Universidade Federal de Minas Gerais

Carol Morena / Faculdade de Medicina
isabel%20castro%20-%20carol%20morena.jpg
Isabel Castro: pacientes com anemia falciforme apresentaram o pior desempenho em todas as medidas cognitivas do teste de inteligência

Estudo da Medicina identifica danos às funções cognitivas de jovens com doença falciforme

segunda-feira, 13 de março de 2017, às 6h32

Doença genética e sistêmica que afeta o sangue e provoca diversas alterações no organismo, como crises de dor e obstrução de vasos sanguíneos, a doença falciforme também pode impactar os processos de aquisição de conhecimento (cognitivos) devido a alterações no funcionamento do cérebro. Assim, mesmo pessoas que têm a doença e que não registraram episódios de acidente vascular cerebral (AVC) podem sofrer danos nas funções cognitivas e terem prejuízo no desempenho escolar.

Essa é a conclusão central de tese defendida no Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde da Faculdade de Medicina, que avaliou 64 crianças e adolescentes com anemia falciforme – tipo mais comum e grave da doença – sem episódio anterior de AVC. O grupo, formado por indivíduos de 7 a 13 anos diagnosticados pela triagem neonatal em Minas Gerais e atendidos pela Fundação Hemominas, foi comparado com outras 64 pessoas de mesma faixa etária, mas que não são portadoras da doença.

“O grupo de pacientes teve pior desempenho em todas as medidas cognitivas do WISC III (teste de inteligência de referência mundial) quando comparadas ao grupo controle”, informa a psicóloga Isabel Castro, autora do estudo. Os resultados, segundo ela, serão importantes para planejar ações de reabilitação e auxiliar as escolas na oferta de um melhor acompanhamento pedagógico.

Infartos cerebrais silenciosos
Das crianças e adolescentes com doença falciforme, 31% apresentaram ocorrência de infartos cerebrais silenciosos (ICS). Diferentemente do AVC, os ICS, diagnosticados por técnicas de imagem, são assintomáticos.

Segundo Isabel Castro, com base na literatura internacional, a hipótese era de que a capacidade cognitiva dos pacientes com ICS seria menor na comparação com os jovens que não apresentam a ocorrência desses infartos. No entanto, a pesquisa revelou que não houve diferença significativa entre as funções cognitivas dos pacientes com e sem ICS. “Observamos que mesmo o sujeito que não sofreu o ICS pode ter perda na conexão cerebral", afirma a autora do estudo.

Ao comparar os indivíduos dos dois grupos em um mesmo nível socioeconômico, a pesquisa revelou que as crianças e jovens com doença falciforme apresentaram, em média, QI 21 pontos inferior ao da média do grupo controle. “É um resultado assustador, muito pior do que imaginávamos. Ele mostra que é a doença que afeta a cognição, embora de forma silenciosa e assintomática”, alerta Isabel.

Políticas públicas
A pesquisadora explica que, em Minas Gerais, o trabalho tem viés inovador devido ao número de crianças e adolescentes com anemia falciforme considerados e ao conjunto dos exames feitos: avaliação psicológica, dados hematológicos e ressonância magnética.

Para ela, o estudo evidenciou a necessidade de formulação de políticas públicas que melhorem o acesso e a permanência desse público nas escolas, como o projeto Saber para cuidar: doença falciforme na escola, do Centro de Educação e Apoio para Hemoglobinopatias (CEHMOB-MG), parceria entre a Faculdade de Medicina (Nupad) e a Fundação Hemominas. “Ele busca fortalecer a capacidade técnica e política dos profissionais de educação que trabalham com quem têm doença falciforme”, informa a psicóloga, coordenadora do projeto.

Em 2017, o Saber para cuidar, em parceria com o MEC, pretende capacitar mais de mil profissionais da rede municipal de Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Pernambuco e Maranhão, estados com as maiores incidências da doença.

O estudo sugere, também, para implantação imediata, a inserção de protocolo de avaliação psicológica no segmento de crianças com anemia falciforme para auxiliar as condutas médicas, pedagógicas e dos assistentes sociais. “Isso possibilitaria identificar objetivamente os possíveis prejuízos, e as intervenções poderiam ser feitas de modo mais científico”, observa Isabel.

