Universidade Federal de Minas Gerais

Projeto Arquitetura.jpg
A máquina de protesto: projeto leva alunos à Inglaterra

Alunos da UFMG vencem concurso e viajam para Londres

terça-feira, 10 de junho de 2008, às 20h00

Uma máquina gigante em formato de broca que perfura o solo e é movida pela energia dos gritos dos manifestantes que estão dentro dela. O projeto – claramente conceitual, sem pretensões pragmáticas – de três alunos da Escola de Arquitetura da UFMG venceu a disputa com outras equipes brasileiras em concurso promovido pelo Festival de Arquitetura de Londres, com intermediação da Embaixada do Brasil na Inglaterra. O desafio proposto foi imaginar um espaço de manifestações em Brasília e a equipe idealizou o “Dispositivo Espacial de Protesto”. Como prêmio, Daniele Mendes, Igor Bernardes e Ligia Pinto, do 8º período, viajam no próximo dia 18 para Londres com passagens e hospedagem pagas, e terão seu trabalho exposto no pavilhão dedicado ao Brasil no evento, que acontece de 20 de junho a 20 de juho.

O paradoxo de se pensar em um espaço de protestos em Brasília gerou a idéia. “Na verdade, não há como se projetar um lugar que determina onde as pessoas devem se manifestar. O protesto é, por natureza, imprevisível. Demarcar um lugar assim é uma contradição. Por isso, recorremos à abstração”, explica Lígia Pinto.

A função do dispositivo seria transportar os manifestantes para o espaço subterrâneo. Ele assume o formato de uma broca, que perfura o solo em movimentos calculados pela medida “rpm” (“re-voltas por minuto”). E o combustível da máquina seria a energia sonora gerada pelos gritos dos manifestantes. Para o grupo, “esta é uma metáfora que significa levar o protesto e a manifestação para um “não-lugar”, ou seja, o lugar negativo, que está afastado da lógica de tudo aquilo contra o que se está protestando”.

Versatilidade
Para a professora Juliana Torres de Miranda, coordenadora do concurso na UFMG, que envolveu 17 equipes, o projeto vencedor estava de acordo com o que foi proposto. “A idéia do concurso era instigar os alunos a pensar em uma arquitetura experimental e investigativa. Esperávamos trabalhos inventivos e, ao mesmo tempo, com postura crítica”, ela diz. O concurso teve ainda participantes da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Três grupos da UFMG foram pré-selecionados em duas etapas por um grupo de professores da própria Escola de Arquitetura, e seus trabalhos foram enviados a Londres.

Júlia Miranda destaca ainda a visibilidade internacional conquistada pela UFMG e os benefícios gerados pelo processo de discussão e motivação que envolveu alunos e professores. “O resultado final mostrou a versatilidade de nossos alunos, que se mostraram prontos também para uma missão pouco comum, de característica conceitual e combinada com outras áreas do saber”, ela afirma.

24/fev, 15h50 - Centro Cultural não vai abrir durante o carnaval

24/fev, 12h11 - Bloco carnavalesco da Faculdade de Medicina desfila contra a violência

24/fev, 6h30 - Hospital das Clínicas vai doar resíduos a associações de materiais recicláveis

24/fev, 6h24 - Caed recruta bolsistas para atuar em polos de educação a distância

24/fev, 5h55 - Pianista Ana Claudia de Assis, professora da Escola de Música, seleciona obras para CD e concertos

24/fev, 5h42 - Revista da Biblioteca Universitária recebe propostas de artigos até 31 de março

23/fev, 10h28 - Vacinação contra febre amarela no campus Pampulha segue até amanhã

23/fev, 6h55 - Graduandos da Arquitetura ganham menção especial em concurso italiano

23/fev, 6h45 - Proex seleciona material fotográfico para compor mostra virtual ‘Mulheres da Extensão’

23/fev, 6h36 - Espaço do Conhecimento vai fechar durante o Carnaval

22/fev, 12h52 - Jaime Ramírez debate na USP os desafios das universidades brasileiras

22/fev, 9h41 - Estão abertas as inscrições para a 18ª UFMG Jovem

22/fev, 6h56 - Aplicativo do HC sobre cuidados paliativos é um dos mais baixados do Brasil

22/fev, 6h46 - Escola de Música divulga oferta de cursos de extensão para o primeiro semestre

22/fev, 6h37 - Curso de conversação da Fale ensina francês apoiado em situações do cotidiano

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)
junho de 2014 (156)

Expediente