Pesquisadores, gestores e agentes culturais latino-americanos se reúnem, em mesas-redondas e conferências, para discutir o tema dos direitos culturais, sua implementação por meio de políticas públicas nos territórios e nas universidades, suas relações com a democracia e a cidadania; e as agendas nacionais e internacionais que os promovem.

Além disso, haverá uma mostra virtual com trabalhos de intercâmbio e cooperação nas áreas artística e cultural, realizados entre a UFMG e as universidades que integram a Associação de Universidades Grupo Montevidéu (AUGM), parceiro institucional do Seminário.

Quando: 4 de março, das 14 às 18h; 5 de março, das 10 às 18h30.
Local:  www.youtube.com/culturaufmg

Aberta ao público em geral, sem inscrição prévia. Essa atividade oferece certificado.

 

 

4/3 (quinta-feira)

Sandra Regina Goulart Almeida (Brasil - UFMG/AUGM) 

Reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (2018-2022) e vice-presidente da Associação de Universidades Grupo Montevidéu - AUGM. Foi vice-reitora da instituição entre 2014 e 2018, e Diretora de Relações Internacionais entre 2002 e 2006. Formada em Letras pela UFMG (1986), possui mestrado pela Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill (1990), doutorado pela mesma instituição (1994) e pós-doutorado em Literatura Comparada pela Universidade Columbia, em New York, em 2000-2001, e pela UFSC, em 2008. É membro titular do Conselho Curador da Fapemig, do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Governo de Minas Gerais e do Conselho Consultivo da Presidência da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Enrique Mammarella (Argentina - UNL/AUGM)

Reitor da Universidade Nacional do Litoral e presidente da Associação de Universidades Grupo Montevidéu - AUGM. Pós-doutor em Engenharia química pela Universidade Federal de São Carlos. Engenheiro químico e doutor em Engenharia química pela Universidade Nacional do Litoral (Argentina). Diretor titular Classe A (setor científico) e presidente do Diretório do Parque Tecnológico do Litoral Centro SAPEM - Argentina (2010-2018). Representante do Conselho Interuniversitário Nacional do Conselho Interinstitucional de Ciência e Tecnologia (CICyT) 2018-2020. Vice-presidente da Comissão de Vinculação Tecnológica (2018) e Presidente da Comissão de Ciência, Técnica e Arte (2019) do Conselho Interuniversitário Nacional.

Flavia Maria Cruvinel (Brasil - UFG/FORCULT/FORPROEX)
Pró-reitora adjunta de Extensão e Cultura e diretora de Cultura da Universidade Federal de Goiás, coordenadora da área temática Cultura - FORPROEX (2019-2021), coordenadora do Fórum de Gestão Cultural das Instituições Públicas de Ensino Superior Brasileiras (Forcult), coordenadora da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM. Doutora em Educação e mestre em Música, ambos pela UFG, onde atua também como professora adjunta da Escola de Música e Artes Cênicas. Além disso, é também gestora e produtora cultural. Em 2020 foi eleita para a diretoria da International Society for Music Education, sendo a única representante da América Latina.

A Divina Loucura na Era Digital (Internet e Direitos Culturais)

A Internet está agora por toda parte, impossível escapar. Ela é criação pura e servidão total. A ideia mesma de cultura e arte altera-se e com ela tudo que um dia foi designado pela expressão direitos humanos e por esta outra, direitos culturais. O desafio é imenso.

Conferencista:
Teixeira Coelho (Brasil - USP) - coordenador do Grupo de Estudo Culturas e Humanidades Computacionais do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP). Professor emérito da ECA-USP e autor, entre outros, do Dicionário crítico de políticas culturais, cultura: a utopia final e sinais e maravilhas da cultura na era digital (2021). Autor dos romances História Natural da Ditadura (Prêmio Portugal Telecom de Literatura Portuguesa), Puro Gesto, entre outros. Foi diretor do Museu de Arte Contemporânea da USP e curador-coordenador do Museu de Arte de São Paulo (MASP).

