Reunião termina em clima de ‘encantamento’
  • 26
  • 07
Dirigentes da UFMG e da SBPC compuseram a mesa de encerramento. Foto: Foca Lisboa

Dirigentes da UFMG e da SBPC compuseram a mesa de encerramento. Foto: Foca Lisboa

 

Em solenidade na noite da sexta-feira passada, 21, o reitor Jaime Ramírez enumerou motivos que levaram a UFMG a sediar o maior evento científico da América Latina. “Por sermos profissionais da educação, temos esse lado do ideal, da utopia, de sempre, por maior que seja o trabalho, por mais adversa que seja a situação, nos entregar e acreditar que podemos contribuir para o nosso país”, ponderou.

O presidente eleito da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu Moreira, afirmou que sai da 69ª Reunião Anual com “esperança renovada”, por acreditar na capacidade da atuação da comunidade científica e dos “milhões de jovens que não têm a oportunidade de estar na universidade brasileira, mas vão fazer a diferença”. Moreira, que citou as principais decisões aprovadas em assembleia geral da Sociedade, em prol da ciência e da educação brasileiras, enfatizou que “o Brasil é muito maior do que as dificuldades que temos”.

Coordenadora da comissão local, a vice-reitora Sandra Goulart Almeida recorreu ao poeta Manoel de Barros para lembrar que a importância de uma coisa “se mede pelo encantamento que ela produz” e afirmou: “a Reunião foi um grande encantamento para nós”.

Autoridades e participantes da Reunião foram saudados no saguão da Reitoria. Foto: Foca Lisboa

Essa atmosfera permeou o evento até em seus instantes finais, quando os participantes da 69ª Reunião Anual foram homenageados em cantos e ritual celebratório de representantes dos povos indígenas guarani, maxakali, pataxó, pataxó hã hã hãe e xakriabá e dos reinados dos Arturos, do Jatobá e Treze de Maio. O cortejo saiu da Escola de Belas Artes, passou pelo prédio da Reitoria e se encerrou na Praça de Serviços (leia mais).

Homenagem

Povos indígenas celebraram evento. Foto: Foca Lisboa / UFMG

O reitor da UFMG comentou que o evento foi uma dupla dádiva nas comemorações dos 90 anos da Universidade, pois, ao mesmo tempo que recebeu, ela pôde dar
“aquilo que compreendemos que é próprio para a educação, a ciência, a arte, a cultura e, de uma forma geral, aquilo que acreditamos para o nosso país”.

Jaime Ramírez fez referência à quantidade de energia e à capacidade de trabalho, de organização e de liderança da vice-reitora Sandra Goulart Almeida e da professora Helena Nader, que agora deixa a direção da SBPC, em nome de quem agradeceu a todos os que trabalharam nesta edição da Reunião Anual. E citou Carlos Drummond de Andrade, “ex-aluno da UFMG”, para afirmar que “as coisas tangíveis tornam-se insensíveis à palma da mão. Mas as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão”.

Ao apresentar os dados numéricos que resumem a dimensão do evento realizado na UFMG, a secretária-geral da SBPC, Cláudia Masini D’Avila Levy, leu nota de reconhecimento à professora Helena Nader, aprovada pela plenária do Conselho Nacional de Educação (CNE) no último dia 8. O documento afirma que a presidente da SBPC “representou a capacidade da nação de resistir e seguir em frente”.

Segundo Cláudia Levy, em torno de 2,5 mil pessoas assinaram a cada dia as listas de presença em palestras e conferências da 69ª Reunião Anual, além de 15 mil alunos da UFMG. O evento SBPC Jovem atraiu cerca de 8 mil pessoas ao campus Pampulha.

Reivindicações

Ildeu Moreira enumerou as principais decisões da assembleia que reuniu, na quinta-feira, 20, representantes das 139 associações científicas que compõem a SBPC, além de outros integrantes da Sociedade. As reivindicações incluem a volta do Ministério de Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI), atualmente fundido com o Ministério das Comunicações; a recomposição do orçamento e contra o congelamento drástico de recursos para educação, Ciência e Tecnologia (C&T); a revogação da Emenda Constitucional 95, que é considerada lesiva ao país por congelar esses gastos; o fim da contingência de recursos de institutos do MCTIC; inclusão do período de formação na contagem de tempo para aposentadoria, para alunos de pós-graduação; preservação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila).

Também estão entre as medidas aprovadas na assembleia a denúncia do “quadro gravíssimo” por que passam diversas universidade públicas brasileiras, por falta de recursos; a definição de que recursos públicos desviados para corrupção sejam direcionados para financiar C&T; repúdio à ameaça a comunidades quilombolas de Alcântara (MA); repactuação da democracia brasileira, “simbolizada no mote diretas-já”.

Agradecimentos

Helena Nader e Sandra Goulart Almeida citaram e agradeceram nominalmente os coordenadores das comissões e subcomissões que possibilitaram a realização da 69ª Reunião Anual. A presidente da SBPC gestão 2015-2017 destacou pontos altos do evento, como a presença de Ana Júlia Ribeiro, estudante secundarista de Curitiba.

Também compuseram a mesa do evento os novos integrantes da diretoria da SBPC para o biênio 2017-2019: Paulo Hoffmann, Ana Maria Bonetti, José Antônio Aleixo, Sidarta Ribeiro, Lucile Floeter Winter e Roseli de Deus Lopes.

Mais Notícias
Tomaz Aroldo foi recebido de pé pela plateia e conduzido à mesa por um grupo de professores e técnicos-administrativos. Foto: Foca Lisboa/ UFMG
  • 19 maio 2017
  • 0
Cursar uma universidade não figurava entre os sonhos do garoto Aroldo, em Itapeipu, distrito do município de Jacobina, na Bahia. Os caminhões que chegavam ao...
'Teaser' resume série da TV UFMG sobre os 90 anos
  • 8 set 2017
  • 0
A série 90 anos de histórias, produzida pela TV UFMG, reuniu, nos últimos meses, depoimentos de pessoas que foram transformadas por suas experiências na UFMG,...
Livro escrito pelas duas pesquisadoras vai nortear a conferência. Foto: Renato Parada
  • 11 set 2017
  • 0
Livro escrito pelas duas pesquisadoras vai nortear a conferência. Foto: Renato Parada   Na próxima sexta-feira, 15, as professoras Heloísa Starling (UFMG) e Lilia Moritz...