Gentileza passada adiante02/mai

O movimento a Corrente do Bem surgiu na Austr√°lia, em 2007, inspirado no filme Pay it Forward (Mimi Leder, 2000), baseado no livro de mesmo t√≠tulo da autora Catherine Ryan Hyde. A ideia √© incentivar atos de gentileza nas pequenas a√ß√Ķes do dia-a-dia. O Pay it Forward Day (por aqui Dia Mundial da Boa A√ß√£o) j√° conta com a participa√ß√£o de 30 pa√≠ses, incluindo o Brasil, a partir desse ano, e em 2010 mobilizou mais de 250 mil pessoas pelo mundo. As a√ß√Ķes s√£o programadas anualmente para a √ļltima quinta-feira do m√™s de abril. Por isso, dia 28 de abril aconteceram diversas manifesta√ß√Ķes de apoio ao projeto.

Campanha da Corrente do bem, Dia Mundial da Boa Ação:

Aqui em Minas, alunos do col√©gio Santo Agostinho, de Belo Horizonte, se reuniram em atos simb√≥licos pela promo√ß√£o da gentileza. As a√ß√Ķes foram variadas, como a distribui√ß√£o de abra√ßos nos corredores do col√©gio, apresenta√ß√Ķes musicais e um grande mural, no qual os alunos escreveram o que pensam ser necess√°rio para a busca de um mundo mais fraterno e feliz.

Esses exemplos nos mostram que n√£o existe lugar e hora para a pr√°tica da gentileza. Ent√£o, lembre-se disso no seu cotidiano, como membro da comunidade universit√°ria.

FONTES:

Parceiros de “A Corrente do Bem” planejam a√ß√Ķes e pr√°ticas de gentileza para o “Dia Mundial da Boa A√ß√£o”

No dia da Boa ação, abraços e atitudes solidárias

Sorteio de camisetas da campanha29/abr

Serão sorteadas 15 camisetas da campanha Bocados de Gentileza entre os visitantes do blog. Para participar preencha o formulário de contato até o dia 4/5 (quarta-feira) e no campo mensagem responda: qual é o seu bocado de gentileza diário no relacionamento com outras pessoas? Os ganhadores serão avisados por email.

Flash Mob27/abr

Confira abaixo o flash mob organizado pela equipe da TVA para alertar sobre a necessidade de reciclar garrafas pl√°sticas e cuidar do meio ambiente.

91% dos quebequenses estão preocupados com o meio ambiente. E você?

Sacolinhas biodegradáveis, o começo de uma era?18/abr

A partir desta segunda-feira (18.04), est√° proibido o uso de sacolas pl√°sticas no com√©rcio de Belo Horizonte. Supermercados, lojas, drogarias, a√ßougues, sacol√Ķes e demais estabelecimentos do com√©rcio s√≥ podem oferecer aos consumidores sacolinhas ecol√≥gicas, feitas de material biodegrad√°vel, vendidas a R$0,19 a unidade. Mas os comerciantes devem estimular que os consumidores prefiram usar caixas de papel√£o descartadas pelo com√©rcio, ou ainda usar sacolas retorn√°veis, como as feitas de lona e brim.

No s√°bado (16.04), um novo decreto da prefeitura prorrogou o prazo para que os comerciantes se adequem completamente √†s normas. Isso porque, no √ļltimo dia 12 de abril, a PBH assinou um novo decreto estabelecendo padr√Ķes para as sacolas ecol√≥gicas. Ficou determinado que os donos de estabelecimentos comerciais s√≥ podem usar sacolas biodegrad√°veis que atendam √† norma 15.448 da Associa√ß√£o Brasileira de Normas T√©cnicas (ABNT). A Federa√ß√£o do Com√©rcio de Bens, Servi√ßos e Turismo¬† (Fecom√©rcio) alegou, entretanto, que quando a lei foi promulgada, em 2008, n√£o fazia refer√™ncia a essa norma e muitos comerciantes fizeram grandes estoques de sacolas biodegrad√°veis que n√£o apresentam esse selo.

Em reunião realizada na sexta-feira (15.04), a PBH deu prazo de 120 dias para que os lojistas cumpram a essa exigência. O prazo vale apenas para a exibição do selo da ABNT em sacolas biodegradáveis e os comerciantes não estão autorizados a manter em seus estoques as sacolinhas tradicionais de plástico derivadas de petróleo.