Mediação:
Fernando Mencarelli (Brasil -  UFMG) - Diretor de Ação Cultural da UFMG. Professor titular da UFMG e pesquisador CNPq. Doutor e mestre pela Unicamp, na área de História Social da Cultura. Visiting Research Scholar no Graduate Center da City University of New York/CUNY. Pós-Doutoramento em Teatro, no Laboratório ARIAS/CNRS-Universidade Sorbonne Nouvelle/Paris III. Membro do Conselho Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Coordenador do Campus Cultural UFMG em Tiradentes (2018). Membro do Conselho Estadual de Política Cultural de Minas Gerais (2014-2016). Presidente da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas (2006-2008).

Albino Rubim (Brasil - CNPq/UFBA)
Pesquisador do CNPq e do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade. Ex-presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia. Ex-secretário de Cultura do Estado da Bahia.

José Márcio Barros  (Brasil - UEMG/Observatório da Diversidade Cultural/UFBA)
Doutor em Cultura e Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) e do Programa de Pós-graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Coordenador do Observatório da Diversidade Cultural. Especialista nas áreas das Políticas Culturais, Gestão Cultural, Diversidade Cultural e Mediação. Organizou e publicou recentemente os livros Diversidade cultural e desenvolvimento sustentável, Gestão cultural e diversidade: do pensar ao agir, e Planos municipais de cultura: experiências e reflexões.

Lukas Kühne (Uruguai - UdelaR)
Escultor e professor adjunto na Escola Universitária de Música da Faculdade de Artes da Universidade da República (Uruguai). Estabelecido desde 2005 em Montevidéu. Suas obras atuais têm conteúdo multidisciplinares e estão dedicadas aos impactos espaciais e a sua interrelação acústica, como na série nórdica: Cromático, Tvisöngur y Organum. Sua obra já foi exposta internacionalmente e foi curador de várias exposições de arte sonora, no Uruguai e no exterior, como “Espacio y Frecuencia, la sensación visual del sonido”, no Museo Nacional de Artes Visuales MNAV, de Montevidéu. Membro da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM.

Mediação:
Maria Helena Cunha (Brasil/Inspire Gestão Cultural)
Gestora cultural, pesquisadora, mestre em Educação e especialista em Planejamento e Gestão Cultural. Diretora da Inspire Gestão Cultural. Foi coordenadora da pós-graduação em Gestão Cultural do Centro Universitário UNA. Fez a coordenação de Planejamento do Programa de Soluções Estratégicas para as Artes Cênicas (SEBRAE-MG). Publicou os livros Gestão Cultural: Profissão em Formação e Planejamento Estratégico de Projetos e Programas Culturais.

A partir de uma linha do tempo, a exposição virtual resgata a memória da atuação da UFMG na Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM, entre 2000 e 2010. São mostradas também atividades de intercâmbio cultural entre a UFMG e a Universidade Nacional do Litoral (UNL) até os anos atuais,  que só foram possíveis pela ação catalisadora da Comissão de Produção Artística Cultural da AUGM.

Criada em 1991, a AUGM é uma rede de universidades públicas e autônomas, que compartilham suas vocações, localizadas em seis países da América do Sul:  Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Sua missão é contribuir para o fortalecimento das instituições que a integram e aprimoramento de sua interação com a sociedade, mediante ações que estimulam a investigação científica e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias para a sociedade, assim como a formação e o intercâmbio de recursos humanos qualificados.

Link para a exposição: rotasaugm.ufg.br

Curadores:
Damián Rodríguez Kess (Argentina - UNL)
Mestre em arte latino-americana. Gestor cultural, docente, pesquisador, músico e compositor. Criador de obras para orquestra, música de câmara, instrumentos solistas, peças de teatro musical, música para vídeos, peças teatrais, de dança e instalações de artes visuais. Sua especialidade é a criação interdisciplinar. Seus trabalhos acadêmicos e artísticos foram apresentados em diversos países das Américas e Europa. Membro da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM.

Fabrício Fernandino (Brasil - UFMG)
Escultor e professor da Escola de Belas artes da UFMG desde 1992. Desenvolve trabalhos artísticos em arte ambiental, escultura, vídeo instalação, fotografia, curadorias e residências artísticas. Coordenador geral e curador do Festival de Inverno da UFMG (2000 a 2011 e 2019 a 2020). Diretor de Ação Cultural da UFMG (2002 a 2006). Diretor do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG (2006 a 2011). Diretor do Centro Cultural UFMG (2018 a 2022).

