Programação

  • 21h ‒ Espetáculo teatral Os orixás (Giramundo)

    Data: 17 de julho

    Horário: 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Os Orixás é uma remontagem do último espetáculo dirigido pelo criador do Giramundo, Álvaro Apocalypse, em 2001. O espetáculo apresenta a gênese do mundo, da terra e do homem e a riqueza do panteão africano, seus deuses e heróis, sua mitologia e sua cosmogonia. Para a remontagem de 2019, o grupo convidou músicos e atores negros de Minas Gerais. A trilha sonora foi composta por Sérgio Pererê, com instrumentos como flautas de bambu, nbiras, ronrocos, tamas, recos e djembés. O grupo de teatro de bonecos Giramundo já montou 36 espetáculos, construindo um acervo de aproximadamente 1.500 bonecos.

    Entrada gratuita mediante retirada de senha às 20h. Será distribuída apenas 1 (uma) senha por pessoa.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

    Ficha técnica:

    Texto, bonecos e concepção original: Álvaro Apocalypse

    Direção geral: Beatriz Apocalypse

    Produção executiva: Ricardo da Mata

    Direção musical: Sérgio Pererê

    Assistente de direção: Ana Fagundes

    Direção de atores: Beatriz Apocalypse e Ulisses Tavares

    Direção de vídeo: Ulisses Tavares

    Marionetistas: Ana Fagundes, Beatriz Apocalypse, Hot Apocalypse, Ulisses Tavares, Leo Campos, Endira Drumond

    Iluminação: Ricardo da Mata

     

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 15 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Cantigas de roda"

    Data: 15 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Urucuia

    meio dos arquivos da memória e dos cantares, conhecemos as cantigas de roda e a tradição que fez parte das nossas infâncias. Sua importância se justifica pelo fato de, por meio delas, conhecermos muito de nossa própria cultura e também da cultura dos seus países de origem. São melodias simples e de expressão folclórica. É com esse olhar que o grupo Bordando Vidas, Tecendo Sonhos borda as Cantigas de roda, deixando esse precioso legado de nosso patrimônio imaterial para as gerações futuras.

    Curadoria: Beth Cândido

    Visitação: 15 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Modernidade de Roberto Burle Marx em Tiradentes"

    Data: 11 de julho

    Horário: 10h a 19h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Centro Cultural Sesiminas Yves Alves

    A exposição é composta por desenhos dos projetos paisagísticos de Burle Marx para os largos da cidade de Tiradentes, e por fotografias de antes, durante e depois da implantação das obras. A iniciativa é do Instituto Histórico e Geográfico de Tiradentes, com apoio do Centro Cultural Sesiminas Yves Alves.

    Curadoria: Luiz Cruz

    Visitação: 21 de junho a 21 de julho (terça a quinta, de 10h a 19h; sexta e sábado, de 10h a 22h; domingo, de 9h a 17h)

  • Exposição "Lugares imaginários"

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 17h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu Casa Padre Toledo

    A exposição reúne uma série de fotografias e relatos orais dos moradores de
    Tiradentes, resultado do projeto de pesquisa Lugares imaginários de memória –
    Tiradentes, coordenado pelo professor Carlos Henrique Falci, da Escola de Belas Artes
    da UFMG, durante residência docente no Campus Cultural UFMG, em Tiradentes, por
    meio da Diretoria de Ação Cultural da UFMG.

    Curadoria: Carlos Henrique Falci

    Visitação: 13 a 31 de agosto (terça a sexta, de 10h a 17h; sábado, de 10h a 16h30; domingo, de 9h a 15h)

  • Intervenção “Memórias e janelas ‒ um diálogo”

    Data: 12 de julho

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu Casa Padre Toledo

    Intervenções a céu aberto poderão ser vistas nas janelas do Quatro Cantos Espaço
    UFMG Cultural. Nos 230 anos da Inconfidência, é proposto um diálogo entre as janelas
    desses espaços integrados ao Campus Cultural UFMG em Tiradentes, e a memória da
    cidade, considerando os valores essenciais que compõem sua identidade.

    Curadoria: Maria José Boaventura, Gláucia Buratto de Melo e Márcia Gomes

  • Intervenção “Memórias e janelas ‒ um diálogo”

    Data: 12 de julho

    Cidade: Tiradentes

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

    Intervenções a céu aberto poderão ser vistas nas janelas do Quatro Cantos Espaço
    UFMG Cultural. Nos 230 anos da Inconfidência, é proposto um diálogo entre as janelas
    desses espaços integrados ao Campus Cultural UFMG em Tiradentes, e a memória da
    cidade, considerando os valores essenciais que compõem sua identidade.

    Curadoria: Maria José Boaventura, Gláucia Buratto de Melo e Márcia Gomes

     

  • Exposição "Dorothy Lenner – memórias"

    Data: 12 de julho

    Horário: 11h a 17h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

    A própria Dorothy Lenner estará presente em alguns períodos da exposição que reúne
    objetos pessoais e de seu percurso artístico como atriz e bailarina. O espaço expositivo
    compõe um relicário de memórias e afetividades, com deslizamentos sobre a história e
    o movimento incessante da vida da artista romena que adotou a cidade histórica
    mineira em 1980, após uma visita.

    Curadoria: Hideki Matsuka

    Visitação: 12 de julho a 30 de agosto (segunda a sexta, de 11h a 17h)

  • Exposição "Violas de minas: patrimônio imaterial de minas gerais"

    Data: 11 de julho

    Horário: 18h a 22h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Símbolo da tradição mineira, a viola caipira chama a atenção pelo som forte e sem
    distorção que atravessa gerações. A exposição fotográfica é fruto do acervo do
    Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, que fez um
    amplo registro audiovisual das formas de construção do instrumento e de suas
    expressões culturais. O material contempla a diversidade da viola mineira e deixa claro
    porque a fundação tem se dedicado, desde 2017, ao seu reconhecimento como
    patrimônio.

    Curadoria: Núcleo de Audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG

    Local: Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG

    Visitação: 11 a 21 de julho (18h a 22h)

  • Exposição "Conectando acervos"

    Data: 11 de julho

    Horário: 18h a 22h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Mostra em vídeo de Coleções da UFMG, incluindo objetos dos acervos de Obras Raras da Biblioteca Universitária, do Centro de Memória da Faculdade de Farmácia, do Centro de Memória da Faculdade de Enfermagem e do Centro de Memória da Educação Física, do Esporte e do Lazer.

    Curadoria: Núcleo de Audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG

    Local: Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG

    Visitação: 11 a 21 de julho (18h a 22h)

  • Exposição "A arte do marfim"

    Data: 11 de julho

    Horário: 18h a 22h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    A mostra reúne uma série de fotografias de 30 peças decorativas e sacras do acervo de museus de Minas Gerais. As peças foram catalogadas pelo projeto A produção, circulação e utilização de marfins africanos no espaço atlântico entre os séculos XV e XIX, parceria entre a UFMG e a Universidade de Lisboa, em Portugal. O projeto internacional investiga o comércio e a circulação do marfim no Império português, para descobrir quais as rotas, quem fabricou as peças e como chegaram ao Brasil.

