Category: Museu Casa Padre Toledo

Museu Casa Padre Toledo está com agendamento aberto para visitas escolares

O Museu Casa Padre Toledo que integra o Campus Cultural UFMG, em Tiradentes, está de portas abertas para receber a visita dos alunos da sua Escola. Instalado em uma das mais belas edificações coloniais da cidade, o museu foi também a casa de um dos personagens mais emblemáticos da Inconfidência Mineira, o Padre Carlos Correia de Toledo e Melo. Com exposições de longa e curta duração, nosso espaço revive a história da Inconfidência Mineira com muita didática e dinamização, aproximando os visitantes dessa sociedade colonial e histórica.
Traga seus alunos para uma visita ao Museu realizando um agendamento prévio online, por meio do formulário de inscrição de fácil preenchimento no qual é possível escolher data e horário ideais.
link para inscrição: https://forms.gle/Gr4U4BWiGLKZQkx96
Vem pro Museu!!!

Campus Cultural UFMG em Tiradentes recebeu a primeira colônia de férias neste fim de semana

IMG_0055

Nos dias 1 e 2 de fevereiro, o Museu Casa Padre Toledo sediou a primeira colônia de férias realizada pelo Campus Cultural UFMG em Tiradentes em parceria com o Programa de Educação Tutorial (PET) – Educação Física e Lazer da Escola da Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO). O evento, que há  dez anos marca presença no campus Pampulha da UFMG em Belo Horizonte, chegou, após 18 edições, à cidade de Tiradentes. 

Com uma programação extensa, gratuita e diferenciada, a colônia de férias trouxe aos tiradentinos atividades como arco e flecha, mini-tênis, pintura, caça ao tesouro, oficinas recreativas e jogos diversos. “Por ser o último dia de férias, já estávamos sem opções para levar as crianças, e a colônia caiu feito uma luva. Aqui tem muitas atividades que não vemos em outros espaços recreativos, que estimulam a parte criativa e lúdica dos pequenos”, conta a arquiteta Ananda Lua Machado, que levou as filhas para aproveitar o domingo.

Segundo o professor responsável pelo projeto, Luciano Pereira Silva, a colônia de férias tem como principais objetivos, oferecer atividades de lazer diversificadas e de qualidade para toda a população e aproximar a comunidade da universidade, para que seus espaços sejam ocupados e apropriados pelo público. “A gente entende que o lazer, além de ser um direito social, é importante para a qualidade de vida e o desenvolvimento da sociabilidade. Esperamos que a comunidade possa continuar interagindo com cursos, eventos, atividades e os próprios espaços cedidos pela universidade”, conta o professor.

Com a presença de 51 inscritos no sábado e acesso livre para todos no domingo, a colônia de férias recebeu participantes de todas as idades. Uma delas foi  Geralda Aparecida Cirilo, de 70 anos. “Eu nunca tinha participado e até pensei que não poderia vir porque sou idosa, mas como meu amigo disse que não tinha limite de idade, resolvi vir e estou aproveitando muito. Ontem (sábado) até disse para os meninos que ri pelo ano inteiro; É a primeira vez que venho em eventos no Museu e pretendo voltar’’, conclui.

A monitoria das atividades é realizada pelos alunos de Educação Física da UFMG, que tem a oportunidade de exercer papéis do seu ramo profissional. Luciano conta que a cada edição são pensados cursos e estratégias de qualificação, que contribuem para o aprendizado e o desenvolvimento dos alunos para que vivenciem suas práticas profissionais futuras. O aluno Gustavo Haruki, que participou como monitor da turma de adultos, conta que esta foi a primeira vez que trabalhou com uma turma assim. “A gente tem que ter um ritmo diferente de trabalho, tem que respeitar muito mais o corpo deles e saber que eles têm uma história pra contar, que talvez é mais importante que a atividade propriamente dita. Está sendo uma grande experiência pra mim. A diversão dos adultos tem um outro perfil da diversão que trazemos para os mais novos, o que é ótimo porque aprendemos a respeitar muito mais a característica de quem estamos trabalhando”, afirma. 

