Clélio Campolina é nomeado fellow da academia britânica de ciências sociais
  • 26
  • 10
Clélio Campolina. Foto: Foca Lisboa

O professor emérito da UFMG Clélio Campolina é o único latino-americano entre os 84 novos integrantes da categoria Fellow da Academia de Ciências Sociais da Inglaterra, cujos nomes foram anunciados no último dia 19. “Fiquei surpreso e profundamente orgulhoso com a nomeação, que reforça meu compromisso acadêmico e aumenta minha responsabilidade”, diz Campolina.

Seu nome foi indicado à Academia por integrantes da Regional Studies Association (RSA), entidade também sediada na Inglaterra, da qual é um dos vice-presidentes e co-editor da revista Area Development and Policy.

Depois de alguns anos dedicado a cargos de gestão – como reitor da UFMG no período 2010-2014 e ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação em 2014-2015 – retomou as atividades acadêmicas, tendo publicado, na segunda edição da revista Area Development and Policy, o artigo Brazil: accelerated metropolization and urban crisis.

A Academia

Com missão de promover as ciências sociais no Reino Unido, visando ao bem público, a Academia de Ciências Sociais é composta de 1.100 fellows individuais, 42 entidades e um conjunto de afiliados de aproximadamente 90 mil cientistas sociais. Promove pesquisa, organiza publicações e eventos e participa do debate público. A atuação é multidisciplinar e abrange teoria e trabalho aplicado.

O fellow tem o reconhecimento, por pares, do impacto e da ampla contribuição de seu trabalho, seja no campo do pensamento, da aplicação prática ou do desenvolvimento de políticas. O reconhecimento se traduz em maior apoio a novas missões e promoções, entre outros benefícios. Confira lista dos 84 indicados.

RSA

A Regional Studies Association, da qual Clélio Campolina é um dos vice-presidentes, trabalha em prol de altos padrões de desenvolvimento teórico, análise empírica e debate sobre políticas em escala regional.

As publicações e eventos promovidos pela Associação fazem dela fórum privilegiado para gerar e disseminar avanços em estudos regionais. Seus membros têm origem nas áreas de economia, geografia, ciência política, sociologia e planejamento.

Trajetória

Doutor em Ciências Econômicas pela Unicamp com pós-doutorado pela University of Rutgers (EUA), Campolina foi diretor da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG (Face), do Cedeplar e do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC). Recebeu o título de Professor Emérito da UFMG em dezembro de 2015, depois de mais de 40 anos dedicados ao exercício da docência, da pesquisa acadêmica e da gestão universitária.

Foi coordenador da área de economia da Capes e presidente da Câmara de Ciências Sociais Aplicadas da Fapemig. Sua pesquisa se concentra nos campos da economia regional, desenvolvimento econômico, economia da tecnologia, economia brasileira e economia de Minas Gerais. Publicou mais de 100 trabalhos no Brasil e no exterior.

Mais Notícias
Helena Nader, presidente da SBPC, em entrevista à TV UFMG.
  • 1 jun 2017
  • 0
Estudantes de baixa renda da UFMG que contam com assistência estudantil da Universidade, por meio de política executada pela Fundação Mendes Pimentel (Fump), terão acesso...
Professor da Face abordou surgimento do ensino, da pesquisa e da extensão. Foto: Foca Lisboa/ UFMG
  • 9 mar 2017
  • 0
Em aula magna ministrada na noite de ontem no campus Pampulha, o professor da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, João Antonio de Paula, falou...
Foto: Lucas Braga/ UFMG
  • 15 maio 2017
  • 0
O campus regional da UFMG em Montes Claros comemora 41 anos de fundação nesta segunda-feira, 15. Para celebrar a data, estão programadas homenagens, conferência no...