Intervenções do Campus Cultural UFMG em Tiradentes revela as memórias dos moradores da cidade

De 7 a 14 de dezembro, a cidade de Tiradentes abriga uma série de intervenções que contam um pouco da memória dos habitantes locais. Resultado do projeto de pesquisa “Lugares Imaginários de Memória”, caixas de som temáticas e postais serão espalhados por cinco bairros da periferia, contando a vida da cidade na voz de seus moradores. Na sexta-feira (7), às 20h, também será inaugurada uma exposição de fotografias no Sobrado Quatro Cantos.

O projeto foi desenvolvido durante cinco meses – entre agosto e dezembro deste ano -, sob a coordenação do professor da Escola de Belas Artes, Carlos Henrique Falci, por meio do Programa Professor Residente no Campus Cultural UFMG em Tiradentes. O objetivo era investigar de que forma as memórias dos moradores da cidade mostram como a comunidade se relaciona com o seu espaço urbano atual, o qual sofreu modificações intensas na passagem do século XX para o XXI. Para isso, entrevistaram moradores de alguns dos bairros mais afastados do centro: Pacu, Mococa, Alto da Torre, Cuiabá, Várzea de Baixo e Cascalho, mesmos locais onde acontecem as intervenções.

Segundo Falci, a cidade experimentou um crescimento intenso da sua atividade turística a partir da década de 80, com modificações profundas na estrutura de ocupação de seus espaços, principalmente na região central. Em função da especulação mobiliária, os moradores mais antigos migraram para a periferia da cidade, onde há menos equipamentos públicos e uma atenção menor em termos de serviços públicos.

Enquanto alguns são relativamente novos, como o Alto da Torre e a Mococa, outros espaços já existem desde a década de 60, quando a cidade ainda não havia experimentado uma mudança mais radical na configuração do centro histórico. “Interessou-nos, desde o princípio, compreender como as pessoas que estão fora do centro vivem dentro dos seus bairros e convivem com a parte histórica da cidade; a partir das suas lembranças, sejam elas mais atuais ou mais antigas”, explica o professor.

O projeto

“Lugares Imaginários de Memória” é um projeto de pesquisa coordenado pelo professor do departamento de Fotografia e Cinema da UFMG, Carlos Henrique Falci, no âmbito do Programa Professor Residente no Campus Cultural UFMG em Tiradentes, promovido pela Diretoria de Ação Cultural da UFMG. Além de Cristina Horta e Lila Gaudêncio,  bolsistas de pós-graduação responsáveis pela criação de imagens, textos e ilustrações que integram o material exibido nas intervenções, o trabalho contou com projeto expográfico desenvolvido pela equipe do “Barracão UFMG”. O Barracão UFMG é um projeto coordenado pelos professores Tereza Bruzzi (Teatro Universitário) e Cristiano Cezarino (Arquitetura), que visa montar cenografias para espaços pertencentes à universidade.

Intervenção Teatro&Cidade

Algumas das histórias coletadas pelo projeto Lugares Imaginários de Memória ajudaram a compor a intervenção teatral “Dona Juta”, desenvolvida pelo professor do Teatro Universitário da UFMG, Rogério Lopes, também por meio do Programa Professor Residente no Campus Cultural UFMG em Tiradentes. A intervenção itinerante percorre as cidades de Tiradentes e São João Del Rey até o dia 9 de dezembro.

Written by:

Comments are closed.