Mediação:
Bruna Acácio (Brasil - UFMG)
Especialista em Gestão Cultural pela Universidade do Estado de Minas Gerais, relações públicas e jornalista pela Universidade Federal de Minas Gerais. Produtora cultural na Diretoria de Ação Cultural da UFMG, com atuação no Conservatório UFMG e no programa Circuito Cultural UFMG.
 

 

5/3 (sexta-feira)

Cristina Tolentino  (Brasil - Grupo de Teatro Mulheres de Luta)
Mulher, feminista, ativista e diretora teatral. Mestre em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora e diretora de teatro. Fundadora e diretora dos grupos Bayu-Núcleo de Pesquisa Teatral e Grupo de Teatro Mulheres de Luta da Ocupação Carolina Maria de Jesus. Integrante do Movimento de Mulheres Olga Benário, da #partidAMG e do 8M Unificado RMBH.

Cristina Elisângela Gomes (Brasil - Grupo de Teatro Mulheres de Luta)
Ativista da luta por moradia, integrante do coletivo de pesquisa teatral Mulheres de Luta e moradora da ocupação Carolina Maria de Jesus, no centro de Belo Horizonte. Fez parte da criação e atuou nas cenas "Todas as vozes, todas elas", sobre as vivências da violência patriarcal e a tomada de consciência de se ser mulher, e AntígonaS, releitura da obra clássica de Sófocles, premiada pelo Prêmio Leda Maria Martins de Artes Cênicas Negras.

Karine Bassi (Brasil - ABorda/De Quebrada)
Karine Silva Oliveira é uma jovem periférica da extrema Zona Oeste de Belo Horizonte. Filha de José negro e Maria indígena, é escritora contemporânea marginal, feminista e artivista pelas causas sociais. Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Minas Gerais, foi a primeira da família a ingressar numa universidade pública. É articuladora e produtora cultural no ColetiVoz, coletivo que desenvolve atividades sociais, culturais e de emancipação de territórios no Barreiro e regionais adjacentes. Idealizadora e coordenadora da Venas Abiertas - editora cooperativa e popular que produz e dissemina literatura feita por pessoas à margem do mercado editorial. É também produtora e atriz na Cia 5SÓ, de teatro marginal periférico.

Maria Emília Alves da Silva (Brasil - Mulheres do Jequitinhonha)
Tem 66 anos, nasceu e reside na comunidade Rural de Tocoiós, no município de Francisco Badaró. Filha e neta de agricultores e artesãos, desde os 7 anos ajuda a família nas atividades rurais, tendo com eles aprendido o ofício da agricultura e da tecelagem. Trabalhou como professora alfabetizadora pelo município de Francisco Badaró por 27 anos. Desde 2005, compõe a Associação dos Artesãos de Francisco Badaró, onde atua na diretoria e principalmente como artesã, realizando toda a manufatura do algodão, do plantio à tecelagem.

Marli de Jesus Costa (Brasil - Mulheres do Jequitinhonha)
É lavradora, bordadeira, tingideira, jogadora de versos e parteira. Nasceu e reside na comunidade rural do Curtume, no Vale do Jequitinhonha. Integra o grupo Bordadeiras do Curtume, e é responsável pela técnica do tingimento natural. Participa do projeto Versinhos de Bem-Querer, tendo composto e cantado mais de mil versos. Foi premiada com o prêmio Arte do Quilombo 2020, concedido pela Fundação Palmares.

Natalia Fuster (Paraguai - UNA) 
Bailarina, coreógrafa, professora de Dança Contemporânea e produtora cultural. Diretora da Escola Municipal de Dança do Instituto Municipal de Arte (Assunção- Paraguai e professora da Faculdade de Arquitetura, Design e Arte da Universidade Nacional de Assunção. É especialista em Novas Tendências Contemporâneas de Dança pelo Instituto Universitário de Arte de Buenos Aires e membro do Fórum Paraguai pela Dança e da Rede Sulamericana de Dança. Foi bolsista do Metropolitan Ballet of Topeka (Estados Unidos) e atuou como docente no Ballet Nacional do Paraguai, no Estudio CIDT e na Escola Municipal de Dança de Capiatá. Compõe a Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM.