    Curadoria: Núcleo de Audiovisual do Espaço do Conhecimento UFMG

    Local: Fachada Digital do Espaço do Conhecimento UFMG

    Visitação: 11 a 21 de julho (18h a 22h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 11 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 11 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 11 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 11 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 11 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 19 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Participe da visita mediada! Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • 16h – Sessão de planetário “Astronomia indígena”

    Data: 21 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que aborda a perspectiva dos índios tupis-guaranis sobre o céu, trazendo narrativas sobre o Sol, a Lua, os pontos cardeais, as mudanças nas estações e as constelações guaranis.

    Duração: 35min

     

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

     

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

     

  • 16h ‒ Minicurso “Imagens da memória: sonhar a terra”

    Data: 21 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O encontro é uma oportunidade de conhecer mais formas de experimentar o mundo a partir dos saberes tradicionais. Participa da discussão o mestre indígena yanomami Davi Kopenawa, que contribui para um maior entendimento sobre populações indígenas do Brasil.

    Duração: 4h

    Local: Centro Cultural UFMG

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 11h – Encerramento do 51º Festival de Inverno UFMG - Choro do Jura e Velha Guarda do Samba de BH

    Data: 21 de julho

    Horário: 11h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A partir das 11h, o Centro Cultural UFMG recebe os grupos Choro do Jura e Velha Guarda do Samba de BH, no encerramento do 51º Festival de Inverno UFMG. A entrada é gratuita mediante retirada de senha 30 minutos antes.

    Choro do Jura - Considerado um dos expoentes do choro em Belo Horizonte, o Choro do Jura irá apresentar um repertório que inclui composições próprias, músicas de outros artistas e clássicos como Pixinguinha e Jacob do Bandolim. Formado por André Milagres (violão de sete cordas), Marcelo Pereira (sax e flauta), Rafael Zavagli (cavaquinho), Rodrigo Magalhães (contrabaixo acústico) e Sandra Leão (pandeiro), o Choro do Jura apresenta arranjos intensos e dinâmicos alinhados à linguagem tradicional desse estilo.

    Velha Guarda do Samba de BH - Com repertório rico em referências culturais, o show representa o samba mineiro como verdadeiro patrimônio imaterial da humanidade. Reunindo personalidades importantes da história do samba de Belo Horizonte e região, a Velha Guarda do Samba de BH originou-se da Associação da Velha Guarda da Faculdade do Samba de Belo Horizonte, que há 20 anos trabalha em prol da defesa do samba de Minas Gerais.

    Duração: 4h30

    Local: Pátio do Centro Cultural UFMG

  • 11h – Observação do Sol

    Data: 21 de julho

    Horário: 11h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Observação do Sol no Terraço Astronômico do Espaço do Conhecimento UFMG, utilizando um telescópio especial.

    Duração: 2h

    Classificação: a partir de 4 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço a partir das 10h.

  • 9h – Yoga na Praça

    Data: 21 de julho

    Horário: 9h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    A atividade convida os visitantes a conhecerem a prática milenar do yoga na Praça da Liberdade. Quem conduz a ação é o professor Paulo Baeta, do Departamento de Artes Cênicas da Escola de Belas Artes da UFMG.

    Duração: 1h30

    Local: Alameda da Educação, 700, Praça da Liberdade

     

  • 21h30 ‒ Performance Quartas de Improviso ‒ QI.132 Iwao-Koole convidam 1mpar e Marina Cyrino

    Data: 20 de julho

    Horário: 21h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    No QI Quartas de Improviso, Matthias Koole e Henrique Iwao convidam artistas para improvisar com eles. Matthias toca guitarra e efeitos, enquanto Henrique toca seu instrumento de construção própria, a minitábua. Os convidados do QI são Marina Cyrino (flautas, receptáculos de ar, entre outros) e 1mpar (instrumentos e imagens digitais), ambos músicos-artistas que trabalham no limiar entre música e artes visuais.

    Duração: 2h

    Local: Pátio do Conservatório UFMG

     

  • 20h ‒ Show Homenagem a Clara Nunes (Dona Jandira)

    Data: 20 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Considerada uma das maiores intérpretes da música brasileira, Clara Nunes deixou um grande legado com sua música, voz e gestos. Neste show, Dona Jandira sobe ao palco, acompanhada de banda, para prestar homenagem a diversos clássicos do repertório da cantora mineira. O enfoque escolhido denota a necessidade de se valorizar o patrimônio musical nacional e as contribuições do samba para a cultura brasileira.

    Duração: 1h30

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

  • 20h – Concerto De 2 em 2: um breve passeio pela história da música coral (Ars Nova Coral da UFMG)

    Data: 20 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    O Ars Nova-Coral da UFMG fará um breve passeio pela história da música por meio do canto. O repertório abrange obras sacras a cappella, peças acompanhadas por piano e composições brasileiras de diferentes regiões, em um concerto que mostra a diversidade e a qualidade do canto coral de modo didático e em linguagem simples e acessível.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

  • 20h – Sessão de planetário “O alvorecer da era espacial”

    Data: 20 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que conta a história das viagens espaciais, mostrando a competição entre os Estados Unidos e a União Soviética pela supremacia do espaço em uma cuidadosa reconstrução histórica dos primeiros passos da humanidade no cosmos.

    Duração: 40min

    Classificação: a partir de 12 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 19h – Sessão de planetário “ABC das estrelas”

    Data: 20 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que mostra a viagem de três amigos em uma nave espacial pelo Sistema Solar. Nessa emocionante aventura, eles observam as diferenças entre os planetas, atravessam os anéis de Saturno e passam perto do Sol.

    Duração: 30min

    Classificação: a partir de 4 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 19h – Karaokê da Lua

    Data: 20 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Uma seleção de músicas que falam sobre a Lua será disponibilizada para os visitantes cantarem.

    Duração: 30min

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes

  • 19h – Observação noturna do céu: Júpiter e Saturno

    Data: 20 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Observação do céu noturno no Terraço Astronômico do Espaço do Conhecimento UFMG, que conta com dois telescópios e um teto retrátil. Nessa noite, os dois telescópios estarão apontados para os planetas Júpiter e Saturno.

    Duração: 2h

    Classificação: a partir de 4 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço a partir das 17h30.

  • 18h30 – Lançamento do selo comemorativo dos Correios: chegada do homem à Lua

    Data: 20 de julho

    Horário: 18h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Todos os anos, os Correios emitem selos comemorativos e especiais para filatelistas, colecionadores de selos e público geral. No dia 20 de junho, o Espaço do Conhecimento UFMG receberá, em parceria com os Correios, o lançamento de um selo muito especial: a homenagem da chegada do primeiro homem à Lua.

    Duração: 40min

  • 18h – Karaokê da Lua

    Data: 20 de julho

    Horário: 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Uma seleção de músicas que falam sobre a Lua será disponibilizada para os visitantes cantarem.

    Duração: 30min

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 18h – Sessão de planetário “A Lua e o zodíaco"

    Data: 20 de julho

    Horário: 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que mostra como a Lua altera a fase e a posição em relação às constelações do Zodíaco durante o mês.

    Duração: 40min

    Classificação: a partir de 12 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 17h – Espetáculo Brinquedorias (Grupo Serelepe ‒ EBA-UFMG)

    Data: 20 de julho

    Horário: 17h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    O grupo Serelepe apresenta 20 brincadeiras tradicionais que não são muito conhecidas por aqui e acolá. Elas foram escolhidas por serem curiosas, instigantes e divertidas, recolhidas no dia a dia de seus integrantes ‒ Reginaldo Santos, Gabriel Murilo e Eugênio Tadeu ‒ por meio da memória da infância, da formação profissional e do encontro com brincantes deste Brasil e de outros países da América do Sul. As brincadeiras são apresentadas em forma cênica musical, valorizando os aspectos sonoros e os movimentos como inspiradores para a performance.

