Universidade Federal de Minas Gerais

Fernando Ruiz
IMG_1721.jpg
Abertura da CRES 2008, em Cartagena das Índias, na Colômbia, contou com a presença do presidente Alvaro Uribe

UFMG participa da Conferência Regional da Educação Superior

quarta-feira, 4 de junho de 2008, às 17h20

Marcílio Lana, Cartagena das Índias (Colombia) - Começou hoje, quarta-feira, 4 de junho, a Conferência Regional para a Educação Superior (CRES 2008), em Cartagena das Índias, na Colômbia. A UFMG participa do evento e leva a Colômbia uma delegação liderada pelo reitor Ronaldo Pena. Hoje, pela manhã, antes do início da CRES 2008, o reitor da UFMG concedeu uma entrevista ao portal de notícias da Universidade.

Professor Ronaldo, qual é a avaliação do senhor sobre a importância que terá a Conferência Regional para a Educação Superior para a América Latina e para o Caribe?
Ronaldo Pena - A educação superior é o território onde está sendo jogado, no mundo contemporâneo, o destino das nações. Qualquer desatenção nesta área terá conseqüências imediatas, mesmo a curto e médio prazos, para a autonomia política, econômica, social e cultural de cada país. A desigualdade no terreno do conhecimento favorecerá, inevitavelmente, a formas renovadas de colonialismo. Particularmente no que diz respeito a nós, latino-americanos e caribenhos, o desenvolvimento que almejamos para nossos países, cuja história é tão marcada pela perversidade do colonialismo, está estreitamente associado à atenção que dedicarmos à educação superior.

O senhor acredita que será possível o estabelecimento de uma agenda para a educação superior na região, ou seja, o senhor acredita ser possível os governos incorporarem a educação superior como política de estado?
Ronaldo Pena - Certamente é possível e, mais que possível, necessário. O conhecimento, na multiplicidade de suas áreas, é condição de desenvolvimento social. Vivemos, hoje, nas chamadas sociedades do conhecimento, o que quer dizer que a posse e a difusão do conhecimento é um bem social de importância ímpar e condição de cidadania no concerto internacional das nações. Este cenário, de um lado, apresenta desafios inéditos para as universidades e, de outro, evidencia a necessidade de que a educação superior, ao invés de estar subordinada à aleatoriedade dos governos, seja pensada como política de estado, o que quer dizer investimento inteligente, consistente e continuado.

E em relação à proposta de estabelecimento de uma cooperação solidária? O senhor acredita ser possível estabelecer, na perspectiva dos governos, uma agenda de intercâmbios que fortaleça os sistemas educacionais em toda a região que, ao mesmo tempo incentive aqueles países que enfrentam grandes dificuldades para ter um sistema de ensino superior consolidado?
Ronaldo Pena - Certamente que os diversos países latino-americanos e caribenhos vivem situações distintas no que diz respeito aos respectivos sistemas educacionais. Diante disso, trata-se de respeitar a diversidade e, simultaneamente, de procurar induzir medidas que contribuam para o avanço do sistema como um todo. Nesse sentido, experiências bem sucedidas num país podem ser examinadas e estudada a viabilidade de seu compartilhamento com outros países. Por outro lado, é preciso reconhecer e incentivar oportunidades de trabalhos conjuntos, seja no ensino, seja na pesquisa, seja na extensão universitária.

E no que diz respeito ao Brasil, que experiência o senhor acredita que o país tem para compartilhar com os demais participantes? Seria a avaliação, a pós-graduação e a pesquisa, bem como também o registro de patentes? E, por outro lado, que experiência nós brasileiros precisamos absorver?
Ronaldo Pena - O Brasil possui, no campo da graduação, uma qualificação muito bem distribuída pela diversidade das áreas, um sólido sistema de pós-graduação, uma tradição de pesquisa consolidada, um índice crescente de participação na produção científica mundial. Enfrenta, é claro, inúmeros desafios, particularmente uma hesitação por parte do poder público no que diz respeito a políticas de Estado de longo prazo na área da educação superior, mas é importante ressaltar que nos últimos anos a política governamental tem sido mais conseqüente e mais incisiva. Temos, sobretudo na área da pós-graduação, instrumentos adequados e eficazes de avaliação. Penso que no campo de registro de patentes, parte de uma área mais ampla referente à transferência de conhecimento de uma forma geral, temos ainda muito a desenvolver. Por outro lado, o percentual de estudantes no ensino superior no Brasil, particularmente nas instituições públicas, é ainda pequeno, embora o projeto Reuni (Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais), lançado pelo governo federal, certamente trará modificações de monta neste aspecto. Temos muitas questões que constituem um acervo importante a ser posto em discussão.Em torno desta agenda, temos muito, todos nós, a aprender. São questões que dizem respeito, sem querer ser exaustivo, a trajetórias curriculares, à mobilidade estudantil, a métodos e técnicas pedagogicamente inovadores, à interação pós-graduação/graduação, ao impacto social do conhecimento e a uma maior participação das universidades nos projetos de desenvolvimento nacional. Como se pode ver, estamos diante de um efetivo fundo público de questões relativas à educação superior.

