Mostra Universidade Cidade: gestos, afetos e manifestos de urbanidade – Espaço do Conhecimento UFMG
 
descubra | EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS | Mostra Universidade Cidade: gestos, afetos e manifestos de urbanidade

Mostra Universidade Cidade: gestos, afetos e manifestos de urbanidade

 

No dia 12 de dezembro de 2020, data do aniversário de 123 anos de Belo Horizonte, foi aberta a Mostra Universidade Cidade: gestos, afetos e manifestos de urbanidade. A Mostra foi realizada pelo Espaço do Conhecimento UFMG em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, contando com o patrocínio do Instituto Unimed-BH, viabilizado por mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores.

Segundo os dicionários de língua portuguesa, o termo urbanidade está associado ao sentido de solidariedade e afetividade entre os cidadãos, e também remete aos costumes, comportamentos e práticas cotidianas que compõem a vida coletiva e compartilhada nas cidades. Urbanidade é o urbano compartilhado, negociado e experimentado cotidianamente desde suas dimensões mais prosaicas – o caminhar pela calçada, o debruçar na janela, o cumprimento dos vizinhos – até aquelas mais complexas – a arte dos grafites e dos painéis em empenas, a poesia nos muros, a musica em suas mais variadas expressões, o carnaval e a festa.

A Mostra foi pensada como uma proposta de diálogo, conexão, interlocução e compartilhamento entre cidadãs e cidadãos de Belo Horizonte, seja a partir da produção material e imaterial acumulada nos diversos territórios (Centros Culturais), na academia (UFMG), ou decorrente do encontro entre esses saberes, de maneira a potencializar a dimensão urbana recentemente atravessada e desmaterializada pelo isolamento social. É preciso resgatar os gestos e afetos cotidianos expressos nas narrativas dos cidadãos urbanos. É urgente retomar nossa urbanidade.

A Mostra foi um projeto diferente de todos já realizados pelo Espaço: ela trouxe uma extensa programação virtual, com diversas lives e vídeos e também intervenções por todas as regionais de BH, por meio de projeções, carros de som, faixas e cartazes.  O público também foi convidado a participar de sua janela, varanda, praça, calçada, computador, celular, de onde pudesse se conectar.

Veja o vídeo de apresentação, gravado pela diretora do Espaço do Conhecimento, Profa. Diomira Faria, e pelas curadoras, Profas. Junia Ferrari e Marcela Brandão:

Os detalhes da programação e os conteúdos criados pelos mais de 30 projetos participantes da mostra estão disponíveis no site https://www.ufmg.br/espacodoconhecimento/mostrauniversidadecidade.

_____________________________________________________________

 Programação de Dezembro (12 a 20/12/20)

Abertura

Solenidade de abertura no dia 12 de dezembro, às 18h, no canal de YouTube do Espaço do Conhecimento UFMG (youtube.com/espacoufmg), com a presença do Prof. Fernando Mencarelli, Diretor de Ação Cultural da UFMG, da Sra. Fabíola Moulin Mendonça, Secretária Municipal de Cultura de Belo Horizonte e presidenta interina da Fundação Municipal de Cultural, da Sra. Bárbara Bof, Diretora de Promoção dos Direitos Culturais da Fundação Municipal de Cultura e da Sra. Maria das Mercês Quintão Fróes, diretora institucional do Instituto Unimed-BH. Durante a solenidade, a  diretora do Espaço, Profa. Diomira Faria, convidou as curadoras da Mostra, professoras Júnia Ferrari e Marcela Brandão, para falarem sobre o processo curatorial.

Projeções

Entre os dias 12 e 20 de dezembro, às 19h30 e às 20h30, projeções de conteúdos de projetos de pesquisa e extensão da UFMG, na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento (Praça da Liberdade, 700, Funcionários). Projetos participantes:

Agroecologia – Grupo Auê (Grupo de Estudos em Agricultura Urbana) – vídeos produzidos pelo grupo de pesquisa sediado no Instituto de Geociências (IGC) da UFMG, sob a coordenação da Professora Heloisa Costa e de Daniela Almeida.

Arcos, pontes e janelas: dança e música em 6 movimentos – video-performances produzidas numa parceria entre as professoras Elise Pittenger (Escola de Música da UFMG) e Raquel Pires Cavalcanti (Escola de Belas Artes da UFMG), com a participação de alunos e artistas convidados.

Ars Nova Coral da UFMG – vídeos produzidos pelo coral ARS-Nova da UFMG, sob a direção musical do Professor Lincoln Andrade, da Escola de Música da UFMG.