    Entrada gratuita mediante retirada de senha uma hora antes.

    Duração: 50min

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

     

  • 16h ‒ Minicurso “Imagens da memória: sonhar a terra”

    Data: 20 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    O encontro é uma oportunidade de conhecer mais formas de experimentar o mundo a partir dos saberes tradicionais. Participam da discussão os mestres indígenas Kanatyo Pataxó e Dona Liça, que contribuem para um maior entendimento sobre populações indígenas do Brasil.

    Duração: 4h

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.

     

     

  • 14h ‒ Minicurso “Pouso na Lua: redescobrindo a Lua”

    Data: 20 de julho

    Horário: 14h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Para comemorar o aniversário de 50 anos do pouso do homem na Lua, serão apresentadas diversas informações e curiosidades sobre nosso satélite natural e como chegamos até lá.

    Duração: 1h

    Classificação: a partir de 6 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 16h – Sessão de planetário “Arqueoastronomia maia”

    Data: 20 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que mostra seis templos maias nos quais o espectador descobre a importância das orientações dessas construções para o movimento de alguns astros, como o Sol, a Lua e Vênus.

    Duração: 35min

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Classificação: a partir de 8 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 20h ‒ Leitura-concerto Voco invoca Dadá no tempo da avacalhação (Ricardo Aleixo e Voco)

    Data: 19 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Resultado da oficina homônima, a leitura-concerto Voco invoca Dadá no tempo da avacalhação foi concebida e regida pelo poeta-músico Ricardo Aleixo. Reúne poemas sonoros produzidos por artistas ligados ao movimento dadaísta, como Hugo Ball, Kurt Schwitters, Raoul Hausmann e outros. Voco, que quer dizer “coro de vozes comuns”, é um projeto desenvolvido por Aleixo desde 2012, quando, a convite do Centro Cultural UFMG, ministrou uma oficina que tinha como lema a frase “vozes comuns, técnicas incomuns”.

    Duração: 40min

    Local: Pátio do Conservatório UFMG

  • 20h ‒ Bandonéon Concerto (Otto Hanriot)

    Data: 19 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Otto Hanriot apresenta concerto solo para bandonéon. No repertório, composições do músico argentino, Rufo Herrea, transcrições de obras de J. S. Bach, versões da obra de Astor Piazzolla e outros autores.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

  • 18h15 ‒ Concerto comentado 3 ‒ Apreciação de música eletroacústica

    Data: 19 de julho

    Horário: 18h15

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Último de três concertos comentados e direcionados à apreciação de música eletroacústica. O objetivo é introduzir os ouvintes nesse universo ainda pouco conhecido da população, por meio da apresentação e exibição de obras clássicas e contemporâneas, com e sem material visual. Explorando o sistema multicanal instalado no Laboratório de Música Eletroacústica do Conservatório UFMG, as exibições propõem um contato mais próximo e imersivo tanto com a tecnologia quanto com a estética do gênero.

    Organizador: Fabio Janhan Sousa

    Duração: 1h

    Local: Conservatório UFMG ‒ sala 3 (25 lugares)

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.

  • 16h – Sessão de planetário “O céu como patrimônio”

    Data: 19 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário em formato de documentário que convida o espectador a repensar a relação com o firmamento. Inspiração para a criação de narrativas, para o conhecimento científico e as diferentes formas de saber, o céu pode ser visto e explorado muito além do que os nossos olhos conseguem enxergar.

    Duração: 35min

    Classificação: a partir de 12 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 14h ‒ Roda de conversa “História da astronomia em BH”

    Data: 19 de julho

    Horário: 14h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Para mostrar como o céu inspirou moradores e visitantes de Belo Horizonte, o Núcleo de Astronomia do Espaço do Conhecimento UFMG desenvolveu uma roda de conversa, na qual irá mostrar as principais curiosidades que envolvem os desdobramentos da história da astronomia na cidade.

    Duração: 1h30

    Classificação: a partir de 10 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 13h - Gráfica aberta na Tipografia: Oficina Museu ‒ Coletivo 62 pontos

    Data: 19 de julho

    Horário: 13h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O coletivo de pesquisa e produção em artes gráficas, 62 Pontos, receberá o público interessado em conhecer os processos de produção de materiais gráficos no espaço Tipografia: Oficina Museu do Centro Cultural UFMG. Serão mostradas as ferramentas do tipógrafo, as máquinas gráficas, as gavetas de tipos e a lógica de produção. Algumas máquinas estarão preparadas para demonstração.

    Horário: 13h a 16h

    Local: Centro Cultural UFMG ‒ tipografia: oficina museu

    Classificação: 18 anos

  • 20h ‒ Concerto Quinteto Villa-Lobos

    Data: 18 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Fundado em 1962, o Quinteto esmera-se na divulgação da música de câmara brasileira, ao mesmo tempo em que amplia seu repertório por vários gêneros, conferindo competência e popularidade às suas apresentações nos mais variados espaços. Ao longo de sua história, gravou inúmeros CDs obtendo popularidade e reconhecimento de público, além de premiações e indicação ao Grammy. O grupo já se apresentou em países como Alemanha, França, Jerusalém, Portugal, México, Eslovênia, entre outros.

    Entrada gratuita mediante retirada de senha uma hora antes.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

  • 20h ‒ Concerto Teatro musical contemporâneo (Damián Rodríguez Kees)

    Data: 18 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O Teatro musical do pianista argentino, Damián Kees, é uma experiência dos sentidos em que a música se mistura com os gestos em uma linguagem unificada, pontuada por um humor sutil. Reconhecido pelo seu trabalho como compositor, instrumentista e performer, o artista utiliza uma linguagem pessoal, com a qual tem apresentado seus trabalhos e composições em concertos e festivais de vários países da Europa e América.

    Duração: 40min

  • 18h15 ‒ Concerto comentado 2 ‒ Apreciação de música eletroacústica

    Data: 18 de julho

    Horário: 18h15

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Segundo de três concertos comentados e direcionados à apreciação de música eletroacústica. O objetivo é introduzir os ouvintes nesse universo ainda pouco conhecido da população, por meio da apresentação e exibição de obras clássicas e contemporâneas, com e sem material visual. Explorando o sistema multicanal instalado no Laboratório de Música Eletroacústica do Conservatório UFMG, as exibições propõem um contato mais próximo e imersivo tanto com a tecnologia quanto com a estética do gênero.

    Organizador: Fabio Janhan Sousa

    Duração: 1h

    Local: Conservatório UFMG ‒ sala 3 (25 lugares)

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 16h – Sessão de planetário “Astronomia indígena”

    Data: 18 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que aborda a perspectiva dos índios tupis-guaranis sobre o céu, trazendo narrativas sobre o Sol, a Lua, os pontos cardeais, as mudanças nas estações e as constelações guaranis.

