Centro de Microscopia abre as portas para visitação pública
  • 08
  • 11
Centro de Microscopia da UFMG. Foto: Foca Lisboa UFMG

Estrutura multiusuária e multidisciplinar para pesquisa e desenvolvimento, considerada modelo para o país, o Centro de Microscopia da UFMG vai abrir as portas de seus laboratórios para visitação pública, no próximo dia 18.

Centro de Microscopia da UFMG. Centro de Microscopia da UFMG. Foto: Foca Lisboa UFMG

A atividade, que integra as comemorações de seus dez anos de funcionamento e dos 90 anos da UFMG, começa às 10h, com solenidade que reunirá pesquisadores, autoridades e representantes de agências de fomento. Em seguida, terão início as visitas monitoradas, que se encerram às 17h.

De acordo com o diretor, professor Wagner Nunes Rodrigues [foto ao lado], a intenção é divulgar a potencialidade de atendimento do Centro e ampliar o número de usuários, pois mesmo dentro da UFMG ainda há pesquisadores que não conhecem a estrutura do Centro.

Atualmente estão registrados como usuários 500 pesquisadores, 900 alunos de instituições de todo o país e 50 empresas, especialmente nas áreas de mineração e metalurgia, siderúrgicas, indústrias do setor de microeletrônica, de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia, de transformação de bens de consumo, hospitais e laboratórios de análises.

“Elas vêm porque sabem que o Centro de Microscopia da UFMG é diferente de todos os centros no Brasil, devido à multidisciplinaridade, à facilidade de acesso e à qualidade das instalações e da equipe”, destaca o diretor.

Ele explica que normalmente os centros de microscopia são voltados para a área de materiais ou da vida, enquanto o da UFMG é multidisciplinar. “Temos biólogos, farmacêuticos, veterinários convivendo e trocando ideias com físicos, químicos, engenheiros, geólogos, o que proporciona uma grande sinergia”, comenta o professor. Tal característica deve-se à maneira como o Centro foi concebido, isto é, com o intuito de servir a todas as áreas da Universidade e não vinculado a uma unidade acadêmica específica, assegura.

Como lembra Wagner Rodrigues, a criação do Centro foi uma iniciativa de diversos grupos de pesquisadores da Universidade, já usuários de microscopia eletrônica, que não dispunham de uma estrutura à altura da pesquisa que se realiza na UFMG.

Localizado no campus Pampulha, o Centro dispõe hoje de infraestrutura de excelência em microscopia e microanálise, que abrange microscopia eletrônica de varredura e de transmissão, microscopia de feixe iônico, microscopias de varredura por sonda, microscopia de fluorescência, microanálise por fluorescência de raios-X e por perda de energia de elétrons. A relação detalhada de equipamentos encontra-se na internet.

“Ter máquinas desse quilate e manter uma estrutura com esta é inviável para pesquisadores isoladamente, por isso, é necessário ter o suporte de um grupo ou ter caráter institucional, como ocorre em outros países”, explica o Wagner Rodrigues, que é professor do Departamento de Física.

Usuário do Centro, o pesquisador Thiago Cunha, do Centro de Tecnologia em Nanotubos de Carbono (CT-Nanotubos), tem utilizado atualmente equipamento de análise de amostras. “Para o tipo de material com o qual trabalhamos, que é nanométrico, é fundamental fazer a caracterização por imagem eletrônica, para sabermos quais suas propriedades em termos estruturais, e a análise química, que revela como as mudanças de parâmetros realizadas durante os processos afetam a qualidade do material”, diz. Em sua opinião, dispor de acesso a esse tipo de equipamento “é um grande diferencial na UFMG”.

Centro de Microscopia da UFMG. Centro de Microscopia da UFMG. Foto: Foca Lisboa UFMG

Microscopista Érico Freitas em microscópio eletrônico de transmissão. Foto: Foca Lisboa/ UFMG

Histórico

Em 2003, pesquisadores de diversas áreas do conhecimento se organizaram de maneira inédita e apresentaram, com apoio da Reitoria, proposta unificada em edital da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) que permitia a aquisição de grandes equipamentos. O próximo passo foi a construção de uma estrutura para abrigar esses microscópios, tendo sido o Centro de Microscopia criado formalmente como órgão suplementar, ligado à Reitoria, que seria inaugurado em 2006.

O trabalho envolveu a elaboração de regimento e a construção do prédio. Para isso, pessoas ligadas ao projeto visitaram laboratórios na Europa e no Japão, bem como empresas fabricantes de microscópios eletrônicos, para obter informações sobre infraestrutura predial e de equipamentos.

A construção exigiu planejamento especial. “A localização, por exemplo, só foi decidida após cuidadosa medição dos níveis de vibração mecânica e de campo eletromagnético em diversas áreas do campus”, relembra Wagner Rodrigues. Para evitar vibração mecânica, o edifício tem fundações especiais, e a fiação elétrica é especialmente disposta de forma a não criar campos magnéticos prejudiciais à qualidade das imagens. Também foram adotadas soluções para impedir variação térmica e vibrações acústicas.

O Centro integra o Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologia (Sisnano) e também se notabiliza por sua liderança na organização da Rede de Microscopia e Microanálise de Minas Gerais, cadastrada na Fapemig desde 2013, e que congrega 11 instituições de ensino e pesquisa no estado.

O Centro conta hoje com equipe de 30 pessoas, metade das quais do quadro permanente de servidores da Universidade. Essa equipe apoia os pesquisadores de várias áreas do conhecimento, com a preparação de amostras e análise nos diferentes tipos de microscópios.

Para ter acesso aos equipamentos do Centro, pesquisadores devem apresentar proposta de pesquisa, através da página web do Centro, para que seja analisada quanto à sua exequibilidade com a infraestrutura disponível. Aprovado o projeto, é possível agendar períodos de uso dos microscópios, e há duas maneiras de usar os equipamentos: uso assistido, isto é, com a presença de um microscopista da casa, e uso autônomo, quando o dono do problema se capacita, aqui, para pilotar o aparelho.

Centro de Microscopia da UFMG. Centro de Microscopia da UFMG. Foto: Foca Lisboa UFMG

Microscópio MLA, utilizado em análise de materiais, sobretudo para indústrias minerometalúrgicas. Foto: Foca Lisboa/ UFMG

Mais Notícias
Prédio da EBA, que está comemorando seis décadas de fundação. Foto: Foca Lisboa / UFMG
  • 5 abr 2017
  • 0
Nesta quarta-feira, 5, a Escola de Belas Artes (EBA) comemora 60 anos de fundação. Para marcar a data, o pátio da Unidade recebe um café...
Helena Nader, presidente da SBPC, em entrevista à TV UFMG.
  • 1 jun 2017
  • 0
Estudantes de baixa renda da UFMG que contam com assistência estudantil da Universidade, por meio de política executada pela Fundação Mendes Pimentel (Fump), terão acesso...
Entrada do prédio da Faculdade de Ciências Econômicas, sede do Cedeplar. Foto: Foca Lisboa / UFMG
  • 10 jul 2017
  • 0
Sede de um dos mais antigos programas de pós-graduação em economia do Brasil, o Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar) da Faculdade de Ciências...