Ainda segundo a pesquisadora, considerando a gravidade da doença e os prejuízos cognitivos, o uso da hidroxiureia, medicamento indicado apenas para pessoas com doença falciforme que apresentam crises de dor intensas e internações recorrentes, deveria ser ministrado a todas as crianças com a doença, a partir dos dois anos de vida.

“É imprescindível que estudos clínicos com o uso de hidroxiureia meçam, além dos efeitos clínicos e laboratoriais, a possível influência no desenvolvimento cognitivo dos lactentes com anemia falciforme”, recomenda Isabel Castro.

Nupad
Infografico%20anemia%20falciforme%20e%20cogni%E7%E3o.jpg

(Rafaella Arruda / Nupad)

24/mar, 6h34 - Biblioteca Central recebe mostra de livros de artista que tratam de temas políticos e sociais

24/mar, 6h27 - Prêmio Mares Guia, de incentivo à pesquisa básica, abre inscrições

24/mar, 6h23 - Desafios do ensino superior a distância reúnem especialistas em colóquio internacional na UFMG

24/mar, 6h19 - Tito canta clássicos da MPB em sarau neste sábado, no Espaço do Conhecimento

24/mar, 6h16 - Jornada vai tratar das interfaces da terapia ocupacional com outras áreas do conhecimento

24/mar, 6h02 - Aulp premiará trabalho acadêmico sobre relações entre países de língua portuguesa

23/mar, 14h25 - Coletivo promove recepção a calouros negros nesta sexta, no gramado da Reitoria

23/mar, 11h35 - Roberto Bigonha, do DCC, é o novo professor emérito da UFMG

23/mar, 9h48 - ‘As cidades são o lugar da rebeldia e devem estar preparadas para produzir encontros’, defende Fernando Haddad em aula inaugural

23/mar, 6h36 - Campus Pampulha sediará seminário internacional sobre arte, educação e autobiografia

23/mar, 6h33 - Pesquisa mostra que Brasil não cumpre meta de conservação de espécies ameaçadas de extinção

23/mar, 6h30 - Ceale Debate aborda inserção das mulheres na literatura nacional

23/mar, 6h23 - Fapemig seleciona propostas de apoio à publicação de periódicos científicos

23/mar, 6h21 - Liga Acadêmica da Enfermagem promove mesa-redonda sobre empoderamento feminino

23/mar, 6h19 - Pós-graduação em Estudos do Lazer seleciona candidatos para mestrado e doutorado

Classificar por categorias (30 textos mais recentes de cada):
Artigos
Calouradas
Conferência das Humanidades
Destaques
Domingo no Campus
Eleições Reitoria
Encontro da AULP
Entrevistas
Eschwege 50 anos
Estudante
Eventos
Festival de Inverno
Festival de Verão
Gripe Suína
Jornada Africana
Libras
Matrícula
Mostra das Profissões
Mostra das Profissões 2009
Mostra das Profissões e UFMG Jovem
Mostra Virtual das Profissões
Notas à Comunidade
Notícias
O dia no Campus
Participa UFMG
Pesquisa
Pesquisa e Inovação
Residência Artística Internacional
Reuni
Reunião da SBPC
Semana do Conhecimento
Semana do Servidor
Seminário de Diamantina
Sisu
Sisu e Vestibular
Sisu e Vestibular 2016
UFMG 85 Anos
UFMG 90 anos
UFMG, meu lugar
Vestibular
Volta às aulas

Arquivos mensais:
março de 2017 (157)
fevereiro de 2017 (142)
janeiro de 2017 (109)
dezembro de 2016 (108)
novembro de 2016 (141)
outubro de 2016 (229)
setembro de 2016 (219)
agosto de 2016 (188)
julho de 2016 (176)
junho de 2016 (213)
maio de 2016 (208)
abril de 2016 (177)
março de 2016 (236)
fevereiro de 2016 (138)
janeiro de 2016 (132)
dezembro de 2015 (148)
novembro de 2015 (214)
outubro de 2015 (256)
setembro de 2015 (195)
agosto de 2015 (209)
julho de 2015 (184)
junho de 2015 (225)
maio de 2015 (248)
abril de 2015 (215)
março de 2015 (224)
fevereiro de 2015 (170)
janeiro de 2015 (156)
dezembro de 2014 (163)
novembro de 2014 (245)
outubro de 2014 (281)
setembro de 2014 (267)
agosto de 2014 (229)
julho de 2014 (183)

Expediente