    Duração: 35min

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 15h ‒ Café com Lorota

    Data: 18 de julho

    Horário: 15h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural São Bernardo

    O Café com Lorota é um café comunitário no qual temas concernentes à memória dos territórios do entorno do Centro Cultural São Bernardo são debatidos e compartilhados entre os presentes, em meio a iniciativas artísticas que deixam o ambiente ainda mais rico e atrativo. Atividade de memória, identidade e patrimônio cultural, o Café com Lorota é uma atração mensal em que os próprios moradores protagonizam as narrativas que resgatam a história e os “causos” locais.

    Duração: 3h

     

  • 14h30 ‒ Visita mediada à exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 18 de julho

    Horário: 14h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. Conheça mais sobre os trabalhos de cada um dos 46 artistas reunidos na mostra!

    Duração: 1h

    Vagas: 15

    Local: Saguão da Reitoria UFMG ‒ Campus Pampulha

    Classificação: a partir de 18 anos.

    Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

  • 14h – Mesa-redonda “Experiência de ocupação de espaços públicos pela cultura”

    Data: 18 de julho

    Horário: 14h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Debate sobre a ocupação de espaços públicos pela cultura, com Michelle Arroyo (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais), Fabíola Moulin (Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte) e Fernando Mencarelli (Diretoria de Ação Cultural da UFMG).

    Duração: 3h

    Local: Cafeteria do Espaço do Conhecimento UFMG

  • 19h30 ‒ Espetáculo teatral Os orixás (Giramundo)

    Data: 17 de julho

    Horário: 19h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Os Orixás é uma remontagem do último espetáculo dirigido pelo criador do Giramundo, Álvaro Apocalypse, em 2001. O espetáculo apresenta a gênese do mundo, da terra e do homem e a riqueza do panteão africano, seus deuses e heróis, sua mitologia e sua cosmogonia. Para a remontagem de 2019, o grupo convidou músicos e atores negros de Minas Gerais. A trilha sonora foi composta por Sérgio Pererê, com instrumentos como flautas de bambu, nbiras, ronrocos, tamas, recos e djembés. O grupo de teatro de bonecos Giramundo já montou 36 espetáculos, construindo um acervo de aproximadamente 1.500 bonecos.

    Entrada gratuita mediante retirada de senha às 19h. Será distribuída apenas 1 (uma) senha por pessoa.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

    Ficha técnica:

    Texto, bonecos e concepção original: Álvaro Apocalypse

    Direção geral: Beatriz Apocalypse

    Produção executiva: Ricardo da Mata

    Direção musical: Sérgio Pererê

    Assistente de direção: Ana Fagundes

    Direção de atores: Beatriz Apocalypse e Ulisses Tavares

    Direção de vídeo: Ulisses Tavares

    Marionetistas: Ana Fagundes, Beatriz Apocalypse, Hot Apocalypse, Ulisses Tavares, Leo Campos, Endira Drumond

    Iluminação: Ricardo da Mata

     

  • 20h ‒ Performance Árias e trechos instrumentais da Ópera Tiradentes, de Manoel Joaquim de Macedo (1845–1925)

    Data: 17 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    A Ópera Tiradentes foi composta por Manoel Joaquim de Macedo (1845–1925) com o libreto de Augusto de Lima (1859–1934). Esse drama musical narra a história da Inconfidência Mineira e é composto por grande orquestra, coros e 21 personagens solistas. A performance feita por pianistas e cantores, alunos e professores da Escola de Música da UFMG, será precedida de uma minipalestra com Patrícia Valadão, na qual, além de dar detalhes sobre a obra, irá comentar alguns dos quadros exibidos no auditório do Conservatório UFMG, de autoria de Antônio e Dakir Parreiras, datados do início do século passado e que retratam cenas da Ópera Tiradentes.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

  • 18h15 ‒ Concerto comentado 1 ‒ Apreciação de música eletroacústica

    Data: 17 de julho

    Horário: 18h15

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Primeiro de três concertos comentados e direcionados à apreciação de música eletroacústica. O objetivo é introduzir os ouvintes nesse universo ainda pouco conhecido da população, por meio da apresentação e exibição de obras clássicas e contemporâneas, com e sem material visual. Explorando o sistema multicanal instalado no Laboratório de Música Eletroacústica do Conservatório UFMG, as exibições propõem um contato mais próximo e imersivo tanto com a tecnologia quanto com a estética do gênero.

    Organizador: Fabio Janhan Sousa

    Duração: 1h

    Local: Conservatório UFMG ‒ sala 3 (25 lugares)

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 16h – Sessão de planetário “Arqueoastronomia maia”

    Data: 17 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que mostra seis templos maias nos quais o espectador descobre a importância das orientações dessas construções para o movimento de alguns astros, como o Sol, a Lua e Vênus.

    Duração: 35min

    Classificação: a partir de 8 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 16h ‒ Apresentação do Centro de Memória do Conservatório UFMG e mesa “Memória musical da cidade”

    Data: 17 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    A mesa reúne profissionais com diferentes visões e experiências dentro do cenário musical de Belo Horizonte. Eles vêm compartilhar seus conhecimentos e histórias para, juntos, traçarem um pouco do que é a memória musical da cidade. O Conservatório UFMG, com seus 93 anos, é certamente parte dessa memória.

    Convidados: Berenice Menegale, Lincoln Andrade, Mauro Rodrigues e Elias Santos

    Mediador: Fernando Rocha

    Duração: 2h

    Local: Miniauditório do Conservatório UFMG

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 15h ‒ Minicurso “Quem sou eu? O patrimônio é você”

    Data: 17 de julho

    Horário: 15h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    A atividade tem a proposta de refletir a relação das pessoas com os patrimônios que estão presentes em Belo Horizonte através do jogo Quem sou eu?. Serão apresentados aos participantes elementos da cidade que foram patrimonializados, como o Edifício Niemeyer, o Mercado Central e a Biblioteca Pública. Serão discutidas a importância do patrimônio e a sua relação com a nossa vivência na cidade e, consequentemente, com a nossa própria identidade. Após a conversa, a brincadeira permitirá aos participantes assumir o papel desses elementos, trazendo uma aproximação com sua realidade e, a partir disso, aprender sobre como os patrimônios contam e ocultam histórias.

    Duração: 1h30

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 14h30 ‒ Visita mediada à exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 17 de julho

    Horário: 14h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. Conheça mais sobre os trabalhos de cada um dos 46 artistas reunidos na mostra!

    Duração: 1h

    Vagas: 15

    Local: Saguão da Reitoria UFMG ‒ Campus Pampulha

    Classificação: a partir de 18 anos.

    Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

  • 14h30 ‒ Palestra “Após o incêndio, como fazer uma curadoria do espaço museológico?”

    Data: 17 de julho

    Horário: 14h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    A arquiteta, curadora e investigadora, Inês Moreira, reflete sobre como se tem lidado com os acidentes em museus, a partir da experiência da exposição Rescaldo e ressonância!. Em 2009, a exposição criou um percurso instalativo pelos edifícios da Reitoria da Universidade do Porto, onde estavam instalados diversos museus universitários, laboratórios, bibliotecas e serviços que pegaram fogo em 2008.

    Duração: 1h

    Local: Miniauditório do Conservatório UFMG

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 13h - Gráfica aberta na Tipografia: Oficina Museu ‒ Coletivo 62 Pontos

    Data: 17 de julho

    Horário: 13h a 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O coletivo de pesquisa e produção em artes gráficas, 62 Pontos, receberá o público interessado em conhecer os processos de produção de materiais gráficos no espaço Tipografia: Oficina Museu do Centro Cultural UFMG. Serão mostradas as ferramentas do tipógrafo, as máquinas gráficas, as gavetas de tipos e a lógica de produção. Algumas máquinas estarão preparadas para demonstração.