Com um espaço aberto e dinâmico as turmas puderam, além das atividades recreativas, visitar o Museu e conhecer um pouco mais da Inconfidência Mineira e da história tiradentina. A técnica ambiental, Fabiola Resende Rodrigues, levou o sobrinho que estava de férias na cidade. Ontem (sábado), ele veio sozinho e gostou muito, participou de várias atividades e conheceu o Museu. Hoje (domingo), como foi aberto, viemos juntos com ele. Foi muito importante ter esse momento família”,  conta, reforçando que espera voltar em edições futuras.

A colônia de férias também gerou novos admiradores da cidade e da cultura local, como conta o monitor Gustavo. “A parte turística e cultural é uma coisa que engrandece muito essa colônia. Mesmo que a gente só tenha dois dias, por ser um projeto piloto, as crianças conseguem trazer pra gente um pouco da vivência do que é Tiradentes. Eles me mostraram partes da cidade que eu não conhecia”.

 

Participe da Colônia de férias do Campus Cultural UFMG em Tiradentes

O Campus Cultural UFMG em Tiradentes da UFMG recebe, até 8 de janeiro, as inscrições para a sua 1ª Colônia de Férias, organizada em parceria com o Centro Esportivo Universitário (CEU) da UFMG e o programa PET – Educação Física e Lazer, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional. As atividades serão realizadas nos dias 1 e 2 de fevereiro, no Museu Casa Padre Toledo (Rua Padre Toledo, 158, Tiradentes).

O evento é destinado a jovens, adultos e crianças a partir dos 6 anos de idade. A programação inclui jogos, brincadeiras e atividades ao ar livre, das 8h às 17h no sábado e das 8h30 às 12h no domingo.
As vagas são limitadas e serão preenchidas de acordo com a ordem de inscrição.

Inscrições
As inscrições, gratuitas, devem ser feitas presencialmente no Museu Casa Padre Toledo, de terça a sexta das 10h às 17h, aos sábados de 10h às 16h30 e aos domingos de 9h às 15h. Os adultos interessados em participar devem levar o documento de identidade. Para os menores de 18 anos, o responsável legal deve apresentar sua identidade, a certidão de nascimento ou identidade originais.

80016876_2676676342418346_6274413879007117312_o

Mostra inédita “Monumentos Entrópicos e a Paisagem Minerária do Ferro” estreia em Tiradentes

 As obras integram a tese de doutorado do professor da UFSJ, Bruno Amarante, com defesa pública na abertura da mostra, no Museu Casa Padre Toledo

Peça da exposição "Monumentos Entrópicos", de Bruno Amarante (crédito: artista)

Peça da exposição “Monumentos Entrópicos”, de Bruno Amarante (crédito: artista)

A exposição “Monumentos Entrópicos e a Paisagem Minerária do Ferro”, de autoria do Bruno Amarante, estreia no jardim do Museu Casa Padre Toledo, no dia 06 de dezembro, com entrada franca na data.

As 21 esculturas em cerâmica, queimadas à alta temperatura, integram a tese de doutorado do ceramista, artista plástico e professor, desenvolvida junto à Escola de Belas Artes da UFMG, que tem a defesa marcada no lançamento da mostra, às 10h, aberta ao público.

A exibição é composta por 21 esculturas em cerâmica de tamanhos variados, queimadas à alta temperatura (1260º), em atmosfera redutora em forno a gás. As peças são recobertas com esmaltes cerâmicos desenvolvidos com o próprio minério de ferro ou com rejeitos coletados nas barragens.
A mostra pode ser visitada até 9 de fevereiro de 2020, nos horários de funcionamento do Museu, de terça a sexta, das 10h às 17h; aos sábados, das 10h às 16h30 e aos domingos, das 9h às 15h.

Contexto da produção artística

O modelo da indústria minerária instaurado sobre o território do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais com seus megaprojetos de extração de minério de ferro é altamente impactante ao espaço, permeando às dinâmicas sociais, econômicas, ambientais, num delicado e extenso quadro de insustentabilidade.

Não menos significativo, a atividade mineradora é causa da transfiguração da paisagem desta porção territorial que se vê transformada em descomunais crateras a céu aberto e barragens de rejeito, como marcada, física e sentimentalmente, por hediondos mares de lama.

Esse contexto minerário estabelecido e a conformação desses cenários são os objetos de pesquisa do artista e professor Bruno Amarante, e que resultaram no desenvolvimento de sua tese de doutorado, como se desdobraram nas obras apresentadas nesta exposição, ainda inédita, intitulada “Monumentos Entrópicos e a Paisagem Minerária do Ferro”.