Compasso – parcerias educacionais para inovação em comunidades: vídeos produzidos em parceria com moradores do bairro Confisco/BH, sob a coordenação das professoras da Escola de Arquitetura da UFMG Rejane Magiag Loura, Natália Aguiar Mol e Eleonora Sad de Assis e participação da professora Kátia Pêgo, da Escola de Design da UFMG.

Faces – projeções de 15 a 18 de dezembro, às 19h30, nas janelas do Centro Cultural UFMG (Av. Santos Dumont, 174 – Centro), de imagens selecionadas do arquivo dos eventos do Centro Cultural e do Festival de Inverno da UFMG, sob a coordenação do Professor Fabrício Fernandino, atual diretor do Centro Cultural e professor da Escola de Belas Artes da UFMG. As imagens são closes ou detalhes bem ampliados e expressivos de rostos. O objetivo é criar expectativas, impactos e transmitir a essência do ser humano em suas diversas faces, estabelecendo uma relação dialógica entre as imagens e faces que emergem do interior do Centro Cultural, a partir de suas janelas, com a comunidade e a população que transita pelas ruas e avenidas do entorno com imagens selecionadas do arquivo de eventos do Centro Cultural.

Flores do Morro – fotografias de mulheres do Aglomerado Morro das Pedras/BH, participantes das oficinas de dança, costura e pintura do projeto de extensão de mesmo nome, sob a coordenação da professora Anamaria Fernandes do curso de Dança da Escola de Belas Artes da UFMG e do professor Glaucinei Rodrigues, do curso de Design da Escola de Arquitetura da UFMG

Frases Roseanas – frases de João Guimarães Rosas

Janelas afora, portas adentro – vídeo produzido pelo grupo PRAXIS-EA/UFMG a partir de narrativas e imagens feitas por moradores de territórios autoconstruídos, como parte do projeto de extensão Diálogos, da Escola de Arquitetura da UFMG, sob coordenação da professora Denise Morado. Os lugares que moramos são plurais e contam a nossa história na cidade e a história da cidade. Para conhecer a cidade pelo olhar de quem habita, o grupo convidou moradores de territórios populares a enviarem vídeos curtos sobre o que eles desejariam mostrar para a cidade, o que eles vêem pela janela e o que encontram porta adentro.

Jardins Possíveis – vídeo do mapeamento de jardins construídos por moradores de bairros de Belo Horizonte que pertencem à bacia do Ribeirão Arrudas, sob a coordenação da professora Luciana Bragança, da Escola de Arquitetura da UFMG

Lição: Se essa Rua fosse um Rio – vídeo que registra uma série de performances em ruas sob as quais correm trechos de córregos afluentes do Ribeirão Arrudas, em diferentes regiões da cidade, sob a coordenação da professora Isabela Prado, da Escola de Belas Artes da UFMG

Mirantes – série de fotografias e relatos produzidos por alunos e professores das redes públicas de ensino básico de BH, com um olhar pessoal sobre a cidade, emoldurado pela janela de suas casas. O projeto é coordenado por Sibelle Diniz, professora da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG e coordenadora do Núcleo de Ações Educativas do Espaço do Conhecimento da UFMG.

Música para a cidade – vídeos com obras musicais apresentadas no Conservatório UFMG, por artistas da cidade e convidados de todo o mundo, na variedade de gêneros, ritmos, formações instrumentais e épocas de produção, revelando a diversidade da música que permeia esse espaço cultural localizado no centro de Belo Horizonte.

Parque das Ocupações – Vídeo do processo de construção do projeto urbanístico paisagístico do Vale das Ocupações, no Barreiro/BH, realizado em parceria com moradores, sob a coordenação das professoras Marcela Brandão e Luciana Bragança, da Escola de Arquitetura da UFMG. Parte deles apresenta as principais questões e conceitos com as quais o programa lida, afim de oferecer informação sobre o tema aos cidadãos. Outra parte, mostra de maneira mais direta as repercussões das questões climáticas no cotidiano da população e apresenta algumas dicas de pequenas ações no âmbito de suas residências, para que possam ser capazes promover melhorias na rotina dessas pessoas.

Quarentena – na Tela e Quarentena – Janelas – vídeos produzidos a partir de imagens de integrantes da Cia. Ananda de dança contemporânea e de moradores de Belo Horizonte, a partir de suas vivências no período da Quarentena. O projeto é coordenado pela professora Anamaria Fernandes, do curso de Dança da Escola de Belas Artes da UFMG.