    Horário: 13h a 16h

    Local: Centro Cultural UFMG ‒ tipografia: oficina museu

    Classificação: 18 anos

  • 19h ‒ Mostra de vídeos TRANS-X-POSIÇÃO II (Eder Santos)

    Data: 16 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Eder Santos conduz uma sessão comentada de seu longa metragem Deserto azul. Após a exibição, será realizada uma discussão sobre o processo de construção do roteiro do filme, que teve como base / plataforma o trabalho (performances / textos) de 16 artistas plásticos, realizado em um espaço expositivo que se tornou cenário aberto para as filmagens do longa.

    Duração: 2h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

    Classificação: 12 anos

  • I Jornada de estudos sobre patrimônio cultural imaterial

    Data: 16 de julho

    Horário: 8h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    De 8h30 a 19h, o Conservatório UFMG vai abrigar a 1ª Jornada de Estudos sobre o Patrimônio Cultural Imaterial. Pesquisadores, gestores e representantes de comunidades cujos saberes e práticas foram patrimonializados vão integrar duas rodas de conversa sobre o patrimônio imaterial.

    Público-alvo: interessados na temática

    Entrada franca, limitada à capacidade do espaço.

    Saiba mais em www.ufmg.br/festivaldeinverno/jornada-de-estudos

  • 16h – Sessão de planetário “O céu como patrimônio”

    Data: 16 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário em formato de documentário que convida o espectador a repensar a relação com o firmamento. Inspiração para a criação de narrativas, para o conhecimento científico e as diferentes formas de saber, o céu pode ser visto e explorado muito além do que os nossos olhos conseguem enxergar.

    Duração: 35min

    Classificação: a partir de 12 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 14h30 ‒ Visita mediada à exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 16 de julho

    Horário: 14h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. Conheça mais sobre os trabalhos de cada um dos 46 artistas reunidos na mostra!

    Duração: 1h

    Vagas: 15

    Local: Saguão da Reitoria da UFMG ‒ Campus Pampulha

    Classificação: a partir de 18 anos

    Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

  • 13h30 ‒ Roda de conversa “Territórios populares do centro expandido de Belo Horizonte: contranarrativas em cena”

    Data: 16 de julho

    Horário: 13h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    A equipe da pesquisa Territórios Populares / Indisciplinar irá apresentar o processo de investigação da região central da cidade, por meio de quatro vídeos compostos por narrativas tangentes e divergentes de quatro mulheres que moram e / ou trabalham no centro expandido de Belo Horizonte. Na sequência, acontecerá uma roda de conversa com a presença de mulheres e representantes do ambiente acadêmico e do poder público que investigam e atuam na região.

    Duração: 3h30

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

  • 20h – Performance Vivência rítmica (Mamour Ba)

    Data: 15 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    O percussionista, compositor, arranjador e multi-instrumentista senegalês, Mamour Ba, mostra um trabalho totalmente autoral, com composições marcadas pela influência dos ritos e ritmos tradicionais do Senegal, com pitadas de jazz e improvisação.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

  • 19h ‒ Mostra de vídeos TRANS-X-POSIÇÃO II (Eder Santos)

    Data: 15 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Um dos pioneiros da arte multimídia no Brasil, Eder Santos exibe e comenta suas principais obras de vídeo-arte. O artista possui obras que integram os acervos permanentes do MoMA, em Nova York, e do Centre Georges Pompidou, em Paris, dois dos maiores museus de arte contemporânea do mundo. Possui também uma premiada carreira como diretor de cinema, tendo realizado 15 curtas-metragens, além da série de TV Contos da meia-noite (2004, TV Cultura, 90 episódios) e vários longas-metragens. O evento continua na terça, 16, com a exibição do longa Deserto azul.

    Duração: 2h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

    Classificação: 12 anos

  • 17h ‒ Mesa-redonda “Coleção Brasiliana UFMG: diálogos sobre arte, memória e patrimônio”

    Data: 15 de julho

    Horário: 18h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O mestre em História da Arte e curador Marco Elizio de Paiva, reconhecido pesquisador da Coleção Brasiliana da UFMG, falará sobre a formação da coleção doada na década de 1970 por Assis Chateaubriand. Fazem parte da coleção, dez paisagens brasileiras do século XIX de autoria de Friederich Hagedorn, que têm sido objeto de estudo, documentação, conservação e restauração. Elas serão exibidas ao público com a finalidade de discutir os processos de colecionismo e salvaguarda de coleções universitárias. Às 19h, acontece a abertura da exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio".

    Convidado: Marco Elizio de Paiva

    Vagas: 20

    Local: Centro Cultural UFMG

    • Este é um evento gratuito com certificação, mediante inscrição pelo link: https://aplicativos.ufmg.br/conhecimento/atividades/usuarios/acesso
    • Além de se inscrever, o participante precisa assinar a lista de presença que será disponibilizada durante a atividade para ter direito ao certificado, que será emitido online. As vagas são limitadas à capacidade do espaço, portanto é necessário que o inscrito compareça até dez minutos antes do início da atividade para garantir a sua vaga.
  • 19h – Solenidade de abertura oficial do 51º Festival de Inverno UFMG e Concerto do Trio Corrente

    Data: 14 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Neste show, o grupo vencedor do Grammy apresenta músicas de seus cinco álbuns lançados e adianta as músicas do novo, Tem que ser azul, lançado pela gravadora italiana Abeat Records. Com duas décadas de existência, o Trio Corrente é considerado uma das formações instrumentais mais destacadas do país, reconhecido pelo virtuosismo de seus integrantes, bem como pelo entrosamento e empatia musical que demonstram.

    Duração: 1h15

    Local: Auditório do Conservatório UFMG

    Entrada gratuita mediante retirada de senha uma hora antes.

     

  • 16h – Sessão de planetário “O céu como patrimônio”

    Data: 14 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário em formato de documentário que convida o espectador a repensar a relação com o firmamento. Inspiração para a criação de narrativas, para o conhecimento científico e as diferentes formas de saber, o céu pode ser visto e explorado muito além do que os nossos olhos conseguem enxergar.

    Duração: 35min

    Classificação: a partir de 12 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 11h – Observação do Sol

    Data: 14 de julho

    Horário: 11h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Observação do Sol no Terraço Astronômico do Espaço do Conhecimento UFMG, utilizando um telescópio especial.

    Duração: 2h

    Classificação: a partir de 4 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço a partir das 10h.

  • 20h ‒ Espetáculo teatral Lama (Grupo Teatro Andante)

    Data: 13 de julho

    Horário: 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Espetáculo-documentário que aborda a tragédia de Mariana. Apresenta diversas vozes para compor a história do rompimento da Barragem de Fundão. Diferentes linguagens cênicas e recursos audiovisuais ‒ câmeras, projetores, computadores, celulares e tablets – são manuseados pelos próprios atores, em um diálogo de fluxo contínuo, formando uma obra dinâmica e poética que faz o tema chegar de maneira contundente aos espectadores.

    Entrada gratuita mediante retirada de senha uma hora antes.