Viviane Fortes (Brasil - Mulheres do Jequitinhonha)
Coordenadora dos projetos da Associação Jenipapense de Assistência a Infância, entre os quais, o projeto Mulheres do Jequitinhonha, que atua no fortalecimento das mulheres de comunidades rurais, a partir de seus saberes, na região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Graduada em Artes Plásticas e em Serviço Social. Co-criadora das “Casinhas de Cultura” em comunidades do Vale do Jequitinhonha, projeto que recebeu o prêmio Itaú Unicef (2007). O êxito do projeto fez com que fosse convidada a implementá-lo em outras regiões do Brasil: Belo Horizonte, Ceará e Piauí. Desde 2000,  trabalha diretamente com mulheres, mestres e mestras do Jequitinhonha. Em 2020, ganhou o prêmio Empreendedor Social do Ano, pela Folha de São Paulo, graças ao projeto Versinhos de Bem-Querer, criado no âmbito da epidemia de Covid-19.

Mediação:
Samira Ávila (Brasil - Centro de Referência da Juventude – CRJ)
Atriz, diretora, arte educadora e gestora executiva de projetos sociais e políticas públicas de juventudes. Atualmente é Gerente Executiva do Centro de Referência da Juventude (CRJ), da Prefeitura de Belo Horizonte. Foi gestora de políticas públicas de juventude do Governo do Estado, atuando como Diretora Operacional do PlugMinas – Centro de Formação e Experimentação Digital –  e Diretora Executiva do programa de arte educação e cidadania Valores de Minas, onde também somava funções de diretora artística e coordenadora da área de teatro. Preside o Comitê de Gestão Compartilhada do CRJ, além de integrar outras comissões do poder público que visam as garantias de direitos das juventudes.

Conferencista:
Leda Maria Martins (Brasil - UFMG)
Poeta, ensaísta e dramaturga. Doutora em Letras - Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais, e mestre em Artes pela Indiana University. Possui pós-doutorados em Estudos da Performance pela New York University, Tisch School of the Arts, Department of Performance Studies, (1999-2000 e 2009). Conquistou mais um título de pós-doutorado, em Rito e Performance, na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1999). Foi professora visitante da New York University, Department of Performance Studies (2009-2010), e docente dos cursos de Letras e de Artes Cênicas da UFMG (1993-2018). Também foi diretora de Ação Cultural da UFMG entre março de 2014 e março de 2018. Autora de vários ensaios e capítulos de livros, muitos publicados no exterior, possui relevante produção nos campos do teatro e performance. Na lista de títulos publicados, estão: A cena em sombras e Afrografias da memória. Desde maio de 2018, está aposentada pela UFMG.

Mediação:
Fernando Mencarelli (Brasil -  UFMG)
Diretor de Ação Cultural da UFMG. Professor titular da UFMG e pesquisador CNPq. Doutor e mestre pela Unicamp, na área de História Social da Cultura. Visiting Research Scholar no Graduate Center da City University of New York/CUNY. Pós-Doutoramento em Teatro, no Laboratório ARIAS/CNRS-Universidade Sorbonne Nouvelle/Paris III. Membro do Conselho Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Coordenador do Campus Cultural UFMG em Tiradentes (2018). Membro do Conselho Estadual de Política Cultural de Minas Gerais (2014-2016). Presidente da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Artes Cênicas (2006-2008).

Ernesto Ottone (Chile - UNESCO)
Diretor-geral adjunto de Cultura da UNESCO. Foi primeiro-ministro da Cultura, Arte e Patrimônio do Chile (2015-2018). Como ministro da Cultura, criou o Departamento de Pueblos Originarios e fortaleceu as leis de direitos autorais e proteção do patrimônio. Presidiu o Centro Regional para a Promoção do Livro na América Latina e no Caribe (2016-2017). De 2011 a 2015, atuou como diretor geral do Centro de Extensão Artística e Cultural da Universidade do Chile, que administra a Orquestra Sinfônica Nacional do Chile, o Ballet Nacional do Chile (BANCH), o Coro Sinfônico de Chile e a Universidade Vocal Camerata. De 2001 a 2010, atuou como diretor executivo do Centro Cultural Matucana 100 em Santiago. É mestre em Gestão de Instituições e Políticas Culturais pela Universidade de Paris IX Dauphine (1998) e bacharel em Teatro pela Universidade do Chile (1995).