Para entender por que as sacolas pl√°sticas tradicionais s√£o ditas t√£o nocivas ao meio ambiente e as vantagens do material biodegrad√°vel, o programa Conex√Ķes, apresentado por Elias Santos na R√°dio UFMG Educativa, entrevistou o professor e coordenador do Programa de P√≥s-Gradua√ß√£o em Engenharia Mec√Ęnica da UFMG, Ant√īnio Ferreira √Āvila. Durante o bate-papo, o pesquisador levantou uma quest√£o pol√™mica. As sacolas de supermercados s√£o comumente utilizadas para estocar o lixo dom√©stico. E agora o que fazer?

Ouça a entrevista

Em resposta a essa e outras d√ļvidas sobre a lei, o Jornal UFMG, tamb√©m veiculado pela R√°dio UFMG Educativa, trouxe na edi√ß√£o desta segunda-feira (18.04) uma mat√©ria especial. A reportagem percorreu as ruas de Belo Horizonte para mostrar como comerciantes e consumidores est√£o se adequando √† proibi√ß√£o das sacolas de polietileno.

Ouça a reportagem

 

Pequenas atitudes fazem a diferença no controle de zoonoses14/abr

Com 3,4 milh√Ķes de metros quadrados mantidos sob preserva√ß√£o, o campus Pampulha oferece a sensa√ß√£o de conforto psicol√≥gico a quem se depara com suas extensas e bem conservadas √°reas verdes. No entanto, o ambiente aberto, inserido no contexto urbano, cria condi√ß√Ķes que exigem cuidados especiais para evitar ou minimizar impactos ambientais provocados pela ocupa√ß√£o humana.

O controle de zoonoses √© um exemplo dessa delicada rela√ß√£o com a natureza, como lembra o professor Raphael Tobias de Vasconcelos Barros, diretor de Gest√£o Ambiental da UFMG. Segundo ele, al√©m de possuir uma fauna de mam√≠feros e de aves adaptados ao conv√≠vio relativamente pr√≥ximo aos humanos, o campus pode, em determinadas circunst√Ęncias, oferecer ambiente para a prolifera√ß√£o de mosquitos e de animais pe√ßonhentos, como escorpi√Ķes e aranhas.

Em sua opini√£o, √© preciso conjugar a√ß√Ķes institucionais e atitudes individuais de cada um dos usu√°rios do campus. “Res√≠duos s√≥lidos e entulhos s√£o abrigos que favorecem a prolifera√ß√£o desses animais”, alerta Barros, que cita riscos de transmiss√£o de doen√ßas pela urina de ratos ou pela picada de mosquitos. Segundo ele, cabe √† Universidade melhorar a condi√ß√£o de infraestrutura, ao tampar ralos e fechar frestas nos pr√©dios para evitar a entrada de animais, al√©m de promover a frequente limpeza e manuten√ß√£o em bueiros, canaletas de drenagem e outros ambientes.

“J√° √† comunidade acad√™mica, em geral cabem as pequenas atitudes, que fazem a diferen√ßa e que est√£o perfeitamente dentro do esp√≠rito da campanha Bocados de Gentileza”, afirma o professor, ao lembrar, por exemplo, que embalagens e outros objetos jogados em locais inadequados podem se tornar foco para multiplica√ß√£o do Aedes egypti, mosquito transmissor da dengue. “Sobretudo quando esses objetos est√£o em trilhas e caminhos de dif√≠cil acesso para as equipes de limpeza”, ressalta.

Para o controle de escorpi√Ķes, t√™m sido consideradas algumas pr√°ticas, como comenta o professor. “Prosaicamente, uma das hip√≥teses √© a cria√ß√£o de galinhas d‚Äôangola, que s√£o predadores naturais do escorpi√£o”, diz.

Raphael Tobias Barros lembra ainda que o campus est√° inserido na Regional Pampulha, sob a responsabilidade sanit√°ria da Prefeitura de Belo Horixonte. “Equipes de t√©cnicos continuamente visitam o campus para procedimentos como a borrifa√ß√£o de produtos que impedem a eclos√£o de larvas, mas nenhuma a√ß√£o exime os usu√°rios do campus de adotar cuidados e de agir responsavelmente”, afirma.

Com rela√ß√£o ao descarte de res√≠duos, Raphael Barros informa que antigamente o assunto era tratado por iniciativa institucional e pessoal embasada em uma considera√ß√£o ecol√≥gica. “Mas desde agosto de 2010, temos a Lei 12.305/10 ou Lei da Pol√≠tica Nacional de Res√≠duos S√≥lidos, que precisa ser cumprida”, adverte.