    Duração: 1h

    Local: Auditório do Centro Cultural UFMG

    Classificação: 12 anos

    Ficha técnica:

    Direção: Marcelo Bones

    Atores-criadores: Angela Mourão, Bruna Sobreira e Thiago Amador

    Dramaturgia e texto: Guiomar de Grammont e Grupo Teatro Andante

    Diálogos Criativos:

    View points e composição cênica: Cláudio Dias

    A câmera em cena: Ricardo Alves Junior

    Movimento e composição cênica: Tarcísio Ramos Homem

    Sonoridades como construção cênica: Sérgio Pererê

    Assessoria cenográfica e de figurinos: Wesley Simões

    Iluminação: Marina Arthuzzi

    Assessoria técnica audiovisual: Fabiano Lanna

    Projeto Gráfico: Denilson Gomes | Solo Comunicação

    Produção e Realização: Grupo Teatro Andante

  • 19h – Observação noturna do céu

    Data: 13 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Observação do céu noturno no Terraço Astronômico do Espaço do Conhecimento UFMG, que conta com dois telescópios e um teto retrátil. Nessa noite, os dois telescópios estarão apontados para a Lua.

    Duração: 2h

    Classificação: a partir de 4 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço a partir das 17h30.

  • 17h – Multiverso UFMG apresenta: Coral Vozes de Campanhã

    Data: 13 de julho

    Horário: 17h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Nascido a partir do desejo de divulgar a cultura do Congado Mineiro e da sua própria comunidade, o Coral Vozes de Campanhã é composto por mulheres integrantes da Guarda de Congo da Irmandade de N. Sra. do Rosário de Justinópolis. Com cerca de 16 integrantes, trabalha com camadas vocais muito peculiares e um repertório que traz a ancestralidade afro-mineira numa proposta que extrapola o cantar para envolver todo o corpo em movimento.

    Duração: 1h

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 16h ‒ Conversa com artistas residentes do projeto Atelier aberto – Eduardo Hargreaves, Grupo Bruxas de Blergh e ESTOCOMA

    Data: 12 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Uma roda de conversas envolvendo trocas de experiências e apresentações artísticas dos trabalhos desenvolvidos no Projeto Atelier-Residência Artística em artes visuais do Centro Cultural UFMG em 2019. O desenvolvimento desses projetos inclui o Projeto Arcadia (Eduardo Hargreaves) o Projeto Subversivas – feitiçaria e modos de fazer (Grupo Bruxas de Blergh) e o Projeto ESTOCOMA (Grupo ESTOCOMA – Grupo de Estudos das Imagens-Passagens).

    Duração: 3h

  • 16h – Sessão de planetário “Arqueoastronomia maia”

    Data: 13 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que mostra seis templos maias nos quais o espectador descobre a importância das orientações dessas construções para o movimento de alguns astros, como o Sol, a Lua e Vênus.

    Duração: 35min

    Classificação: a partir de 8 anos

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade.

  • 15h ‒ Minicurso “Quem sou eu? O patrimônio é você”

    Data: 13 de julho

    Horário: 15h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    A atividade tem a proposta de refletir a relação das pessoas com os patrimônios que estão presentes em Belo Horizonte através do jogo Quem sou eu?. Serão apresentados aos participantes elementos da cidade que foram patrimonializados, como o Edifício Niemeyer, o Mercado Central e a Biblioteca Pública. Serão discutidas a importância do patrimônio e a sua relação com a nossa vivência na cidade e, consequentemente, com a nossa própria identidade. Após a conversa, a brincadeira permitirá aos participantes assumir o papel desses elementos, trazendo uma aproximação com sua realidade e, a partir disso, aprender sobre como os patrimônios contam e ocultam histórias.

    Duração: 1h30

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 15h ‒ Vivências e roda de conversa sobre jongo, maculelê e outras danças afrodescendentes

    Data: 13 de julho

    Horário: 15h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Salgado Filho

    Os participantes conhecerão a história dessas danças a partir de uma vivência prática na qual serão convidados a dançar e conversar sobre as origens dessas artes.

    Duração: 2h

  • 14h ‒ Roda de conversa “História da astronomia em BH”

    Data: 13 de julho

    Horário: 14h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Para mostrar como o céu inspirou moradores e visitantes de Belo Horizonte, o Núcleo de Astronomia do Espaço do Conhecimento UFMG desenvolveu uma roda de conversa, na qual irá mostrar as principais curiosidades que envolvem os desdobramentos da história da astronomia na cidade.

    Duração: 1h30

    Classificação: a partir de 10 anos

    Entrada gratuita mediante retirada de senha individual na recepção do Espaço uma hora antes.

  • 11h ‒ Concerto Free Jazz Quarteto

    Data: 13 de julho

    Horário: 11h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Idealizado por Vinícius Mendes, o projeto NAU busca o lugar-espaço entre o free jazz canonizado e o free jazz contemporâneo, além de conectá-los à MPB. As composições são por vezes minimalistas, atonais e modais, dando liberdade em diversos aspectos aos improvisadores. As mais recentes composições têm como inspiração escritores como Gertrude Stein, Raymond Carver, William Burroughs, Ferreira Gullar, Dalton Trevisan entre outros, e a eles são dedicadas.

    Duração: 1h

  • 10h15 ‒ Palestra “A Praça da Estação como patrimônio cultural de Belo Horizonte”

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h15

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    O arquiteto Flávio Carsalade apresentará aspectos arquitetônicos, históricos e culturais que conferem à Praça da Estação e aos seus principais edifícios a qualidade de patrimônio cultural de Belo Horizonte. Professor da Escola de Arquitetura da UFMG desde 1982, Carsalade foi presidente do Departamento de Minas Gerais do Instituto de Arquitetos do Brasil entre 1996 e 1999, presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais de 1999 a 2002, secretário municipal de Administração da Regional Pampulha entre 2003 e 2007 e conselheiro em várias instituições. Já realizou mais de 300 projetos na área de arquitetura e urbanismo, tendo sido premiado em diversos concursos. Atualmente é diretor da Editora UFMG e vice-presidente do ICOMOS Brasil.

    Duração: 45min

  • 10h ‒ Comemoração dos 30 anos do Centro Cultural UFMG

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A abertura das comemorações contará com a presença do diretor de Ação Cultural da UFMG, Fernando Mencarelli, e do diretor do Centro Cultural UFMG, Fabrício Fernandino, para o lançamento do site do Centro Cultural e dos projetos Biblioteca Conceito, Registros: ensino e arte e Escultura no Centro. Também acontece a abertura da exposição Centro Cultural UFMG ‒ 30 anos, que resgata, por meio de uma linha do tempo, a memória do imponente sobrado que há três décadas abriga o espaço de cultura da UFMG.

  • 9h ‒ Visita guiada à exposição "Modernidade de Roberto Burle Marx em Tiradentes" e aos projetos paisagísticos de Burle Marx

    Data: 13 de julho

    Horário: 9h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Centro Cultural Sesiminas Yves Alves

    Luiz Cruz guiará a visita, que parte da exposição no Centro Cultural Sesiminas Yves Alves (Rua Direita, 168) e dirige-se aos projetos paisagísticos implantados em Tiradentes pelo artista Roberto Burle Marx. O roteiro passa pelo Largo das Forras, Largo das Mercês, Capela de Nossa Senhora das Mercês, Largo do Chafariz, Largo do Rosário, Matriz de Santo Antônio e, por último, pelo Largo do Sol.

