidatos convocados no Sisu para o segundo semestre

21/jul, 10h20 - Em oficina, cozinha e ateliê se encontram para potencializar a arte

21/jul, 7h09 - Campanha 'Livres e iguais', da ONU, inspira congresso sobre diversidade sexual e de gênero na UFMG

21/jul, 7h07 - Curso traça panorama da música de concerto ocidental; matrículas abertas

21/jul, 6h49 - Especialização em Enfermagem Obstétrica da Rede Cegonha inscreve candidatos

21/jul, 6h32 - Oficina Multimédia faz livre interpretação de MacBeth, de Shakespeare, nesta quinta

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
julho de 2016 (145)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)
maio de 2014 (239)
abril de 2014 (236)
março de 2014 (202)
fevereiro de 2014 (228)
janeiro de 2014 (130)
dezembro de 2013 (180)
novembro de 2013 (282)

Expediente