Sobre o artista

O ceramista e artista plástico Bruno Amarante, Belo Horizonte, 1978, é professor adjunto da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), no curso Artes Aplicadas com Ênfase em Cerâmica.

É mestre em Artes Plásticas pelo Programa de Pós-Graduação da Escola de Belas Artes (EBA) da UFMG e bacharel em Escultura, também pela EBA/UFMG. Tem experiência no ensino e prática da cerâmica, desenvolvendo pesquisas no campo técnico e artístico e participando de exposições e salões nacionais e internacionais.

É doutorando no programa de Pós-Graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG, sob orientação da Profa. Dra. Maria do Céu Diel, com a tese “Monumentos Entrópicos e a Paisagem Minerária do Ferro”. A defesa acontece em 06 de dezembro, junto à abertura da exposição, no Museu Casa Padre Toledo.

Serviço
Exposição e defesa de tese “Monumentos Entrópicos e a Paisagem Minerária do Ferro” | Bruno Amarante
Data: 06 de dezembro de 2019 a 09 de fevereiro de 2020
Local: Jardim do Museu Casa Padre Toledo (Rua Padre Toledo, 190 – Tiradentes)
Horário: defesa da tese às 10h (06/12), visitação de terça a sexta, das 10h às 17h; aos sábados, das 10h às 16h30 e aos domingos, das 9h às 15h
Entrada gratuita no dia de abertura da exposição e defesa da tese (06)
Mais informações: (32) 3355 1257

Aberta em 17 de agosto, a exposição “Olhares: uma narrativa do cotidiano” pode ser vista até 8 de setembro

IMG-20190817-WA0009

Abertura da exposição no sábado (17), no Museu Casa Padre Toledo (Foto: Verona Segantini)

A tarde do dia 17 de agosto (sábado), no Museu Casa Padre Toledo, foi marcada pela abertura da instalação “Olhares: uma narrativa do cotidiano”, que mescla fotografias e pequenos textos opinativos de alunos da Escola Estadual Basílio da Gama, de Tiradentes.

A exposição resume as vivências fotográficas educomunicativas dos estudantes, nos campos das artes, urbanidades e sustentabilidade, compondo narrativas sobre a relação que estabelecem para com a cidade turística, face a questões como “Você gosta de morar em Tiradentes?” e “O que você mudaria em Tiradentes?”.

A proposta tem origem na pesquisa “A identidade da População de Tiradentes/MG frente à gentrificação”, desenvolvida pela mestranda Silvia Cristina dos Reis, da UFSJ e pode ser conferida até 8 de setembro.

Aproveite e conheça a nova exposição de longa duração do Museu, com imagens e acervos que tratam sobre a Casa, o Padre Toledo e sobre a Vila de São José Del Rei, locais e personagens que integram a história da Inconfidência Mineira.

Outras duas exposições temporárias abertas à visitação, no Museu Casa Padre Toledo, são a Mostra Frei Vellozo (jardim) e “Lugares Imaginários”(até 31 de agosto).

O Museu abre de terça a sexta, das 10h às 17h; sábados, das 10h às 16h30 e domingos, das 9h às 15h.

A entrada é gratuita para estudantes e professores do sistema de ensino público (básico, fundamental, médio e superior) e para residentes em Tiradentes, São João del-Rei e Santa Cruz de Minas. Estudantes e professores do sistema de ensino privado (idem) e maiores de 60 anos pagam meia entrada (R$ 5,00) e os demais públicos pagam inteira (R$ 10,00).

(Fotos: Verona Segantini)

#Olhares #EEBasíliodaGama #Educação #Cultura #Cidadania #UFSJ #MuseuPadreToledo #CampusCulturalUFMG #Tiradentes

Exposição “Olhares: uma narrativa do cotidiano”

Mostra Olhares, no Museu Casa Padre Toledo, traz narrativas das vivências fotográficas de estudantes de Tiradentes

A entrada é franca na abertura da exposição, às 15h do dia 17 de agosto (sábado)

Registro da atividade fotográfica com alunos da Escola Estadual Basílio da Gama, em Tiradentes (Foto: Sílva Reis)

Registro da atividade fotográfica com alunos da Escola Estadual Basílio da Gama, em Tiradentes (Foto: Silvia Reis)

A instalação Olhares: uma narrativa do cotidiano traz recortes com detalhes e lugares do espaço urbano de Tiradentes sob os olhares dos estudantes da Escola Estadual Basílio da Gama e é mais uma atração do Museu Casa Padre Toledo, em exposição de 17 de agosto a 08 de setembro de 2019. Na abertura, às 15h de sábado (17), e até o fechamento do Museu, às 16h30, a entrada é franca. Nos demais dias, a entrada continua gratuita para moradores de Tiradentes, São João del-Rei e Santa Cruz de Minas e para estudantes e professores do sistema de ensino público.