    Duração: 2h

    Local de saída: Centro Cultural Sesiminas Yves Alves

     

  • 19h – Apresentação musical da Sociedade Orquestra e Banda Ramalho e intervenção "Memória e janelas - um diálogo"

    Data: 12 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

    A Sociedade Orquestra e Banda Ramalho se apresenta em frente ao Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural com um repertório de músicas populares. O momento festivo destaca a importância das bandas como patrimônio cultural, imaterial e prática social no local onde se inserem. É o caso da Banda Ramalho, que há mais de um século entoa suas melodias por Tiradentes.

    Duração: 30min

     

  • 18h ‒ Abertura da exposição "Dorothy Lenner – memórias"

    Data: 12 de julho

    Horário: 18h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

    A própria Dorothy Lenner estará presente em alguns períodos da exposição, que reúne objetos pessoais e de seu percurso artístico como atriz e bailarina. A curadoria é de Hideki Matsuka e a mostra pode ser visitada até 17 de agosto.

    Duração: 3h

    Curadoria: Hideki Matsuka

  • 17h ‒ Intervenção Memórias e janelas ‒ um diálogo

    Data: 13 de julho

    Horário: 17h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

    A abertura das intervenções nas janelas do Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural contará com a presença dos criadores da intervenção, Maria José Boaventura, Gláucia Buratto de Melo e Márcia Gomes. As artistas falarão sobre a iniciativa, que busca um diálogo com a memória da cidade, abraçando os valores essenciais que compõem sua identidade. A intervenção, a céu aberto, poderá ser vista até 21 de julho.

    Duração: 40min

    Local: Quatro Cantos Espaço UFMG Cultural

  • 16h – Sessão de planetário “Astronomia indígena”

    Data: 12 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Espaço do Conhecimento UFMG

    Sessão de planetário que aborda a perspectiva dos índios tupis-guaranis sobre o céu, trazendo narrativas sobre o Sol, a Lua, os pontos cardeais, as mudanças nas estações e as constelações guaranis.

    Duração: 35min

    Entrada: R$ 6,00 (inteira) e R$ 3,00 (meia)

    Pagamento na recepção do Espaço do Conhecimento UFMG. Confira a política de gratuidade. 

  • 16h ‒ Espetáculo teatral "Samaúma ‒ o espírito sagrado da floresta"

    Data: 12 de julho

    Horário: 16h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu da Liturgia

    A peça, exibida em parceria com a Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena, celebra a natureza, os conhecimentos indígenas e a ancestralidade em uma criação da atriz e bailarina romena Dorothy Lenner, de 87 anos. Na encenação, Dorothy representa a Grande Mãe Terra, que ensina às crianças os valores e os saberes de respeito à natureza e ao sagrado.

    Duração: 40min

  • 11h30 ‒ Poente Cultural UFMG apresenta: show Tempera viola

    Data: 12 de julho

    Horário: 11h30

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu Casa Padre Toledo

    Com percussão, violão e vozes, o show traça um roteiro musical que relembra a mineiridade das décadas de 1980 e 1990 com cantigas, canções, tambores e baiões.

    Duração: 1h

  • 10h30 ‒ Reabertura do Museu Casa Padre Toledo | visita às novas exposições

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h30

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu Casa Padre Toledo

    O Museu Casa Padre Toledo reabre as portas após a requalificação de seu projeto expográfico. Os visitantes poderão conhecer mais sobre a Inconfidência Mineira, a partir de documentos, imagens e acervos diversos sobre a Casa, o seu ilustre morador Padre Toledo e o cotidiano da Vila de São José. Na sequência, acontece a abertura da exposição Lugares Imaginários: uma série de fotografias e relatos orais dos moradores de Tiradentes. A curadoria é de Carlos Henrique Rezende Falci e a exposição fica aberta até 28 de julho.

    Duração: 1h

  • 10h – Apresentação musical da Sociedade Orquestra e Banda Ramalho e intervenção “Memória e janelas – um diálogo”

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Museu Casa Padre Toledo

    De 12 a 21 de julho, as janelas do Museu Casa Padre Toledo receberão a intervenção Memórias e Janelas um diálogo. Para celebrar a abertura da intervenção, a Sociedade Orquestra e Banda Ramalho se apresentará nas janelas do torreão do Museu.

    Duração: 30min

  • 19h – Exibição do filme "Paisagem – um olhar sobre Roberto Burle Marx"

    Data: 11 de julho

    Horário: 19h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Centro Cultural Sesiminas Yves Alves

    O filme-documentário, dirigido por João Vargas Penna, conta a vida e a obra de Roberto Burle Marx (1909-1994), responsável por diversos projetos paisagísticos em Tiradentes. Lançado em 2018, o longa apresenta suas ideias e lembranças, numa sucessão de paisagens sensoriais que resgatam a trajetória do pintor, escultor e paisagista que projetou praças e jardins em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Recife.

    Duração: 1h12

  • 15h - Abertura do 51º Festival de Inverno em Tiradentes e reinauguração do Centro de Estudos e Biblioteca

    Data: 11 de julho

    Horário: 15h

    Cidade: Tiradentes

    Local: Centro de Estudos e Biblioteca

    Às 15h, acontece a abertura do 51º Festival de Inverno UFMG em Tiradentes, com a reinauguração do Centro de Estudos e Biblioteca do Campus Cultural UFMG em Tiradentes. Às 15h30, acontece a mesa de debate 230 anos da Inconfidência Mineira. Objeto de diferentes interpretações ao longo dos anos, a Inconfidência Mineira é o tema desta mesa de abertura, no ano em que comemoramos os 230 anos de Tiradentes. Participarão os convidados José Newton Coelho Meneses, Thais Nivia Fonseca e Christianni Cardoso Morais.

    Duração: 45min

  • 17h a 18h – Lançamento do livro Enlaces: estudos de folclore e culturas populares

    Data: 16 de julho

    Horário: 17h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Enlaces é uma coletânea de artigos escritos por pesquisadores das ciências humanas que lançam nova visão sobre a produção contemporânea das culturas populares brasileiras. Seus capítulos desvendam fascinantes enlaces entre as pujantes expressões culturais populares e seus importantes intérpretes e estudiosos que, no passado como no presente, documentaram-nas, registraram e pesquisaram. A abordagem dessa fecunda interação cultural supera a dicotomia que por tanto tempo apartou as ciências sociais dos estudos de folclore.

    Organização: Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti e Joana Corrêa.

    Duração: 1h
    Local: Pátio interno do Conservatório UFMG

  • 18h a 19h – Apresentação de viola (Domingos Alves Corrêa e Joaci Ornelas)

    Data: 16 de julho

    Horário: 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    O recital é permeado de ensinamentos do mestre Domingos Corrêa através da forma tradicional da viola caipira, de expressões e saberes reconhecidos como “patrimônio cultural imaterial” do estado, dialogando com o trabalho e com as pesquisas do músico mineiro Joaci Ornelas. Um encontro entre um mestre violeiro – representante de tradições culturais do São Francisco, como folias de reis, folia do divino, folia de São Gonçalo, lundus, celebrações e danças executadas através de toques de viola peculiares presentes nessa região de Minas Gerais – e um músico violeiro e pesquisador sensível a essas linguagens e expressões identitárias de comunidades rurais do estado.