Retina Solidária – O Retina Solidária é um projeto de fotografia documental vinculado ao programa de extensão Colmeia, da Face/UFMG, coordenado pela professora Sibelle Diniz. O projeto tem o intuito de visibilizar as histórias de produtores e produtoras de empreendimentos da Economia Popular Solidária e da Agroecologia de Belo Horizonte. A estudante Mariana Rodovalho, em visitas aos locais de produção dos grupos, documentou, por meio da fotografia e vídeos, as histórias narradas, as relações de solidariedade e as formas de produzir.

Sobre o RioEntre Rios e Ruas – vídeo sobre uma intervenção urbana permanente, realizada a partir da instalação de placas de sinalização que identificam os córregos afluentes do Ribeirão Arrudas sob as ruas e avenidas de Belo Horizonte, sob a coordenação da professora Isabela Prado, da Escola de Belas Artes da UFMG.

Territórios Populares – registros do processo de pesquisa realizada em área central de Belo Horizonte: Favela Pedreira Prado Lopes, Região da Guaicurus, POPP de Rua/ ASMARE, Ocupação Carlina Maria de Jesus, sob a coordenação das professoras Marcela Brandão e Natacha Rena da Escola de Arquitetura da UFMG, e Patrícia Azevedo da Escola de Belas Artes da UFMG

Live especial do Clube do Livro Guimarães Rosa

No dia 16 de dezembro, às 17h, no canal de YouTube do Espaço do Conhecimento (youtube.com/espacoufmg), com a leitura do conto “O cavalo que bebia cerveja”, da qual participarão os gestores dos Centros Culturais da Prefeitura de Belo Horizonte.

_____________________________________________________________

Programação de janeiro (04 a 31/01)

Projeções

Todos os dias, às 19h30 e às 20h30 – Projeções na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG (Praça da Liberdade, 700, Funcionários) 

Sábados e domingos, às 19h30 – Projeções em Centros Culturais municipais e outros espaços públicos nas regionais Norte, Nordeste, Barreiro, Oeste, Pampulha, Venda Nova, Noroeste e Leste:

09/01 – Centro Cultural Pampulha
10/01 – Centro Cultural Salgado Filho

Devido à intensificação das medidas de prevenção à Covid-19, foram suspensas as projeções da Mostra Universidade Cidade nos Centros Culturais municipais, a partir do dia 16/01.  As demais atividades programadas para os meses de janeiro e fevereiro permaneceram inalteradas.

Mostrinha

3as feiras, às 17h – oficinas para o público infanto-juvenil (a partir de 8 anos), realizadas no Zoom. Foram 18 vagas em cada oficina e crianças até 12 anos deviam estar acompanhadas pelos pais ou responsáveis. Foram selecionados os dois primeiros inscritos residentes em cada uma das 9 regionais de BH). Inscrições já abertas pela página https://www.ufmg.br/espacodoconhecimento/mostrauniversidadecidade/mostrinha.

05/01 – Mirantes – oficina de postais 
12/01 – No meio do caminho tinha uma história…
19/01 – Do meu jardim para o mundo
26/01 – Giz e Traço

Contar Histórias

4as feiras, às 17h – Lives no YouTube com conteúdos literários apresentados pelas equipes da Rede de Bibliotecas Públicas Municipais da Prefeitura de Belo Horizonte.

06/01 – Degustação Poética (leituras de Cora Coralina) – Equipe da Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte
13/01 – Do terror ao riso na literatura brasileira – Equipe da  Biblioteca do Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira
20/01 – Leituras de Conceição Evaristo – Equipe da  Biblioteca do Centro Cultural Vila Santa Rita
27/01 – Do chapéu à fita – os muitos modos de contar uma história (leitura do conto “Fita verde no cabelo”, de Guimarães Rosa) – Equipe da  Biblioteca Centro Cultural Salgado Filho

Descobrindo o Céu

5as feiras, às 17h – Lives no YouTube  conduzidas pelo Núcleo de Astronomia do Espaço do Conhecimento UFMG

07/01 – História da Astronomia em Belo Horizonte
14/01 – O céu perdeu estrelas? É a poluição luminosa!
21/01  Astronomia e Belo Horizonte: elementos pelas ruas da cidade
28/01 – Grupos de Astronomia em Belo Horizonte

Lives dos Centros Culturais Municipais

6as feiras, às 19h30 – Apresentações artísticas dos Centros Culturais, no YouTube, com a participação de artistas dos diversos territórios da cidade, com bate papo e transmissão ao vivo.