A UFMG é uma universidade que já tem uma série de convênios com diversas universidades do país. Com quantas universidades latino-americanas e caribenhas temos convênio? Há a expectativa que a CRES 2008 possa alargar este leque? O senhor vislumbra algumas áreas e temas em especial?
Ronaldo Pena - Temos convênios em curso com 49 universidades latino-americanas e caribenhas e outros 30 convênios em tramitação. É um número significativo, mas que pode ser ainda substantivamente acrescentado. Temos muita expectativa com relação a esta Conferência. Dada a possibilidade de interação e dada a consciência da importância estratégica da educação superior, teremos inúmeras oportunidades de ampliar convênios já existentes, bem como de estabelecer novas parcerias. Particularmente, esta é minha expectativa enquanto reitor da Universidade Federal de Minas Gerais. São muitas as áreas de conhecimento capazes de abrigar novos convênios e as possibilidades se distribuem por todas elas. O que deve ser levado em conta são a identidade e a especificidade de cada instituição, de modo a que os convênios venham a se constituir, também, em importantes instrumentos de desenvolvimento institucional.
Para finalizar, alguns países, como a Venezuela estão colocando em curso um sistema de ingressos de estudantes na universidade no qual a trajetória curricular tem mais peso que uma prova tipo vestibular. O senhor acredita que este sistema pode ser incorporado à cultura das universidades brasileiras? E a UFMG?
Estão em curso, no Brasil, múltiplos sistemas de acesso ao ensino superior, entre os quais alguns têm em vista o desempenho no ensino médio. Mesmo entre as universidades que se valem apenas do vestibular ortodoxo, são muitas as diferenças. Penso, no que diz respeito a esta questão, que carecemos ainda de alguma reflexão mais avantajada, capaz de avaliar méritos e deméritos associados a cada forma de ingresso. Particularmente no caso da UFMG, o Conselho Universitário deliberou recentemente a favor da introdução de um duplo bônus. Estudantes provenientes da escola pública, desde que nela tenham cursado parte do ensino fundamental e todo o ensino médio, receberão um total de 10% sobre a pontuação obtida, seja na primeira, seja na segunda etapa do vestibular. Caso sejam negros, e tenham esta trajetória na escola pública, receberão um adicional de 5%. Assim procedendo, acredito termos atendido, ao mesmo tempo, o requisito do mérito e a necessidade da democratização do acesso.

18/ago, 15h14 - Mostra das Profissões recebe inscrições de estudantes voluntários até domingo

18/ago, 13h11 - Missão de instituições do Ceará visita UFMG para benchmarking de expertise em CT&I

18/ago, 11h42 - Revista Transite ganha prêmio por dossiê sobre pessoas com deficiência no mercado de trabalho

18/ago, 9h41 - Trinta anos sem Drummond: veículos da UFMG relembram vida e obra do 'poeta maior'

18/ago, 9h00 - Em livro, professora da Fale aborda questões da alimentação e da literatura; lançamento será hoje, em BH

18/ago, 7h56 - Pesquisadores da UFMG e da Universidade de Yale reúnem-se na próxima semana para discutir criação de centro de estudos do fígado

18/ago, 7h48 - Professora da Belas Artes lança livro que trata das relações da dança com a filosofia e a cidade

18/ago, 6h39 - Escola de Enfermagem promove seminário sobre infecção provocada pelo zika vírus

18/ago, 6h35 - Pianista Ana Cláudia Assis interpreta canções latino-americanas neste sábado

18/ago, 6h26 - Espaço do Conhecimento abriga exposição de fotos na fachada digital e oficina sobre evolução tecnológica de bens culturais

18/ago, 6h23 - Quarteto de Fagotes da UFRJ é a atração de hoje do projeto Perspectiva

17/ago, 17h30 - Professoras do curso de Turismo da UFMG lançam livros neste sábado

17/ago, 6h37 - Seminário sobre acessibilidade em bibliotecas universitárias vai tratar de experiências, legislação e recursos on-line

17/ago, 6h36 - Pesquisador cubano discute na UFMG interação da ciência da informação com outras disciplinas e seu caráter de ciência social

17/ago, 6h30 - Monitoramento das ações de segurança do paciente será tema de reunião científica na Escola de Enfermagem

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana de Saúde Mental
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
agosto de 2017 (116)
julho de 2017 (127)
junho de 2017 (171)
maio de 2017 (192)
abril de 2017 (133)
março de 2017 (205)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (131)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)

Expediente