Olhares é a síntese das vivências fotográficas educomunicativas inter/transdisciplinares, nos campos das artes, urbanidades e sustentabilidade, realizadas com alunos secundaristas da Basílio da Gama, de maio a julho deste ano, evidenciando detalhes e lugares do espaço urbano nem sempre percebidos.

Para expressar os anseios dos estudantes envolvidos quanto à dinâmica urbana do município enquanto cidade turística, a instalação mescla fotografia e pequenos textos opinativos sobre a relação que estabelecem para com a cidade, em resposta às questões: “Você gosta de morar em uma cidade turística?” e “O que você mudaria em Tiradentes?”. Participam, como artistas: Cali, Felps, Lawier, Preto, Sunce Pali, Tuti, Veltti e Phaniistuff. Na curadoria, além da pesquisadora Sílvia Reis, a professora da UFSJ Luciana Beatriz Chagas e a estudante Thais de Almeida.

O projeto decorre da pesquisa “A identidade da população de Tiradentes/MG frente à gentrificação”, desenvolvida pela mestranda Silvia Cristina dos Reis, da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), cujo objeto de análise são as vivências educomunicativas desenvolvidas nessa escola. Segundo o estudo de Sílvia, a amostra de pesquisa – que deu origem à exposição – selecionou as atividades nas quais a fotografia atua propiciando a valorização da cultura regional, assim como o desenvolvimento da consciência crítica, diante dos processos de gentrificação desencadeados pela chegada maciça de “estrangeiros” em Tiradentes.

Museu Casa Padre Toledo tem a expografia renovada

Desde 12 de julho de 2019, dentro da programação do 51º Festival de Inverno UFMG, o Museu Casa Padre Toledo exibe novas exposições de longa duração, oferecendo aos visitantes a possibilidade de conhecer melhor o cotidiano e detalhes de personagens e locais que integram a história da Inconfidência Mineira, a partir de documentos, imagens e acervos diversos sobre a Casa, o Padre Toledo e também sobre o dia a dia da Vila de São José.

Nos jardins do Museu está instalada a mostra Frei Vellozo, composta por diversos painéis distribuídos no espaço, que contam a história desse importante botânico tiradentino do século 18. Integrante de um grupo de eminentes cientistas da época, o brasileiro Frei Mariano da Conceição Vellozo foi responsável pela organização da obra Florae Fluminensis. A publicação traz mais de mil e quinhentas espécies de plantas, seus nomes e também seus usos tradicionais, algumas delas encontradas na região de Tiradentes.

A visitação ao Museu pode ser feita de terça a a domingo em horários diferenciados e a entrada é gratuita tanto para residentes em Tiradentes, São João del-Rei e Santa Cruz de Minas como para professores e estudantes do sistema de ensino público. Estudantes e professores do sistema de ensino privado e maiores de 60 anos pagam meia entrada.

Serviço
Evento: Exposição Olhares: uma narrativa do cotidiano
Data: 17 de agosto a 08 de setembro de 2019
Local: Museu Casa Padre Toledo I Rua Padre Toledo, 158 – Tiradentes
Horários: terça a sexta, das 10h às 17h; sábados, das 10h às 16h30; domingos, das 9h às 15h.
Entrada franca na data de abertura da exposição, às 15h do sábado (17) e até o fechamento do Museu, às 16h30 e, nos demais dias, gratuita para estudantes e professores do sistema de ensino público (básico, fundamental, médio e superior) e para residentes em Tiradentes, São João del-Rei e Santa Cruz de Minas.
Estudantes e professores do sistema de ensino privado e maiores de 60 anos pagam meia entrada – R$ 5,00 – e os demais públicos pagam inteira, R$ 10,00.