08/01 – Gestos e afetos criativos, com Cia Badetes, Duo Afio, Victor Guerra, Rolim, Cia Mineira de Teatro e Henrique Manara
15/01 – Entre cordas, peles, teclas: manifestos musicais, com Marimbando, 80 Rock, Cia Agnes e Super Pamp
22/01 – Infância, afeto e urbanidade, com Cia Gaveta Caída, Wilma de Oliveira, Circo do Sufoco, Cia El Indivíduo e Quintal da Guegué
29/01 – Dirias à Live, com Léo Dirias

Rádio Janela

Sábados e domingos, às 10h – Carro de som com a programação do Rádio Janela (músicas, contação de histórias, memórias, informativos, brincadeiras e informações de prevenção à Covid-19):

09/01 – Centro Cultural Pampulha
10/01 – Centro Cultural Padre Eustáquio
16/01 – Centro Cultural Venda Nova
17/01 – Centro Cultural Bairro das Indústrias
23/01 – Centro Cultural São Geraldo
24/01 – Centro Cultural Liberalino Alves
30/01 – Centro Cultural Salgado Filho
31/01 – Centro Cultural Jardim Guanabara

_____________________________________________________________

Programação de fevereiro (01 a 07/02)

Projeções

Todos os dias, às 19h30 e às 20h30 – Projeções, na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG, de registros da Mostra, enviados pelo público – Praça da Liberdade, 700, Funcionários

Lives dos Centros Culturais Municipais

05/02, 6a feira, às 19h30, no YouTube – Periférico Rap – Live com os MCs dos Centros Culturais Alto Vera Cruz, Pampulha, Urucuia e Jardim Guanabara, com bate papo e exibição de vídeos gravados.

______________________________________________________________

______________________________________________________________

Programação extra: Mostra Universidade Cidade no 15º Festival de Verão da UFMG

Com o apoio da BHTrans e da CBTU-BH, o Espaço do Conhecimento UFMG  realizou projeções em estações do metrô e do MOVE, além dos vídeos exibidos na Fachada Digital.

 

De 4 a 11 de março, a mostra Universidade Cidade integrou a programação do 15º Festival de Verão, realizado pela Diretoria de Ação Cultural da UFMG, com uma programação especial de vídeos na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento e projeções em estações de Belo Horizonte, realizadas com o apoio da BHTrans e da CBTU-BH. Foram apresentados vídeos com produções de música, dança, artes plásticas, meio ambiente, literatura e outros, que foram produzidos por diversos parceiros da UFMG e pelos Centros Culturais Municipais, com o objetivo de promover o encontro entre a universidade e a cidade.

 

Projeções nas estações de Belo HorizonteHorário: 19h30 às 20h

04/03 – quinta-feira – Estação Diamante

05/03 – sexta-feira – Estação Santa Inês

08/03 – segunda-feira – Estação Pampulha

09/03 – terça-feira – Estação Vilarinho

10/03 – quarta-feira – Estação São Gabriel

11/03 – quinta-feira – Estação Lagoinha

 

Exibição de vídeos na Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG (Praça da Liberdade, 700):

Datas: 5, 6, 7, 9, 10 e 11/03 – Horário: 19h30 às 20h e 20h30 às 21h

 

 

 

____________________________________________

Espaço do Conhecimento UFMG estimula a construção de um olhar crítico acerca da produção de saberes. Sua programação diversificada inclui exposições, cursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e debates. Integrante do Circuito Liberdade, o museu é fruto da parceria entre a UFMG e o Governo de Minas Gerais. O Espaço pertence à Diretoria de Ação Cultural (DAC) da UFMG, é amparado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e conta com patrocínio do Instituto Unimed-BH*, viabilizado por mais de 5,2 mil médicos cooperados e colaboradores.

 

Sobre o Instituto Unimed-BH 

Associação sem fins lucrativos, o Instituto Unimed-BH, desde 2003, desenvolve projetos visando ampliar o acesso à cultura, estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, valorizar espaços públicos e o meio ambiente e contribuir com a formação para a cidadania. É responsável pela realização do Programa Sociocultural Unimed-BH que, ao longo de sua história, destinou cerca de R$140 milhões ao setor cultural, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura e da Lei Federal de Incentivo à Cultura, gerando milhares de postos de trabalho, impulsionados pelo patrocínio de mais de 5.200 médicos cooperados e colaboradores. Anualmente milhares de pessoas são alcançadas por meio de projetos de cinco linhas de atuação: Comunidade, Voluntariado, Meio Ambiente, Adoção de Espaços Públicos e Cultura, alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Neste ano, todas as iniciativas do Instituto celebram os 50 anos da Unimed-BH.