Exposição virtual em homenagem ao criador do Presépio do Pipiripau

Exposição virtual em homenagem ao criador do Presépio do Pipiripau

A edição de dezembro do projeto Diálogos: Artista e Curador(a) faz uma homenagem ao artesão Raimundo Machado, criador e idealizador do Presépio do Pipiripau, patrimônio cultural e afetivo de Minas Gerais, tombado pelo Iphan, que narra as principais passagens da história de Jesus Cristo, desde o nascimento até a ressurreição.

A obra, que levou 82 anos para ser construída, encanta o Natal de Belo Horizonte, dos Mineiros e do Brasil, e se tornou uma referência artística e histórica da arte popular brasileira. Em admiração a esse trabalho, o Centro Cultural UFMG realiza a exposição virtual “Presépio do Pipiripau”, com a curadoria de Fabrício Fernandino, diretor do Centro Cultural UFMG e professor de escultura da Escola de Belas Artes da UFMG.

A inspiração do artesão veio quando ainda era criança, época em que acompanhava sua mãe nas santas missas e tinha a oportunidade de contemplar os presépios das igrejas e casas vizinhas. A vontade de montar o próprio presépio era grande, porém, como sua família era pobre, não tinha recursos para comprar o material necessário.

Vendeu algumas garrafas de óleo de rícino a uma farmácia e adquiriu a primeira imagem do menino Jesus, que deu início a essa obra centenária e de extrema relevância para a cultura popular mineira. Aos poucos, novos objetos foram incorporados ao presépio e, com o passar do tempo, adquiriram movimento, trazendo mais expressividade à narrativa das passagens bíblicas e ao imaginário religioso do artista, que mesclou suas percepções de mundo e cenas comuns da vida e do seu cotidiano.

Pipiripau

O Presépio do Pipiripau reúne 650 figuras de papel machê que se movem harmonicamente pelas 45 cenas criadas pelo senhor Raimundo, em uma talentosa maquinaria construída de forma intuitiva e criativa. A obra integra o acervo da Universidade Federal de Minas Gerais desde 1983 e foi instalada no Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG ainda em 1976, onde permanece até os dias atuais, ocupando um espaço de 20 m².

Em 1984 foi tombado por sua importância cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O presépio contou com a manutenção cuidadosa do seu criador até 1988, ano de seu falecimento.

Raimundo Machado

Raimundo Machado nasceu em 05 de novembro de 1894, em Matozinhos, Minas Gerais. A família mudou-se para Belo Horizonte quando ele tinha dois anos de idade e em 1906, com apenas 12 anos, inicia a construção do presépio, que leva o nome da região onde residia, a antiga colônia Américo Werneck, conhecida à época como Pipiripau, onde atualmente se localizam os bairros Horto, Horto Florestal, Sagrada Família, Santa Tereza e Floresta.

Faleceu em 27 de agosto de 1988, em Belo Horizonte, aos 94 anos de idade, deixando um legado inigualável para a arte e a cultura do país.

Diálogos

Fabrício Fernandino: curadoria. Arquivo pessoa

O projeto Diálogos: Artista e Curador(a) pretende disponibilizar exposições virtuais em formato de vídeos documentários mensalmente nas redes sociais do Centro Cultural UFMG.

A partir de recortes curatoriais cronológicos, os vídeos trazem uma linha evolutiva no tempo e no percurso da criação do artista, oferecendo ao espectador a oportunidade de percorrer virtualmente pelas obras, através de simulação 3D, sendo mediado pelos comentários do artista e do curador.

O projeto vai apresentar nomes expressivos do cenário artístico e oferecer ao público conteúdos com excelência, associados a uma reflexão aprofundada no contexto da arte contemporânea nacional e internacional, permitindo que avancem em seus conhecimentos e nas maneiras de fazer e pensar a arte.

Siga o Centro Cultural UFMG e fique por dentro da programação:
Facebook
Instagram
YouTube
Twitter
Spotify