    Duração: 1h

    Local: Pátio interno do Conservatório UFMG

    [gallery ids="290"]

  • 9h30 - Visita mediada à exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 11 de julho

    Horário: 9h30

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. Conheça mais sobre os trabalhos de cada um dos 46 artistas reunidos na mostra!

    Duração: 1h

    Vagas: 15

    Local: Saguão da Reitoria da UFMG ‒ Campus Pampulha

    Classificação: a partir de 18 anos

    Entrada gratuita, mediante preenchimento do formulário: http://bit.ly/32j2IGn

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 17 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 17 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 18 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 19 de julho

    Horário: 9h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Se essa rua fosse minha, qual nome ela teria?"

    Data: 21 de julho

    Horário: 9h a 13h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural Zilah Spósito

    E se em vez de números, as ruas do bairro Zilah Spósito levassem o nome de pessoas que tiveram importância comunitária e histórica para seus moradores? Essa é a proposta da exposição, que reúne a biografia de 30 pessoas indicadas pelos moradores do bairro para substituir a nomenclatura de sete ruas que atualmente são identificadas
    apenas por números. Trata-se de um mergulho na memória coletiva e individual, revisitando as origens e história da comunidade.

    Visitação: 11 a 21 de julho (terças a sextas, de 9h a 18h; sábados, de 9h a 13h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 21 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 20 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 19 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 18 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 17 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 16 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 15 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 14 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 13 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 13 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Água morta ‒ rio, pessoas e impactos socioambientais em uma abordagem transdisciplinar"

    Data: 12 de julho

    Horário: 9h a 20h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Conservatório UFMG

    Realizada em parceria com o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a
    exposição fotográfica exibe os sentimentos e depoimentos de populações atingidas por hidrelétricas. As imagens são resultado de quatro anos de pesquisa da fotógrafa Marilene Ribeiro.

    Curadoria: Marilene Ribeiro
    Visitação: 11 a 20 de julho (9h a 20h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Paisagens brasileiras do século XIX: diálogos sobre arte, memória e patrimônio"

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Dez aquarelas do século XIX, pintadas por Friedrich Hagedorn, estarão à público no Centro Cultural UFMG. As pinturas recém restauradas integram a Coleção Brasiliana do Acervo Artístico UFMG, sendo este o maior volume de obras do artista alemão oitocentista reunidas em um só local em todo o Brasil. Entre o fim da década de 1850 e o início de 1880, Hagedorn produziu dezenas de vistas e panoramas do estado do Rio de Janeiro, assim como Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Trata-se de verdadeiras preciosidades de grande importância para a história da arte brasileira.

    Curadoria: Acervo Artístico UFMG

    Visitação: 15 de julho a 5 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 14 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Olho nu" ‒ Marco Túlio Resende

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A mostra apresenta obras recentes do pintor e desenhista Marco Túlio Resende, inspiradas no seu alfabeto visual. É uma escrita elementar e essencial com pensamentos construídos a partir de marcas, rastros e fragmentos do humano. A mostra é uma ação poética levada ao extremo, transitando entre metáforas que se mostram como um desafio para quem as vê.

    Curadoria: Fabrício Fernandino
    Curadoria-adjunta: Alexandre Madalena
    Visitação: 11 de julho a 1º de setembro (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 14 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "O afeto do olhar" ‒ Carlos Wolney

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Desenhos, pinturas, gravuras e anotações de atelier reforçam o olhar do artista para o mundo simbólico e poético. Para Carlos Wolney, desenhar, pintar e fazer arte demandam uma linguagem visual apropriada, específica, que se faz silenciosa e destituída de censura. Ela é capaz de exprimir o sentimento do mundo que o envolve e apontar a busca da expressão de sua emoção.

    Curadoria: Mário Azevedo

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 14 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Escultura no centro" ‒ Daniel Grunmann

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Inspirada na imagem do Ícaro, a obra Irreversível, de Daniel Grunmann, faz uma referência à queda, à entrega e à possibilidade de um dia renascer. Aluno do curso de Artes Visuais da UFMG, Daniel tem como foco de seu trabalho a figura humana e a investigação de novos materiais que, apesar da sua leveza construtiva, sugerem uma densidade material e expressiva. Sua produção explora o movimento, a gestualidade e a expressividade do corpo, tanto na escultura quanto na performance.

    Visitação: 11 a 30 de julho (segunda a sexta, de 10h e 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h).

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 14 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 13 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Cidade Palimpséstica"

    Data: 12 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    A exposição apresenta uma seleção de fotografias de Belo Horizonte, realizadas entre as décadas de 1960 e 1970, que compõem o acervo do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (LAFODOC). O visitante poderá perceber as alterações espaciais da paisagem urbana, experimentadas pela cidade ao longo da sua história. Essas transformações recorrentes sobrepostas ao traçado original idealizado pela Comissão Construtora da Nova Capital, estabeleceram um contraste entre a cidade projetada e aquela que foi sendo habitada. As imagens foram captadas pelos
    fotógrafos Archimedes Correia de Almeida, Gui Tarcisio Mazonni e Marcos de Carvalho Mazonni.

    Visitação: 11 de julho a 4 de agosto (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)
    Curadoria: alunos do curso de graduação em Museologia da UFMG, sob orientação de Verona Segantini.

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 21 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 20 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 19 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 18 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 17 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 16 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 15 de julho

    Horário: 10h a 21h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Centro Cultural UFMG – 30 anos"

    Data: 14 de julho

    Horário: 10h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Centro Cultural UFMG

    Por meio de uma linha do tempo, a exposição resgata a memória do imponente sobrado que há 30 anos abriga o Centro Cultural UFMG. As fotografias e textos rememoram desde a construção do Centro, no final do século XIX, quando a capital mineira dava início ao processo de urbanização, até os dias atuais, como espaço respeitável da Universidade, que se destaca pelo valor histórico, artístico, cultural e de desenvolvimento do estudo e da pesquisa.

    Curadoria: Camilla Borges

    Visitação:  13 de julho de 2019 a julho de 2020 (segunda a sexta, de 10h a 21h; sábados e domingos, de 10h a 18h)

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 18 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Participe da visita mediada! Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 17 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 16 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Participe da visita mediada! Entrada gratuita, mediante preenchimento de formulário disponível em: http://bit.ly/32j2IGn

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 15 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 12 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h

  • Exposição "Circuito Polímatas"

    Data: 11 de julho

    Horário: 8h a 18h

    Cidade: Belo Horizonte

    Local: Campus Pampulha da UFMG

    Do grego, polímata quer dizer “aquele que aprendeu muito”, ou seja, aquele cujo conhecimento abrange áreas completamente distantes umas das outras: arte, física, saúde, engenharia, entre outras. A proposta da exposição coletiva é refletir sobre as fronteiras do conhecimento e a interseção entre diferentes mídias, artes, tecnologias e linguagens. São mais de 46 obras de artistas como Eduardo Kac, Eder Santos, Giselle Beiguelman, Lucas Dupin e muitos outros.

    Curadoria: Maria do Carmo Veneroso, Marilia Andrés Ribeiro, Pedro Veneroso e Tania Araújo

    Período: 11 de julho a 13 de setembro

    Horário: segunda a sexta, de 8h a 18h