Universidade Federal de Minas Gerais

Filipe Chaves
jacynthobrandao.jpg
A versão traduzida por Jacyntho é a primeira em português brasileiro

Obra traduzida por Jacyntho Brandão é lançada em Belo Horizonte e Ouro Preto

quarta-feira, 15 de abril de 2009, às 9h47

A tradução do texto Como se deve escrever a história realizada pelo professor e diretor da Faculdade de Letras (Fale) da UFMG, Jacyntho Lins Brandão, será lançada em Belo Horizonte e Ouro Preto.

Escrito por Luciano de Samósata no século 2, Como se deve escrever a história é o único texto antigo sobre o tema que chegou até os dias de hoje. A versão traduzida por Jacyntho Brandão é a primeira em português brasileiro. O original em grego só contava com traduções feitas em Portugal no século 18.

O livro, publicado pela Tessitura Editora, apresenta ainda ensaio sobre as diferentes interpretações e traduções que o texto recebeu ao longo da história, também de autoria de Jacyntho Brandão.

O lançamento em Ouro Preto acontece hoje, dia 15 de abril, às 20h, na livraria UFMG – Casa de Gonzaga (rua Cláudio Manuel, 61, Centro). Em Belo Horizonte, será realizado no próximo domingo, 18 de abril, às 11h, na Quixote Livraria e Café (rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi).

Como escrever a história
Nascido sírio, nas bordas do Império Romano, e com formação grega, Luciano de Samósata foi um escritor satírico, que produziu de diversos gêneros de ficção a temas como filosofia e medicina. Foi muito criticado (chamado de gozador e falsário, entre outros adjetivos), mas nunca deixou de ser lido, porque a qualidade de sua escrita era reconhecida. No Ocidente, sua obra foi resgatada no Renascimento, na esteira do interesse pelos estudos da língua e da cultura gregas. “Luciano foi um dos primeiros autores traduzidos, e Como se deve escrever a história tornou-se um manual sobre o assunto”, conta Jacyntho Brandão, que é professor de Língua e Literatura Grega.

Na primeira parte do texto, Luciano de Samósata dedica-se à crítica dos historiadores que contavam a história com base no elogio ao Império Romano, civilizado, em luta contra a barbárie. “A partir de determinado ponto é que a obra ganha característica de tratado, com aplicação universal”, conta o professor da Fale. “O início é na verdade um panfleto, porque Luciano critica o poderio de Roma ao condenar a forma com que o Império é elogiado.”

Quando ensina a escrever história, o autor prega o que chama de “história justa”, marcada pela falta de compromisso com outros interesses. Esse modelo seria encarnado – solitariamente, segundo Luciano – por Tucídides, cronista da guerra do Peloponeso, no século 5 a.C. Jacintho explica que Tucídides tinha outra qualidade recomendada por Luciano: escrever bem. “Ele criticava os historiadores que escreviam como poetas e exageravam os fatos, mas não admitia linguagem vulgar. Preconizava um estilo médio, culto mas inteligível”, completa Jacyntho Brandão.

24/mar, 18h36 - Proposta de normas para graduação sedimenta práticas e aprendizados, diz pró-reitor em apresentação de anteprojeto

24/mar, 17h44 - Inscrições para curso de extensão que discute obra de Heidegger terminam neste sábado

24/mar, 17h16 - Morre Ronaldo Araújo Costa, vice-diretor do Cecom

24/mar, 6h34 - Biblioteca Central recebe mostra de livros de artista que tratam de temas políticos e sociais

24/mar, 6h27 - Prêmio Mares Guia, de incentivo à pesquisa básica, abre inscrições

24/mar, 6h23 - Desafios do ensino superior a distância reúnem especialistas em colóquio internacional na UFMG

24/mar, 6h19 - Tito canta clássicos da MPB em sarau neste sábado, no Espaço do Conhecimento

24/mar, 6h16 - Jornada vai tratar das interfaces da terapia ocupacional com outras áreas do conhecimento

24/mar, 6h02 - Aulp premiará trabalho acadêmico sobre relações entre países de língua portuguesa

23/mar, 14h25 - Coletivo promove recepção a calouros negros nesta sexta, no gramado da Reitoria

23/mar, 11h35 - Roberto Bigonha, do DCC, é o novo professor emérito da UFMG

23/mar, 9h48 - ‘As cidades são o lugar da rebeldia e devem estar preparadas para produzir encontros’, defende Fernando Haddad em aula inaugural

23/mar, 6h36 - Campus Pampulha sediará seminário internacional sobre arte, educação e autobiografia

23/mar, 6h33 - Pesquisa mostra que Brasil não cumpre meta de conservação de espécies ameaçadas de extinção

23/mar, 6h30 - Ceale Debate aborda inserção das mulheres na literatura nacional

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
março de 2017 (160)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)

Expediente