Lia Calabre (Brasil - Fundação Casa de Rui Barbosa)

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisadora e chefe do setor de políticas culturais da Fundação Casa de Rui Barbosa (2002-2019). Coordenadora da Cátedra UNESCO de Políticas Culturais e Gestão da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) entre 2017 e 2020. Atualmente é professora dos programas de Pós-Graduação Memória e Acervos (FCRB), e Cultura e Territorialidades (UFF). Organizadora e autora de diversos livros e artigos sobre políticas culturais, como: Políticas Culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI, Políticas Culturais no Brasil: história e contemporaneidade e Escritos sobre Políticas Culturais.

Marcela Bernardi  (Argentina - UNNE
Diretora do Centro Cultural Nordeste (UNNE). Professora desde 1994 e pesquisadora de História da Arquitetura. Mestre em Gestão do Ambiente, Paisagem e Patrimônio. Gestora de projetos de extensão cultural. Representante da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural AUGM.

Mediação:
Ana Flávia Machado (Brasil - UFMG)
Professora do Departamento de Ciências Econômicas da UFMG e pesquisadora do CNPq no tema Economia da Cultura. Membro eleita do Comitê Executivo da Associação Internacional de Economia da Cultura (ACEI). Seus trabalhos versam sobre consumo de cultura, formação de público, valoração de bens públicos culturais, economia criativa, economia de museus e mercado de trabalho do artista.

Fabíola Moulin Mendonça (Brasil - Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte)
Secretária Municipal de Cultura de Belo Horizonte. Artista visual, curadora, educadora e gestora cultural. Mestre em arquitetura e urbanismo pela USP. Diretora de Difusão Museológica na Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais (2004/2005), coordenadora de Artes Visuais do Museu de Arte da Pampulha (2007 e 2010), diretora de programação e gerente de Artes Visuais na Fundação Clóvis Salgado (2010 e 2014), diretora de Museus (2017/2018), presidenta da Fundação Municipal de Cultura (2018/2019) e secretária municipal de Cultura de Belo Horizonte (2019/2020/2021).

Fernando Gaspar (Chile - UChile
Diretor de Criação Artística da Universidade do Chile. Graduado em Língua e literatura hispânicas na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e doutor em Ciências da Linguagem com ênfase em Artes e Políticas Culturais na Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais de Paris. Foi coordenador da Unidade de Estudos do Conselho Nacional de Cultura e das Artes do Chile (2007-2010) e atuou na missão de Assistência Técnica para a criação do Sistema de Informação Cultural do Peru (2004-2007), realizada pela UNESCO, sob a direção conjunta da Organização de Estados  Americanos (OEA) e o Ministério da Cultura do Peru. Membro da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM.

Gonzalo Vicci Gianotti (Uruguai - UdelaR)

Cursando o doutorado em Humanidades e Ciências Sociais da Universidade Pública de Navarra, com a tese "Educación artística y artes escénicas en la ciudad de Montevideo. Experiencias desarrolladas en el Teatro Solís entre 2004 y 2011". É professor e pesquisador da Universidade da República do Uruguai (UdelaR) e coordena a Unidade de Formação e Apoio Docente. Integra o Núcleo de Pesquisa em Cultura Visual, Educação e Construção de Identidade na UdelaR. Tem experiência em Arte, História da Arte, Educação Artística e Cultura Visual. É membro da Comissão Permanente de Produção Artística e Cultural da AUGM.

Mediação:
Mauricio Campomori (Brasil - UFMG)
Arquiteto e urbanista, mestre em Arquitetura e doutor em Educação. Professor do Departamento de Projetos da Escola de Arquitetura da UFMG desde 1996. Foi diretor de Ação Cultural da UFMG entre 2006 e 2011. É membro do Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte, do Conselho Estadual de Patrimônio Cultural e diretor da Escola de Arquitetura da UFMG desde 2016.